O projeto UFS | Cine Vitória online está de volta com a sua segunda edição. O projeto tem o intuito de estimular o cinema e continuar, de forma remota, o trabalho feito pelo Cinema Vitória, a única sala de cinema de arte do estado desde 1934. Serão diversas produções voltadas à valorização do audiovisual, inclusive com exibição de filmes. A primeira mostra será focada no cinema nortista e acontecerá entre os dias 31/05 à 11/06 no YouTube do projeto. Essa iniciativa é uma colaboração entre o curso de Cinema e Audiovisual da UFS e o Cinema Vitória, através da Funcap.

Assim como na sua primeira edição, o projeto vai acontecer de forma online e gratuita. Essa é uma forma de democratizar o acesso à cultura audiovisual e abrir espaços para debates e discussões sobre a sétima arte. Esses diálogos vão acontecer por meio de vários conteúdos como o podcast UFS | Cine Vitória, oficinas e Master Classes, que prometem ser uma ponte entre aquelas pessoas que estão produzindo cinema e o público. Por enquanto, é possível revisitar o que foi feito na primeira edição do projeto acessando o nosso canal no YouTube (youtube.com/c/CinemaVitóriaUFS) e o podcast, que está disponível nas plataformas de áudio.

A “Mostra Cinema Nortista” (31/05 à 11/06) vai ser a primeira exibição de filmes desta nova edição do evento. A mostra vai reunir 14 filmes, entre eles longas e curtas metragens, de diretores e diretoras da região Norte do país. A curadoria foi realizada por Flávio Torquato, Samara Aragão e Mayla Sandes, com produção de Mateus Ferreira e Jefersson Moraes, e os filmes serão exibidos através no canal do YouTube do projeto.

Além de atuar como um fomentador da cultura cinematográfica sergipana, o projeto UFS | Cine Vitória surgiu como uma tentativa de manter o trabalho do Cinema Vitória, que foi interrompido devido à pandemia de Covid-19. A primeira edição começou em novembro de 2020, com a Mostra de Cinema Negro, e terminou em fevereiro deste ano, com a Mostra Olhares Sergipanos. Ao total foram cinco mostras cinematográficas que discutiram diversos temas, Master Classes, Webinários e o podcast que continuará nesta nova edição.

Programação da Mostra de Cinema Nortista:

A Benzedeira (15min.) – Dir. Wallace Abreu- Amazonas 

Antigamente não existia dia (19min.) – Dir. Adriano Barroso 

Espátula e Bisturi (07min.) – Dir. Adrianna Oliveira 

Espírito que caminha (19min.) – Dir. Gabriela Barreto Daldegan

Kiteyã Toalet Makurap – Nosso Conhecimento Makurap (32min.) – Dir. Roseline Mezacasa e Povo Makurap

Mulheres de Mamirauá (40min.) – Dir. Jorane Castro

Ópera Cabocla (27min.) – Dir. Adriano Barroso

Os Karipuna do Uaça (22min.) – Dir. Coletivo Karipuna de Audiovisual

Os Galibi-Marworno (21min.) – Dir. Coletivo Galibi-Marworno de Audiovisual

Pedaços de Pássaros (19min.) – Dir. Andrei Miralha e Marcílio Costa

Ribeirinhos do Asfalto (25min.) – Dir. Jorane Castro

Romana (24min.) – Dir. Helen Lopes

Transamazônia (75min.) – Dir. Mea Borbach, Débora Macdowell e Renata Tay

Utopia (15min.) – Dir. Rayane de Almeida

com informações de assessoria

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...