De Willian Wyler, por “Ben-Hur”, a Carol Reed, de “Oliver!”, Caio Pimenta apresenta o TOP 10 dos ganhadores do Oscar de Melhor Direção nos anos 1960. 

10. CAROL REED, por “OLIVER” 

A décima posição fica por conta de Carol Reed, ganhador do Oscar em 1969, por “Oliver”, adaptação do clássico do Charles Dieckens. 

Os números musicais podem ser extremamente bem executados e há um certo charme teatral do filme. Por outro lado, o Carol Reed não consegue dar dinamismo necessário para a história, tornando “Oliver” um exercício de paciência quase interminável. 

Esta foi a terceira indicação da carreira do Carol Reed e o Oscar deveria ter ido para ele na primeira vez com “O Terceiro Homem”, em 1951. 

9. TONY RICHARDSON, por “AS AVENTURAS DE TOM JONES” 

“As Aventuras de Tom Jones” é um dos vencedores mais apagados da história do Oscar. A comédia somente não é pior por conta do Tony Richardson, ganhador de Melhor Direção em 1964. 

Apesar da história fraquíssima, o Richardson faz o que pode para tirar o filme do marasmo. Percebe-se a busca por uma narrativa ousada, flertando com a Nouvelle Vague francesa, surpreendendo o público sempre que possível. Para o estilo quadradão reinante no Oscar nesta época, a iniciativa é de se tirar o chapéu. 

Essa vitória, entretanto, é um dos resultados mais injustos do Oscar na década de 1960. Vou falar sobre isso nas próximas semanas. 

8. FRED ZINNEMANN, por “O HOMEM QUE NÃO VENDEU A SUA ALMA” 

O segundo Oscar da carreira do Fred Zinnemann aconteceu em 1966 pelo drama “O Homem que não Vendeu Sua Alma”. 

A sobriedade e lucidez de Thomas Moore encontra vazão na elegância e inteligência de Zinnemann em transpor o roteiro brilhante de Robert Bolt para as telas.

Hábil contador de histórias dos mais diversos gêneros, o diretor apresenta, muito mais do que planos mirabolantes ou sequências tecnicamente ousadas, uma narrativa precisa e perfeita. 

7. GEORGE CUKOR, por “MINHA BELA DAMA” 

Da primeira para a última indicação foram mais de 30 anos, mas, o George Cukor conseguiu finalmente vencer o Oscar em 1965 pelo trabalho em “Minha Bela Dama”. 

Semelhante ao Carol Reed, o George Cukor aposta em um viés também teatral na condução de “Minha Bela Dama”. A grande diferença é que, aqui, os números musicais são melhores e o visual  mais marcante, fora o ritmo do filme fluir bem melhor. 

Na verdade, o Oscar para o George Cukor deveria ter vindo por “Núpcias de um Escândalo”, clássico com Cary Grant, James Stewart e Katharine Hepburn pelo qual foi indicado em 1941. 

6. ROBERT WISE, por “A NOVIÇA REBELDE” 

A partir daqui, o nível da lista sobe demais. A sexta posição é do Robert Wise, ganhador do Oscar em 1966 por “A Noviça Rebelde”. 

Somente a primeira cena com Julie Andrews cantando “The Sound of Music” seria suficiente para o Wise ter vencido o prêmio. Porém, ele vai além com um trabalho capaz de colocar um tom de fantasia e familiar para acompanhar as aventuras da família von Trapp, ao mesmo tempo, em que consegue mudar a chave e imprimir um tom de suspense e drama condizente com a reta final. 

O Robert Wise superou um concorrente de peso no Oscar: nada mais nada menos do que o David Lean pelo ótimo “Doutor Jivago”. 

5. WILLIAN WYLER, por “BEN-HUR” 

Diretor do épico dos épicos do cinema americano, o William Wyler venceu o Oscar em 1960 por “Ben-Hur”. 

Não há outra palavra que defina tão bem a capacidade do Wyler em conduzir as sequências de ação que não seja impressionante. A corrida de bigas por si só permanece empolgante sem dever em absolutamente nada do ponto de vista técnico para produções repletas de efeitos especiais nos dias de hoje.  

Esse foi o terceiro Oscar da carreira do William Wyler; ele vencera anteriormente por “Rosa da Esperança” e “Os Melhores Anos das Nossas Vidas”. Curioso porque são produções que não tem absolutamente nada a ver com a dimensão de “Ben-Hur”. 

4. MIKE NICHOLS, por “A PRIMEIRA NOITE DE UM HOMEM” 

O Mike Nichols foi o único ganhador da categoria de Melhor Direção que não teve o filme ganhador da categoria máxima. Isso aconteceu em 1968 pelo trabalho dele em “A Primeira Noite de um Homem”. 

Neste filme primordial para a Nova Hollywood, o Mike Nichols cria uma obra transgressora tematicamente ao mesmo tempo em que conduz tudo com muita ternura e universalidade. Além disso, ele extrai atuações perfeitas de Anne Bancroft e Dustin Hoffman, algo que se tornou a marca da carreira dele. 

Tudo isso apenas no segundo filme da carreira. Na boa, o Mike Nichols é um dos gênios mais subestimados da história do cinema. 

3, ROBERT WISE E JEROME ROBBINS, por “AMOR, SUBLIME AMOR” 

Pela primeira e única vez até aqui, o Oscar de Melhor Direção foi dividido: Robert Wise e Jerome Robbins venceram o prêmio por “Amor, Sublime Amor” em 1962. 

O Robert Wise comandou as cenas dramáticas e cômicas, enquanto o Jerome Robbins conduzia as cenas de dança com extremo rigor. Essa dobradinha criou um dos musicais mais pulsantes e vivos já vistos, trazendo a violência das ruas ampliada por personagens rebeldes e sem perspectivas de futuro para um gênero até então acostumado com um universo cor de rosa. 

Vai ser interessante ver o remake comandado pelo Steven Spielberg para saber se ele é capaz de conseguir imprimir, pelo menos, metade da energia dessa obra-prima. 

2. BILLY WILDER, por “SE O MEU APARTAMENTO FALASSE”

O Billy Wilder venceu muito menos Oscars do que deveria: apenas duas conquistas. A última delas veio em 1961 com “Se o Meu Apartamento Falasse”. 

É interessante observar como o Wilder conduz com sua elegância típica uma história que transita entre o drama de personagens errantes e até tristes com um humor irônico e refinado.

Isso faz com que “Se o Meu Apartamento Falasse” consiga ser muito mais do que aparenta e uma das obras mais complexas do cinema americano. 

1. DAVID LEAN, por “LAWRENCE DA ARÁBIA”

Mesmo com tantos gênios vencedores do Oscar nesta década, era praticamente impossível o primeiro lugar ser diferente: David Lean, ganhador de Melhor Direção em 1963 por “Lawrence da Arábia”. 

Diretor de épicos gigantescos, o David Lean dobrou a aposta em “Lawrence da Arábia”. Das enormes locações a uma história ampla, mas, muito bem contada, com personagens maiores que a vida, ele consegue amarrar tudo sem perder o controle em momento algum. O resultado é uma obra-prima perfeita. 

Este foi o segundo Oscar do David Lean: o primeiro veio por um outro épico, porém, em escala menor, “A Ponte do Rio Kwai”. 

Oscar: TOP 10 Ganhadores Melhor Filme Internacional nos Anos 2010

De "O Segredo dos Seus Olhos", da Argentina, a "Roma", do México, Caio Pimenta elege o TOP 10 dos Ganhadores de Melhor Filme Internacional nos Anos 2010. PS: até 2019, a categoria se chamava Melhor Filme de Língua Não-Inglesa, porém, para fins de maior entendimento,...

Oscar: Os Quase Indicados a Melhor Filme (2000 a 2022)

De "Quero ser John Malkovich" a "Apresentando os Ricardos", Caio Pimenta traz as obras que bateram na trave para serem indicadas a Melhor Filme no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=vPU4Vhgr55Y 2000 a 2009 Com apoio de Harvey Weinstein, “Regras da Vida”...

Oscar: 10 Atuações Masculinas que não deram sorte na Premiação (2000-2020)

De Gary Oldman a Michael Keaton, Caio Pimenta traz um TOP 10 com atuações masculinas que não sorte no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=GdrLBWPhCys 10. GARY OLDMAN, POR "O ESPIÃO QUE SABIA DEMAIS" O décimo lugar deste TOP 10 ocorreu há 10 anos.   O Jean Dujardin...

Oscar: 10 Atuações Femininas que não deram sorte na Premiação (2000-2020)

De Nicole Kidman, por "Moulin Rouge", a Ellen Burstyn, de "Réquiem Para um Sonho", Caio Pimenta traz um TOP 10 com atrizes que não sorte no Oscar, seja por concorrer contra uma mega favorita ou estar no meio de uma disputa entre duas candidatas fortes....

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Saoirse Ronan e Penélope Cruz

Das nomeações por "Desejo e Reparação" e "Volver" a "Adoráveis Mulheres" e "Mães Paralelas", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Saoirse Ronan e Penélope Cruz no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=0awFQcqEwSw 4. "BROOKLYN" Começando com a...

Oscar 2023 – Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 9

De Steven Spielberg a Alejandro González Iñarritu, Caio Pimenta aponta os últimos 10 candidatos ao Oscar 2023. "THE FABELMANS" E "BARDO" Steven Spielberg fez uma campanha digna com “Amor, Sublime Amor” no Oscar 2022 ainda que se esperasse mais do musical na briga com...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Christian Bale e Joaquin Phoenix

Das nomeações por "O Vencedor" e "Gladiador" a "Vice" e "Coringa", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Christian Bale e Joaquin Phoenix no Oscar. 4. A GRANDE APOSTA Começo com o Christian Bale e a indicação mais fraca dele ao Oscar, para mim,...

Brasil no Oscar 2023: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 8

No especial dos candidatos do Oscar 2023, Caio Pimenta traz uma lista com sete filmes brasileiros que podem representar o país. https://www.youtube.com/watch?v=AMOUGgQqXiM "MARTE UM", "O LIVRO DOS PRAZERES" E "A Primeira Morte de Joana” Vamos então aos candidatos...

Oscar: TOP 10 Maiores Momentos da Década 1950

Dos recordes de "Gigi" e "A Malvada" às indicações póstumas de James, Caio Pimenta traz os 10 maiores momentos do Oscar nos anos 1950. 10. IMPROVISO DE JERRY LEWIS EM 1959 https://www.youtube.com/watch?v=2riKdGOdU3E&t=157s A lista do Oscar nos anos 1950 continua...

Oscar 2023: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 7

No especial dos candidatos do Oscar 2023, Caio Pimenta traz uma lista com oito filmes brasileiros que podem representar o país. MEDUSA https://www.youtube.com/watch?v=3yW1VUtYXN0 A lista começa com “Medusa”, novo filme de Anita Rocha da Silveira.   Premiado no...