SINOPSE

No mezanino do Edifício Cidade de Manaus há uma obscura sala vazia onde dois jovens se encontram. Lá eles iniciam a busca pelo “poema solar”, uma espécie de primeiro motor, que irá levá-los à fase adulta. Percorrendo diversas Manaus, Mezanino mostra zonas de transição entre o tempo mítico e o histórico, entre a cidade e a floresta, entre a juventude e a fase adulta.

TRAILER

O DIRETOR

Bruno Villela nasceu em Santos-SP, em 17 de julho de 1983 e trabalha como realizador audiovisual e roteirista. Escreve poesia desde os 12 anos quando os super-heróis que desenhava começaram a se tornar vencíveis. Bacharel e Licenciado em Filosofia pela USP, concluiu o Mestrado pelo PROLAM, estudando documentário social no Brasil e Argentina. Residiu em Manaus durante quatro anos onde dirigiu o programa Nova Amazônia, exibido na TV Brasil, deu aulas no curso de Audiovisual da UEA, e criou e dirigiu a série documental Índio Presente (contemplada pelo FSA) – com estreia em 2018. Na Amazônia aprendeu que toda voadeira tem a velocidade da luz e um furo no igapó é também uma dobra espaço-temporal. Manteve o blog de poemas O Olho Roxo entre 2009 e 2014 e em 2015 ganhou do Minc uma Bolsa de Criação Literária, que resultou na publicação de Bailéu Dub, seu livro de estreia. O azul dos seres subterrâneos é o seu segundo livro.

O DIRETOR

Com quase 30 anos de experiência na indústria de animação, Marcelo De Moura é diretor criativo da Lightstar Studios supervisionando os departamentos de história e animação. Com mais de 26 anos de experiência na indústria de animação, Marcelo trabalhou como artista de storyboard, designer de personagens e diretor de animação para alguns dos maiores estúdios do segmento, incluindo os estúdios Disney, Blue Sky studios, Warner Brothers e Don Bluth Studios, entre outros. Tem extenso conhecimento no processo de filmes de animação, televisão e comercial. Além disso, ele também atua como supervisor de animação em propagandas da Peanuts para a marca Metlife.

DESTAQUES: ELENCO DE DUBLADORES

ADANILO

Atuou em curtas-metragens amazonenses como “Aquela Estrada” e “A Menina do Guarda-Chuva”, ambos dirigidos por Rafael Ramos. Integrou o elenco dos longas “Marighella”, dirigido por Wagner Moura, “Oeste Outra Vez”, de Erico Rassi; “Noites Alienígenas” , de Sérgio de Carvalho; “Anaíra”, de Sérgio Machado, além da segunda temporada de “Segunda Chamada”.

Daniela Blois

Formada em Medicina, a atriz amazonense foi convidada para um teste no espetáculo “Gabriela, O Musical”, superou mais de 700 candidatas e foi escolhida pelo diretor João Falcão para interpretar a icônica personagem criada por Jorge Amado. No audiovisual local, a atriz foi uma das protagonistas de “O Boto”, série de 13 episódios da Artrupe Produções Artísticas.

FICHA TÉCNICA

Produção: Cambará Filmes e Lightstar Studios

Duração: 12:44 minutos

Elenco: Adanilo e Daniela Blois

Direção de Arte e Concepts: Douglas Ayres, Laila Monobi, Mirella Demartini

Assistentes de Arte: Matheus Santos, Samara Lopes

Coordenadora de Produção: Aline Gasparin

Assistente de Produção/Animação: Daiane Carvalho

Rigging: Guilherme Lopes

Animadores: Douglas Ayres, Guilherme Lopes, Marcia Satie, Robson Menezes

Supervisor de Efeitos: Douglas Ayres

Efeitos Adicionais: Thiago Zoia

Composite e Render: Brenda Merlin, Douglas Ayres, Thiago Zoia

Montagem: Brenda Merlin, Douglas Ayres

Fotografia de Cenários: Robert Coelho

Desenho de som: Guilherme Barros

Trilha Sonora: Coletivo Teremin

Logística de Estúdio: Alfredo Guedes de Moura

T.I.: Paulo Henrique Soares

Direção de Acessibilidade: Anderson Freitas

Intérprete de Libras: Dyego Ramos Henrique

Intérprete de Audiodescrição: Bruno Villela

Estúdio de Apoio: 70mm – Brasília

Tradução Inglês: Bernardo Abinader

O curta é uma zona de transição, um lugar de espera de distintos mundos e realidades. O que sempre me chamou a atenção sobre a Amazônia, ao morar em Manaus, foram estas pontes entre cidade e floresta, mito e história, rio e rua, modernidade e tradição. “Mezanino” representa um ritual de passagem da adolescência para o mundo adulto.

Bruno Vilella

Diretor de "O Mezanino"

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

Curta amapaense ‘Utopia’ é o grande vencedor do 4º Festival Olhar do Norte

A quarta edição do Festival Olhar do Norte terminou com a vitória do único curta-metragem vindo do Amapá: "Utopia" venceu Melhor Filme na Mostra Norte. O júri era formado pelos diretores Aldemar Matias (“La Arrancada”), Dheik Praia (“Pranto Lunar”), Elaíze Farias...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...