O Olhar do Norte 2020 terá a Mostra Norte de curtas-metragens competitiva com os filmes selecionados disputando prêmios em oito categorias: Melhor Filme, Direção, Atuação, Direção de Fotografia, Montagem, Som, Direção de Arte e Roteiro. Para o júri, o evento conta com profissionais das mais diversas áreas do audiovisual – crítica, atuação, produção, direção de arte e direção – e com trabalhos marcantes ao longo dos anos.

Conheça o perfil dos júris:

CLEMILSON FARIAS

Acreano, formado em Produção Audiovisual pela Escola Internacional de Cinema e Televisão de Cuba (EICTV) e sócio-diretor da Leão do Norte Consultorias e Produções Audiovisuais. De 2007 a 2010, trabalhou como assistente do Curso de Teatro e produtor executivo da Usina de Arte em Rio Branco/Acre. De 2014 a 2017, trabalhou como produtor Executivo do Escritório Regional Norte da Linha de Produção de Conteúdos Destinados às TVs Públicas (PRODAV 08) em Manaus. Realizou produções de ficção e documentários, para TV e Cinema, entre eles “A Febre” (Brasil/França/Alemanha, 2019), “Monteirinho: Sanfoneiro da Floresta” (Acre, 2016), “Tenazas” (Cuba, 2013), “La Gran Aventura” (Cuba, 2013), “No Mesmo Barco: História de Águas” (Acre, 2013), “Entes da Floresta” (Acre, 2013), “Espejo Negro” (Cuba,2012). Recentemente fez a direção de produção do primeiro longa de ficção do Acre: “Noites Alienígenas”. Estão em finalização o curta “Passar Uma Chuva” e o telefilme “Montanha Dourada”, ambos do estado do Amapá, na qual assina a produção executiva.

Participar como jurado do Olhar do Norte é encantador, afinal, são obras produzidas na Região Norte e estou muito alegre de estar nesta equipe celebrando a produção local, mesmo diante de toda a situação complicada que estamos vivendo. A realização do festival com toda a diversidade presente nele é uma prova de que devemos continuar firme, lutando para continuar produzindo. Temos que conseguir colocar as coisas nas nossas mãos e realizá-la, independente das situações de qualquer gestão governamental.

Clemilson Farias

Jurado da Mostra Competitiva Olhar do Norte 2020

FRANCISCO RICARDO

Formado em Artes Visuais pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e graduado no curso de língua e cultura espanhola da Universidade de Salamanca, Francisco Ricardo é um dos artistas plásticos recentes mais renomados de Manaus. No audiovisual, ele se dedica, especialmente, ao setor de direção de arte com trabalhos em curtas como “O Tempo Passa”, de Diego Bauer, “Manaus Hot City”, de Rafael Ramos, e “O Barco e o Rio”, de Bernardo Ale Abinader, pelo qual venceu o Kikito da categoria no Festival de Gramado 2020. Também fez a direção de arte e figurino do videoclipe “Lulu”, da Luneta Mágica. Realizou também a ilustração do livro “Emoções e Rastro” de Rafael Cesar, e foi cenógrafo do espetáculo “Complexo de Gaivota”.

Estou bem feliz em participar do Olhar do Norte. Acredito que o festival é muito importante para o cinema em Manaus. A cada ano, percebo que a cidade está se tornando um pólo importante de produção e divulgação do audiovisual no Norte do Brasil e o Olhar do Norte confirma isso. Há cinco anos não seria possivel pensar em uma mostra de cinema que tivesse tanta diversidade e possibilidade de títulos em diversos formatos. O festival tem criado uma relação sobre as percepções sobre o Norte, mostrando uma Amazônia diversificada e plural, não focando apenas em filmes de brancos em apartamentos.

Francisco Ricardo

Jurado da Mostra Competitiva Olhar do Norte 2020

ISABELA CATÃO

Integrante do grupo teatral “Ateliê 23”, Isabela Catão se tornou um dos nomes mais requisitados do audiovisual amazonense nos últimos anos. O primeiro trabalho de destaque veio no curta-metragem de Bernardo Ale Abinader, “A Goteira”, em que interpreta uma mulher casada de classe média em meio a uma rotina dominada pelo tédio. Depois de duas participações em projetos da Rede Globo – a novela “A Força do Querer” e a série “Aruanas” – Catão retomou a parceria com Abinader para o premiado “O Barco e o Rio”. Também é a protagonista de “Enterrado no Quintal”, suspense dirigido por Diego Bauer. Em 2021, será vista em  “Joycilene”, dirigido por Hanna Gonçalvez e fotografado por Larissa Martins.

Acho generoso esse convite essa e me sinto feliz com a oportunidade de estar contribuindo, a partir das minhas experiências artísticas, para os trabalhos que farão parte do Festival.

Isabela Catão

Jurada da Mostra Competitiva Olhar do Norte 2020

RICARDO MANJARO

Formado em Direito, Ricardo Manjaro, de forma autodidata, produziu e dirigiu seu primeiro filme, o policial “A Última no Tambor”, ao lado de amigos e com uma câmera emprestada. Resultado: dois prêmios no Amazonas Film Festival 2012 – Melhor Ator com Breno Castelo e Direção de Fotografia. Quatro anos depois, Manjaro foi para o suspense sobrenatural com “O Necromante”, vencedor de três categorias do primeiro Olhar do Norte – Melhor Filme, Ator novamente com Breno Castelo e Direção de Arte. Em 2017, em São Paulo, dirigiu “Morcego de Rua”, trabalho de conclusão do curso de Direção na Academia de Cinema de São Paulo. Ao lado de Diego Bauer, realizou “Obeso Mórbido”, filme com passagens pela Mostra de Tiradentes, Festival de Vitória, Cine PEGoiânia Mostra Curtas, Semana de Cinema (Rio de Janeiro), Maranhão na Tela 2018 (Prêmio de Melhor Ator para Diego Bauer) e Mostra Internacional de São Luís (Melhor Som para Lucas Coelho e Heverson Batista).

Esse é um festival que já me trouxe muitas alegrias no passado, por isso considero um grande orgulho ter sido convidado e reconhecido. É uma grande responsabilidade fazer parte do júri e pretendo honrar este compromisso assistindo aos filmes concorrentes com toda atenção e respeito.

Ricardo Manjaro

Jurado Mostra Competitiva Olhar do Norte 2020

SUSY FREITAS

Nasceu em Manaus, Amazonas. Além de escritora, trabalha nas áreas de Comunicação e Educação no Ensino Superior. É autora dos livros de poesia “Véu sem voz” (Bartlebee, 2015) e “Alerta, Selvagem” (Patúa, 2019), além de ser uma das editoras da Revista Torquato, publicação online voltada à literatura e artes visuais. Também atua como crítica de cinema no site Cine Set, fazendo parte da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema. Já publicou ensaios sobre o tema em livros da Abraccine e organizou, com o jornalista Caio Pimenta, o livro “Cine Set e a crítica de cinema no Amazonas” (Casa Literária, 2019).

A experiência de um festival de cinema em 2020 é, antes de tudo, um ato de resistência. Resiste-se às imposições trazidas pela pandemia, que conseguiu destacar, mais que nunca, o caráter coletivo da produção e do consumo de audiovisual mesmo com tecnologias que tinham tudo para individualizar cada vez mais tanto uma quanto a outra; e resiste-se ao desmantelamento da produção audiovisual brasileira, atacada por um governo decrépito que censura obras, retira financiamentos e busca impor uma visão de mundo que em nada dialoga com ele. Nesse sentido, um festival nortista de cinema só consolida isso: existimos, resistimos e não vamos parar.

Susy Freitas

Jurada da Mostra Competitiva Olhar do Norte 2020

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

Curta amapaense ‘Utopia’ é o grande vencedor do 4º Festival Olhar do Norte

A quarta edição do Festival Olhar do Norte terminou com a vitória do único curta-metragem vindo do Amapá: "Utopia" venceu Melhor Filme na Mostra Norte. O júri era formado pelos diretores Aldemar Matias (“La Arrancada”), Dheik Praia (“Pranto Lunar”), Elaíze Farias...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...