Qual foi a melhor e a pior seleção de indicados ao Oscar de Melhor Filme de 2010 a 2021?

12. OSCAR 2019 

A lista começa com o pior ano disparado do Oscar nos últimos tempos. 

Em 2019, não tivemos nenhum candidato a novo clássico. “Infiltrado na Klan” e “Pantera Negra” sobravam e eram os grandes filmes da temporada.

Pela estranheza típica do Yorgos Lanthimos, o grande elenco, a direção de fotografia e figurinos, “A Favorita” estava acima da média dos filmes do gênero.  

Ainda que carregue no açúcar, “Nasce uma Estrela” é um bom filme. Assim como “Green Book” graças ao talento de sua dupla de protagonistas e “Roma” que está acima da média no trabalho excepcional do Alfonso Cuáron, mas, com uma história longe de desenvolver com maior complexidade sua protagonista. 

Vice” e “Bohemian Rhapsody” eram as ovelhas negras de uma temporada esquecível. 

2019 – 8 PONTOS 

Novo Clássico: 

Grandes Filmes: Infiltrado na Klan, Pantera Negra 

Acima da Média: 

Bons: A Favorita, Green Book, Roma, Nasce uma Estrela 

Ruins: Vice, Bohemian Rhapsody 

11. OSCAR 2013 

Crítica: Argo, de Ben Affleck

Se em 2019, a gente ainda teve grandes filmes, seis anos antes nem isso. 

Não fosse a mão pesada do Michael Haneke em muitos momentos até poderia melhorar a posição de “Amor” no ranking para além de acima da média.

Django Livre” é outro grande filme do Tarantino, porém, comparado a “Bastardos Inglórios” está um patamar abaixo. “A Hora Mais Escura” e “As Aventuras de Pi” são outros concorrentes acima da média.  

Na turma dos bons filmes estão o sensível “Indomável Sonhadora”, o simpático ainda que forçado “O Lado Bom da Vida”, “Lincoln” em que o Spielberg tem o Daniel Day-Lewis salvando a lavoura de uma produção chapa branca demais e “Argo”, thriller nível Supercine dos melhores com uma ótima direção do Ben Affleck. Já a versão do Tom Hopper para “Os Miseráveis” ninguém merecia e é ruim mesmo. 

Uma lista insossa destas justifica o fato de “Argo” ter sido o vencedor, afinal, condiz bem com o nível dos demais concorrentes. 

2015 – 13 PONTOS 

Novo Clássico: Boyhood 

Grandes Filmes: Whiplash, O Grande Hotel Budapeste 

Acima da Média: Birdman 

Bons: Selma, A Teoria de Tudo, Sniper Americano 

Ruins: O Jogo da Imitação 

10. OSCAR 2010 

Avatar, de James Cameron

O Oscar 2010 já foi um pouquinho melhor ainda que não tenha tido mais filmes ruins também. 

Com o Tarantino inspirado ao reimaginar a Segunda Guerra Mundial, “Bastardos Inglórios” era disparado o grande filme daquela temporada. Merecia ter vencido muito mais Oscars do que conquistou.  

Acima da média tínhamos a maior bilheteria de todos os tempos, “Avatar”, mais uma viagem insana da mente do mestre James Cameron.

“Guerra ao Terror” não ficava para trás seja no simbolismo da direção da Kathyrn Bigelow como um olhar atento à mente dos soldados americanos na Guerra do Iraque, algo que viria a ser mais explorado anos depois em várias produções. 

Completam o time acima da média “Amor Sem Escalas”, do Jason Reitman, “Distrito 9”, ficção científica com ecos de “Cidade de Deus” do Neill Blomkamp, e o fofinho “UP – Altas Aventuras” com seu o início arrasador.

Apesar de forçar a mão muitas vezes, “Preciosa” é um bom filme assim como “Educação”. Já na turma dos ruins estão o hors-concours “Um Sonho Possível” e “Um Homem Sério”, um dos mais apagados recentes dos irmãos Coen.

OSCAR 2010 

Novo Clássico: –

Grandes Filmes: Bastardos Inglórios

Acima da Média: Guerra ao Terror, Avatar, Amor Sem Escalas, Distrito 9, UP – Altas Aventuras 

Bons: Preciosa, Educação 

Ruins: “Um Sonho Possível” e “Um Homem Sério”

9. OSCAR 2015

2015 apresentou uma lista dividida entre filmes excelentes e outros bem na média. 

Caindo na linha das cinebiografias tradicionais, “O Jogo da Imitação” não sai do lugar comum e desperdiça uma história que tinha tudo para ser potente. Já “Selma”, “A Teoria de Tudo” e “Sniper Americano” podem até não serem brilhantes, mas, são bons filmes graças, especialmente, aos seus elencos. 

A técnica de Iñarritu e Emanuel Lubezki aliado a melhor atuação da carreira do Michael Keaton colocam “Birdman” acima da média. Somente não é mais pelo histrionismo do roteiro.

Whiplash” é um tesouro recente do cinema norte-americano demonstrando o perfeccionismo técnico do jovem Damien Chazelle, enquanto “O Grande Hotel Budapeste” traz o Wes Anderson no auge do seu conceito. 

Para quem acompanha o canal, não deve ficar surpreso que considero “Boyhood” um novo clássico não apenas pelo desafio de ser feito ao longo de uma década, mas, também por mostrar como o cotidiano pode ser cinematográfico sim. Era merecedor daquele Oscar fácil. 

OSCAR 2015

Novo Clássico: Boyhood

Grandes Filmes: Whiplash e O Grande Hotel Budapeste

Acima da Média: Birdman

Bons: Selma, A Teoria de Tudo e Sniper Americano

Ruins: O Jogo da Imitação

8. OSCAR 2018 

O Destino de uma Nação” torna um momento importante da Segunda Guerra Mundial em um mero trampolim para o Gary Oldman vencer Melhor Ator. Pelo menos, deu certo na estratégia ainda que o filme seja bem ruim. “The Post” é o Spielberg atacando novamente com o seu bom mocismo – aqui, a favor do jornalismo – mas, sendo apenas piegas. Não serve nem para passar na faculdade. 

Três Anúncios Para um Crime” pode até um grande elenco e suas reviravoltas, mas, na real, é um filme apenas bom. Não merecia metade do burburinho que causou. Declaração de amor do Guillermo del Toro à fantasia e ao cinema, “A Forma da Água” está um pouco acima da média, porém, abaixo na comparação com o maior sucesso da carreira do mexicano, o sensacional “O Labirinto do Fauno”.

O Christopher Nolan se saiu muito bem ao entregar uma experiência imersiva na Segunda Guerra e com maestria técnica típica dele em “Dunkirk”. “Me Chame Pelo Seu Nome” apresenta o cenário, o elenco, o roteiro, os diálogos perfeitos em um filme com tudo para se tornar cult. 

Os  grandes filmes, entretanto, eram “Corra”, um terror irônico sobre o racismo velado nos EUA; “Lady Bird”, o melhor exemplar em anos de coming-of-age, e “Trama Fantasma”, o reencontro elegante da dupla Paul Thomas Anderson e Daniel Day-Lewis. 

Em um mundo perfeito e justo, “Trama Fantasma” chegaria como favorito disparado ao Oscar e não como um azarão absoluto. 

OSCAR 2018

Novo Clássico: –

Grandes Filmes: Corra, Lady Bird, Trama Fantasma 

Acima da Média: A Forma da Água, Dunkirk, Me Chame Pelo Seu Nome 

Bons: Três Anúncios Para um Crime 

Ruins: O Destino de uma Nação, The Post  

7. OSCAR 2012 

2012 teve de tudo no Oscar. 

Foi o ano do equivocado “Histórias Cruzadas” competir ao lado de “Cavalo de Guerra”, homenagem insuportável do Spielberg ao cinema dos anos 1940. “O Homem que Mudou o Jogo” e “Tão Perto, Tão Forte” são produções no limite do correto, de se assistir e não se lembrar muita coisa tempos depois. 

A coisa começa a melhorar com “Os Descendentes”, simpática comédia dramática do Alexander Payne com ótimos desempenhos do George Clooney e da Shailene Woodley. “O Artista” é aquela delícia de filme para se ver e rever sem compromisso. Entrando nos grandes filmes temos “A Invenção de Hugo Cabret”, carta de amor do Martin Scorsese ao mago George Mèliés com o melhor uso de 3D já visto nos cinemas, e “Meia-Noite em Paris”, o último grande filme do Woody Allen. 

Dirigido pelo Terrence Malick, “A Árvore da Vida” foi o novo clássico daquela temporada. Entre a filosofia e a religião, o diretor proporciona ao espectador uma viagem pela história da criação do Universo, do planeta Terra e da humanidade. Para deixar Kubrick com orgulho. 

Claro que “A Árvore da Vida” jamais venceria o Oscar, por isso, não me incomoda tanto assim a conquista do “O Artista”. 

OSCAR 2012

Novo Clássico: A Árvore da Vida 

Grandes Filmes: A Invenção de Hugo Cabret, Meia-Noite em Paris   

Acima da Média: Os Descendentes, O Artista 

Bons: O Homem que Mudou o Jogo, Tão Perto, Tão Forte 

Ruins: Cavalo de Guerra, Histórias Cruzadas 

6. OSCAR 2017 

La La Land

O Oscar 2017 não teve nenhum novo clássico, porém, também teve filmes ruins entre os indicados. 

Mesmo não sendo um western memorável, “A Qualquer Custo” é um bom filme graças à talentosa dupla Taylor Sheridan e David Mackenzie. Mel Gibson voltou com sangue nos olhos e boas análises sobre a fé na guerra em “Até o Último Homem”, “Estrelas Além do Tempo” pode ser clichê, mas, funciona em seu recado sobre inclusão e diversidade; já “Lion” era o mais fraquinho, porém, ainda agradável de se ver, e, por fim, “Um Limite Entre Nós” encontra nos talentos de Denzel Washington e Viola Davis a forma de driblar o cansativo tom teatral do longa. 

Manchester à Beira-Mar” abre a turma dos acima da média com um drama econômico, mas, direto ao ponto e com uma interpretação incrível do Casey Affleck. “A Chegada” também está em um patamar superior aos da ficção científica em uma obra focada mais no drama da personagem da Amy Adams do que nos mistérios e segredos da ótima história. 

Os grandes filmes do Oscar 2017 não tinham como não ser “Moonlight”, o drama intimista e pessoal do Barry Jenkins capaz de tocar em diversos assuntos delicados da sociedade americana sempre com muita ternura; e “La La Land”, a homenagem aos musicais repleta de cores, canções deliciosas, dois atores carismáticos ao extremo e o Chazelle novamente de uma precisão absurda. 

OSCAR 2017

Novo Clássico: 

Grandes Filmes: Moonlight, La La Land 

Acima da Média: Manchester à Beira-Mar, A Chegada,  

Bons: A Qualquer Custo, Até o Último Homem, Lion, Estrelas Além do Tempo 

Ruins:

5. OSCAR 2021 

Tanta gente reclamou dos indicados, mas, parando para pensar, o Oscar 2021 aparece bem-posicionado nesta lista. 

Apesar da presença do fraco “Os Sete de Chicago”, a lista contou com os bons “Mank” – o qual poderia ter sido sim um pouco melhor para o padrão Fincher que nos acostumamos – e “Minari” 

“Judas e o Messias Negro” e “Nomadland” estão acima da média, enquanto “Bela Vingança” e “O Som do Silêncio” são grandes filmes. Nenhum, entretanto, está no mesmo patamar de “Meu Pai”, obra-prima do Florian Zeller com uma atuação arrebatadora do Anthony Hopkins e candidata fácil a futuro novo clássico. 

OSCAR 2021

Novo Clássico: Meu Pai

Grandes Filmes: Bela Vingança e O Som do Silêncio

Acima da Média: Judas e o Messias Negro, Nomadland  

Bons: Mank, Minari

Ruins: Os Sete de Chicago

4. OSCAR 2016 

A lista de 2016 teve de tudo e mais um pouco, sendo uma das melhores dos últimos anos.  

Podem não ser obras-primas, mas, “Ponte dos Espiões”, “Brooklyn”, “O Quarto de Jack” e “Perdido em Marte” funcionam muito bem dentro de seus respectivos gêneros. “Spotlight” segue à risca os dramas jornalísticos, porém, a importância do tema e o elenco colocam a produção para um nível acima da média.  

Irônico e sarcástico, “A Grande Aposta” é uma aula sobre como a nossa ignorância em economia leva aproveitadores a ganharem muito dinheiro através de golpes e artimanhas do mercado. Já “O Regresso” é um drama épico como há muito não se via nos cinemas e uma atuação para consagrar Leonardo DiCaprio. 

O novo clássico e melhor filme da lista não poderia ser nenhum outro que não fosse “Mad Max – Estrada da Fúria”. A loucura de George Miller promove um espetáculo de som e imagem para deixar o espectador eletrizado. Sem dúvida, o maior filme de ação desde “Matrix”. 

OSCAR 2016

Novo Clássico: Mad Max 

Grandes Filmes: O Regresso, A Grande Aposta 

Acima da Média: Spotlight 

Bons: Ponte dos Espiões, Brooklyn, O Quarto de Jack, Perdido em Marte 

Ruins: –

3. OSCAR 2014 

Vamos ao pódio com o ano da Copa do Mundo no Brasil. 

Mistura de romance com ficção científica, “Ela” se tornou um novo clássico ao retratar os amores líquidos de Bauman, solidão e a nossa ligação com a tecnologia nos dias atuais.  

Não muito atrás dele estava “O Lobo de Wall Street”, o melhor filme de Martin Scorsese na década passada e também “12 Anos de Escravidão”. Apesar de não trazer nada novo sobre o tema, o longa do Steven McQueen colocava o público em um espiral insana para retratar a desumanidade ocorrida no século XIX no sul dos EUA. 

Na turma acima da média, aparecia “Gravidade” com seus planos-sequências inesquecíveis e “Nebraska”, comédia dramática melancólica com Bruce Dern em estado de graça. “Clube de Compras Dallas”, “Philomena” e “Capitão Phillips” eram bons filmes, sendo “Trapaça” o único filme que destoava da turma. 

OSCAR 2014

Novo Clássico: Ela 

Grandes Filmes: O Lobo de Wall Street, 12 Anos de Escravidão 

Acima da Média: Gravidade, Nebraska 

Bons: Clube de Compras Dallas, Philomena, Capitão Phillips 

Ruins: Trapaça 

2. OSCAR 2011 

Muita gente só lembra do Oscar 2011 pelo resultado que não agradou muito. Porém, aquela seleção trazia diversas produções excelentes. 

A temporada tinha dois novos clássicos: “A Rede Social”, olhar cirúrgico do David Fincher e Aaron Sorkin sobre o que viria a ser a geração dominada pelo Facebook, e “Toy Story 3”, desfecho emocionante e perfeito de uma série que deveria ter sido uma trilogia. 

Com uma atuação formidável da Natalie Portman e o Darren Aronofsky fazendo seu trabalho mais pop e acessível, “Cisne Negro” é, sem dúvida, um grande filme assim como “A Origem” em que o Christopher Nolan demonstrava toda a sua ambição em criar histórias mirabolantes, mas, em uma época em que sabia como contá-las. 

O ganhador “O Discurso do Rei”, “Bravura Indômita”, “127 Horas”, “Minhas Mães e Meu Pai” e “O Vencedor” são bons filmes. O legal é perceber como essa foi uma seleção diversa indo do faroeste à ficção científica passando pela animação até chegar aos dramas de época. 

OSCAR 2011

Novo Clássico: A Rede Social, Toy Story 3 

Grandes Filmes: A Origem, Cisne Negro 

Acima da Média:  

Bons: Bravura Indômita, 127 Horas, Minhas Mães e Meu Pai, O Vencedor 

Ruins: 

 1. OSCAR 2020

Não tinha como ser diferente: o Oscar 2020 reuniu a melhor seleção de indicados dos últimos anos. E foi com tranquilidade.  

Afinal, ter três novos clássicos como “Parasita”, “Era uma vez em Hollywood” e “O Irlandês” é muito raro de acontecer.

Coringa” também era um grande filme daquela temporada ao trazer uma atuação visceral de Joaquin Phoenix e um reflexo da nossa doentia sociedade repleta de ódio.   

O Sam Mendes cria uma experiência de imersão acima da média vista nos filmes de guerra com “1917”, enquanto Greta Gerwig vai ao passado para falar de dilemas atuais vividos pelas mulheres na ótima adaptação de “Adoráveis Mulheres”.  

Jojo Rabbit”, “Ford Vs Ferrari” e “História de um Casamento” eram outros bons filmes, especialmente, o drama romântico da Netflix. Saudades do último Oscar antes da pandemia. 

OSCAR 2020

Novo Clássico: Parasita, Era uma vez em Hollywood, O Irlandês 

Grandes Filmes: Coringa 

Acima da Média: 1917, Adoráveis Mulheres  

Bons: Jojo Rabbit, Ford Vs Ferrari, História de um Casamento 

Ruins: –

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Martin Scorsese

Pode-se dizer sem pestanejar que Martin Scorsese seja o maior diretor vivo do cinema dos EUA. Na história, está ao lado de D.W Griffith e John Ford como os maiores de todos os tempos.  As obras de Scorsese são fundamentais para entender a criação, formação e as...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Robert De Niro

Do patriarca da família mais famosa do cinema a um taxista em crise passando por um boxeador campeão e perturbado: grandes papéis não faltaram na carreira do Robert De Niro. Da comédia ao drama, ele brilhou em obras-primas históricas.  Ao longo da carreira, foi...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Steven Spielberg

Raros diretores conseguiram ser tão felizes ao aliar sucesso de público, comercial com produções elogiadas pela crítica com o Steven Spielberg. Desde o suspense “Encurralado” à aventura “Jogador Número 1”, ele experimentou os mais diversos gêneros ao longo de quatro...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Cate Blanchett

Cate Blanchett: o ideal de atriz de uma geração.  Essa era o título de um artigo do Cine Set sobre a carreira desta australiana feito pelo Renildo Rodrigues. O link está na descrição.  E cá entre nós, o título de modo algum parece exagerado: a Cate Blanchett, ao lado...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Dustin Hoffman

Baixinho, nem fortão nem magrelo, muito menos um símbolo sexual de parar avenidas.   O Dustin Hoffman poderia ser uma antítese daquilo que Hollywood consagrou como uma estrela do cinema, porém, é justamente essa capacidade do público enxergar nele uma pessoa como seu...

Oscar: 10 Filmes que Mereciam Mais Indicações entre 2016 e 2021

Sabe aquelas grandes produções que poderiam ter ido mais longe do Oscar? Conseguido uma indicação a Melhor Filme, por exemplo? Neste vídeo, Caio Pimenta fala sobre as 10 maiores entre 2016 e 2021 levando em consideração obras que foram indicadas ao prêmio....

Oscar 2022: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 8

De "Cyrano" a "Encanto", Caio Pimenta apresenta mais possibilidades de filmes para disputar o Oscar 2022 nesta oitava parte do especial. https://www.youtube.com/watch?v=Svbz5YvQ87A BLUE BAYOU  https://www.youtube.com/watch?v=KvNCMXgRo8w Vamos começar com uma produção...

Oscar: TOP 10 Atuações Esnobadas entre 2000-2010

Chegou a hora de escolher 10 grandes atuações esnobadas no Oscar entre 2000 a 2010. A lista leva em conta atuações nomeadas para o Bafta, Globo de Ouro e SAG daqueles anos. https://www.youtube.com/watch?v=_vz0vCsdoUo 10. MAGGIE GYLLENHALL, por "SECRETÁRIA" A Maggie...

Oscar 2022: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 7

De “The Eyes of Tammy Faye” a “Medusa”, Caio Pimenta apresenta mais possibilidades de filmes para disputar o Oscar 2022.  https://www.youtube.com/watch?v=bCuHGbgJ_iA THE EYES OF TAMMY FAYE  https://www.youtube.com/watch?v=6xBXRn3BvGY Tenho falado bastante de...

Oscar: Os 10 Maiores Oscar Baits das edições 2000 a 2009

De Charlize Theron a “Uma Mente Brilhante”, Caio Pimenta apresenta os maiores Oscar Baits das edições entre 2000 a 2009.  https://www.youtube.com/watch?v=HtCWl1B7zE0&pp=sAQA 10. WILL SMITH, POR “À PROCURA DA FELICIDADE”  Will Smith é um dos astros mais queridos de...