Foi pela captura da imagem em movimento de “Uma Vista da Baia da Guanabara” que, em 1898, o Brasil magicamente entraria no mundo da produção cinematográfica. Nascido três anos antes na França, o cinema deu os primeiros passos no Brasil pelas câmeras do imigrante italiano Affonso Segretto quando este desembarcou no Rio de Janeiro. A exemplo do que ocorreu há quase 200 anos e no começo dos anos 1990 do século passado – quando a era Collor decretou o fim da Embrafilme, responsável por fomentar o setor – novamente retomamos sonhos em som e imagem com a fúria da criatividade de nossos realizadores audiovisuais.  

Nesse 19 de junho, Dia Do Cinema Brasileiro muito há o que se comemorar e continuar lutando para conquistar, como a manutenção da Ancine (Agência Nacional de Cinema), entidade que não só regula toda a cadeia produtiva como incentiva o produto audiovisual brasileiro e os profissionais mundo afora; a pressão perante as bizarrices do governo bolsonarista que nomeia a “namoradinha do Brasil” e agora o “galã da Malhação” para a Secretaria Nacional de Cultura, que fica no Ministério da Cidadania e define políticas públicas para arte e expressões culturais; a criação de mecanismos que possibilitem respiros especialmente nesses tempos tão desafiadores de Pandemia, como a Lei do Audiovisual Paraense (PL 417/2019), prestes a tramitar na Assembleia Legislativa do Pará, precisando de um empurrãozinho da sociedade civil e contando com o empenho de diversos atores da indústria do cinema local, que se engajaram na causa como Dira Paes.  

Mas para recapitular um pouco a trajetória do nosso cinema, segue uma pergunta norteadora: que cinema do oprimido é esse que se apresenta nas telas do país desde tempos remotos? Paulo Freire diria que a dominação do opressor do oprimido se perpetua pela dominação cultural e um ótimo exemplo é a ideologia norte-americana perpetrada pelo cinema. Ela está tão arraigada nos corações e mentes da plateia, especialmente após o advento do som que fica difícil concorrer sem se submeter as formulaicas narrativas clássicas. Mesmo com esses entremeios, há um respiro e o impacto certeiro de “Limite”, o filme-marco eleito pela Abraccine como o melhor de nossa trajetória. Para além de Mário Peixoto e sua obra seminal, o legado de pioneiros como Humberto Mauro – que influenciaria Eduardo Coutinho e tantos outros documentaristas -, de Carmen Santos, Gilda de Abreu e Mazzaropi precisa ser reconhecido e revisitado… Ou mesmo a filmografia de outros personagens admiráveis do nosso cinema, que tem tardiamente sua importância (re)conhecida como Cléo de Verberena e Adélia Sampaio. Como Linduarte Noronha e seu “Aruanda”. 

Sejam elas estéticas, sociais, culturais ou políticas, as histórias que o nosso cinema conta (e as que também omite) validam a nossa tão jovem democracia brasileira, que mesmo maltratada pelos vilões autoritários resiste. São narrativas que revelam a diversidade de raças, vocabulários, credos, paisagens, idiossincrasias que tornam o Brasil tão denso e plural e que precisam inundar todas as telas. Que cada vez mais cineastxs pretas, trans, indígenas, tenham condições de narrar suas histórias e alcançar o público. Que o Audiovisual periférico, contra hegemônico e revolucionário – pressuposto do cinema novo com as obras de Glauber Rocha, Sérgio Person, Linduarte Noronha e Helena Solberg – siga reverberando pelo mundo mostrando nossa verdadeira face. A genialidade presente em vários frames, cenas e sequências do nosso cinema (tão mal quisto por alguns que o consideram de má qualidade perante os blockbusters hollywoodianos) permanece e alimenta o imaginário das novas gerações de cineastas. Gente que se apropria dos formatos e com um celular na mão porta uma poderosa arma metafórica que, abastecida das ideias e de discursos potentes, se impõe nas redes ou nas salas de exibição. Ocupa, traduz a poética cotidiana (como aquelas marcantes conjecturas de Ana Carolina sobre a mocidade das meninas, dos subúrbios cariocas por Nelson Pereira dos Santos ou as tropicalistas de Joaquim Pedro de Andrade e a turma da Boca do Lixo), aponta para a frente e restaura uma certa fé no que virá.  

Que a irmandade que se desenha nos movimentos do audiovisual brasileiro ou mesmo ao longo do pleito pela lei Aldir Blanc – que dá alguma seguridade social aos milhares de trabalhadores da cultura – inspire mais transformações. Os festivais e mostras de cinema online que cumprem um papel fundamental na democratização do acesso ou mesmo as lives e Webinários que encurtam distâncias e aproximam Kleber Mendonça Filho, Laís Bodanzky, Sabrina Fidalgo, Karim Ainouz, Anna Muylaert, Rodrigo Teixeira e tantos outros nomes de cineastas com projeção daqueles que estão tateando os caminhos para ter êxito. Que essa dinâmica, essas ações e momento generoso siga sendo a tônica dominante para que tenhamos mais anos e séculos de cinema brasileiro, gerando emprego, renda, expressando valor, cidadania e preservando a nossa própria identidade. A maneira que o Brasil se enxerga nas telas diz muito sobre o país do futuro. Desse futuro que é instantâneo, sem tempo a perder. Que é o aqui e agora. 

Brasil na Covid-19 X Filmes de Fim de Mundo: Realidade mais irracional que a Ficção

A realidade é, muitas vezes, mais estranha que a ficção. E a realidade brasileira, então, nem se fala. Neste artigo vou comentar um pouco sobre como o Brasil do Covid-19 se compara com alguns elementos e clichês de filmes de catástrofes e fim do mundo que Hollywood e...

30 Anos de ‘Lua de Cristal’: documentário celebra sucesso estrelado por Xuxa

Em 1990, Xuxa Meneghel estava no auge de sua carreira. A loira mais famosa do Brasil já era recordista em vendagem de discos e seu programa “Xou da Xuxa”, exibido nas manhãs pela TV Globo, rompia barreiras e começava a ganhar repercussão internacional. Se tal fenômeno...

Bond, Cannes, Mercado Brasileiro: o Impacto do Coronavírus no Cinema

O surto de COVID-19, conhecido popularmente como coronavírus, tem deixado o mundo em pânico nestes últimos meses. O alto número de pessoas diagnosticadas com o vírus e o crescente número de mortes só tem alarmado mais ainda a situação. O surto teve início na cidade de...

César 2020 e a vitória de Polanski: triste dia para o cinema da França

https://www.youtube.com/watch?v=PXnNOBj26lk&t=13s A primeira e única vitória de Roman Polanski na categoria de Melhor Direção no Oscar, em 2003, foi recebida em clima de euforia. No anúncio dos indicados, gritos e aplausos mais fortes para o cineasta responsável...

Os 10 maiores ataques do governo Bolsonaro ao cinema do Brasil em 2019

Jair Bolsonaro, de fato, é um fenômeno. Dólar passando dos R$ 4,20. Economia com crescimento pífio. Desemprego na casa de 12,5 milhões de pessoas. Perda da credibilidade internacional do Brasil ao redor do planeta. Parceria com EUA marcada por um lado recebe MUITO...

Os Mafiosos de Martin Scorsese: de ‘Caminhos Perigosos’ a ‘O Irlandês’

ALERTA: este artigo possui SPOILERS! Com a estreia de “O Irlandês”, o diretor Martin Scorsese parece encerrar um ciclo de produções sobre a vida dentro da máfia, uma jornada iniciada 1973 com o experimental “Caminhos Perigosos” (1973), primeira parceria dele com...

O caso James Dean e os limites (ou não) do uso do CGI no cinema

Há algumas semanas foi anunciado que o ícone de Hollywood, James Dean (1931-1955), será revivido via computação gráfica para aparecer no filme Finding Jack, um drama ambientado na Guerra do Vietnã a ser dirigido pela dupla Anton Ernst e Tati Golykh. Bem... Todos nós...

Saudade vira ponto de partida para debate da alienação parental em ‘Tranças’

Saudade é uma palavra interessante e particularmente nossa. O dicionário a define como o sentimento causado pela distância ou ausência, mas só quem a sente compreende o quanto ela dói e é capaz de deixar cicatrizes. A questão é que nem sempre essas marcas são tão...

Por Dentro de ‘Enterrado no Quintal’: de Lars Von Trier à força de Isabela Catão

A sinopse de “Enterrado no Quintal” acabou ficando assim: Isabela, ainda adolescente, enterrou uma arma no quintal de casa como uma maneira de ter em mente uma forma de se vingar do seu padrasto, que agrediu a sua mãe diversas vezes durante a sua infância. Ela...

Por dentro de ‘Enterrado no Quintal’: Cuba para enxergar a zona oeste de Manaus

Desde que gravamos “Boto” (Artrupe Produções, 2017), pude fazer trabalhos que me possibilitaram viajar para outros lugares apresentando a produção que fazemos aqui. E é em situações como essas, distante da zona de conforto e rodeado de pessoas que não fazem ideia de...