Desde que gravamos “Boto” (Artrupe Produções, 2017), pude fazer trabalhos que me possibilitaram viajar para outros lugares apresentando a produção que fazemos aqui. E é em situações como essas, distante da zona de conforto e rodeado de pessoas que não fazem ideia de como é Manaus, que fica mais fácil perceber, através do contraste com o outro, que características nos diferenciam, desde os hábitos linguísticos, comportamentais, personalidade, etc..

E uma vez que somos capazes de compreender que carregamos fortes características manauaras (seja lá o que isso quer dizer, afinal isso depende do contexto de “que” Manaus você vive), de que maneira isso reverbera nos nossos filmes?

LEIA TAMBÉM: “POR DENTRO DE ENTERRADO NO QUINTAL” – PARTE 1

Antes de assistir ao cinema de Cláudio Assis (“Amarelo Manga” e “A Febre do Rato”), achava que a minha realidade era infilmável, ou que resultaria em filmes que não interessariam a ninguém. Na minha cabeça de 20 anos, filmar a periferia da zona oeste, Nova Esperança e Lírio do Vale, era tentar extrair potencial de onde não havia nada, que só seria possível filmar em lugares com mais atrativos visuais, e com histórias mais edificantes do que as que sempre ouvi que se passavam por aqui. Até hoje nunca vi um filme, ou peça publicitária, filmada no meu bairro.

Desde que gravei meu segundo curta, O Tempo Passa (2016), que acontece na Compensa, a minha relação com Manaus como cenário dos filmes que eu gostaria de fazer foi se modificando. Nos poucos festivais que o filme passou, era nítido o quanto a Compensa chamava a atenção das pessoas, muito mais do que o próprio filme em si. A geografia do local, a arquitetura caótica das casas, os rostos daquelas pessoas, gírias, maneirismos, causos. É vivo, equatorial, quente e úmido.

E preciso dizer que encontrei esse resultado meio que na sorte. Não foi tão consciente. Sabia que a Compensa estava no imaginário coletivo, mas não sabia como era o cheiro, o calor, o olho no olho com aquelas pessoas. Se soubesse disso antes de gravar, teria feito um filme todo em função do lugar, e não da trama que criei.

RESPOSTAS E REFLEXÕES A PARTIR DA NOSSA ORIGEM

Estas reflexões me vieram em fevereiro durante a passagem por Cuba, realizando um breve curso de duas semanas na EICTV [Escuela Internacional de Cine y Television].  Mesmo em curto período, é daquelas experiências que ajudam a modificar coisas na vida. E estando lá, a ideia de um cinema mais político e contundente como ferramenta social, além de cultural, vem de maneira incontornável. Não imposta por eles através da ideologia marxista (cacaca), mas como uma constatação natural dos fatos.

A visão de mundo de qualquer criador é influenciada pela sua realidade, seu contexto social, pela sociedade que convive na cidade onde mora. Muito provavelmente é do lugar de onde viemos que virão as respostas para que entendamos que tipo de arte queremos fazer, e que função ela desempenha.

Fazendo um filme totalmente voltado para o entretenimento, estou fazendo um filme político, porque cumpre uma função na sociedade. Se mostro um personagem tomando um Corote em um puteiro, ou se apresento um casal tomando Champagne numa cobertura de hotel, a minha visão de mundo inevitavelmente vai se somar à abordagem da trama, e com isso direciono politicamente meu trabalho.

Então em Cuba a ideia de Enterrado no Quintal se transformou num dispositivo muito claro. Trazer o conto do Diego para o meu bairro, Lírio do Vale, emprestando as minhas experiências pessoais para o projeto, tendo em vista as questões que o Diego traz no seu texto.

Equipe durante as gravações de “Enterrado no Quintal”, no Lírio do Vale

Foi a primeira vez que adaptei uma obra literária para o cinema, mas sinto que preciso dizer que a visualidade proposta pelo autor fez com que a transição se tornasse muito fácil, na verdade. E isso fica ainda mais natural quando trago o filme para o lugar onde moro, não sendo difícil descrever as ruas por onde a personagem passa, as pessoas que encontra, o cheiro, o calor.

A lição aprendida durante O Tempo Passa não foi esquecida. Não que eu vá fazer agora  o filme que deveria ter feito antes, até porque esse tipo de coisa não se alcança dessa maneira. Gravamos na metade de outubro. Sinto que agora eu sei o potencial que o simples ato de mostrar meu bairro atinge, e contar com a poesia de um autor instigante conduzindo tudo, faz com que eu tenha a impressão de que seremos capazes de nos apropriar da realidade da nossa cidade para fazer um filme que só poderia ser realizado aqui, e por nós.

Festival de Veneza 2021: 10 Filmes Para Ficar de Olho

De “Duna” a “Spencer”, Caio Pimenta apresenta 10 filmes para você ficar atento durante o Festival de Veneza entre 1 a 11 de setembro. https://www.youtube.com/watch?v=SIYoRsjxKCI THE HAND OF GOD    https://www.youtube.com/watch?v=CFUVnhUsNws O último Oscar conquistado...

Obra de Dráuzio Varella volta a ganhar as telas no documentário ‘Encarcerados’

As experiências de Drauzio Varella no sistema prisional de São Paulo ganharam um novo capítulo. Nesta quinta-feira (26/08), será lançado "Encarcerados", documentário de Claudia Calabi, Fernando Grostein e Pedro Bial, baseado no livro "Carcereiros", lançado por Dráuzio...

Cidade do México ganha destaque em ‘Toda La Sangre’, nova série do Starzplay

O Cine Set acompanhou a coletiva de imprensa virtual que marcou o início das gravações do seriado mexicano "Toda La Sangre". Baseada em uma série de livros de Bernardo Esquinca, a produção comandada pelo showrunner (e vencedor do Emmy Internacional) Zasha Robles terá...

‘Balada Sangrenta’: da Jamaica para o mundo

https://open.spotify.com/album/4oxdKcC9epGo9viy1j8fN7?si=mFbELJ-WT8qiP-guSyuWAw&dl_branch=1 Em 1972, o mundo não poderia esperar por um filme que combinasse a propulsão e o senso épico do western, uma história clássica de ambição desviada para o crime, uma...

Remake de sucesso argentino, ‘Dois + Dois’ aborda swing com mais romance e menos sexo

Em seu primeiro trabalho na direção, Marcelo Saback, roteirista de sucessos do cinema brasileiro como "De Pernas pro Ar" e "Loucas pra Casar", resolveu se aventurar na missão de conduzir o remake da comédia argentina "Dois + Dois" (2012). A adaptação homônima tem...

Incêndio na Cinemateca Brasileira serve de prenúncio para o pior da era Bolsonaro

“O risco de um novo incêndio é real”.  Esta frase aparece no segundo parágrafo, quarta linha do manifesto dos trabalhadores da Cinemateca Brasileira divulgado no dia 12 de abril de 2021 - leia abaixo.   Naquele momento, a instituição com o maior acervo audiovisual da...

Cine Set fará cobertura especial do Festival de Locarno 2021

Perto de completar sete anos, o Cine Set dá um belo presente de aniversário para você, leitor do site: a cobertura do Festival de Locarno. O evento na Suíça está previsto para ser realizado entre os dias 4 e 14 de agosto deste ano.  Por conta da pandemia da COVID-19 e...

HBO Max lança ‘Os Ausentes’, primeira série brasileira do streaming

Grande novidade do streaming no país em 2021, a HBO Max prepara a estreia da primeira série brasileira da plataforma. “Os Ausentes” traz a rotina de uma agência homônima especializada em investigar desaparecimentos. Criada pelo ex-policial Raul Fagnani (Erom...

Festival de Cannes 2021: 10 Filmes para Ficar de Olho

Chegou a hora do Festival de Cannes 2021: de 6 até 17 de julho, o foco do mundo do cinema estará na Riveira Francesa. Por isso, Caio Pimenta traz, agora, 10 filmes que disputam a Palma de Ouro para você ficar atento.  https://www.youtube.com/watch?v=OOpbBQQghTg...

‘Friends – The Reunion’: o melhor e o pior do reencontro

Tanto em números quanto em popularidade, ‘Friends’ continua sendo uma das maiores séries na história da televisão mundial: se em 2004, a produção obteve o recorde de episódio final com maior público, 17 anos depois, um único episódio especial foi capaz de atrair...