“A Febre” segue sendo uma das produções brasileiras mais premiadas de 2019. Após passagens vitoriosas por Chicago, Locarno, Recife e Mar del Plata, o longa de ficção de estreia de Maya Da-Rin dominou o Festival de Brasília ao conquistar cinco prêmios: Melhor Filme pelo Júri, Melhor Direção, Ator com Régis Myrupu, Direção de Fotografia e Som.

Rodado na capital amazonense no ano passado, “A Febre” narra a história de Justino (Régis Myrupu), um indígena do povo Desana que trabalha como vigilante em um porto de cargas de Manaus. Desde a morte da esposa, sua principal companhia é a filha Vanessa, que se prepara para estudar Medicina em Brasília. Justino, então, é tomado por uma febre misteriosa. Durante a noite, uma criatura misteriosa segue seus passos. De o dia, ele luta para se manter acordado no trabalho.

A equipe local de “A Febre” contou com nomes como a diretora de fotografia Valentina Ricardo e o ator/diretor Diego Bauer, entre outros. A direção do projeto fica por conta de Maya Da-Rin, filha dos diretores Silvio Da-Rin e Sandra Werneck. Antes deste trabalho, ela já havia comandado os curtas “E Agora, José?” (2002) e “Versão Francesa” (2011), além dos documentários “Margem” (2007) e “Terras” (2009).

CONFIRA ABAIXO A LISTA COMPLETA DE GANHADORES DO FESTIVAL DE BRASÍLIA:

MELHOR SOM

A Febre, filme de Maya Da-Rin

Equipe de Som: Felippe Schultz Mussel, Breno Furtado, Emmanuel Croset

MELHOR TRILHA SONORA

Alice Júnior, filme de Gil Baroni,

Trilha Sonora de Vinicius Nisi

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Piedade, de Claudio Assis

Direção de Arte: Carla Sarmento

MELHOR MONTAGEM

Alice Júnior, filme de Gil Baroni

Montagem: Pedro Giongo

MELHOR FOTOGRAFIA

A Febre, filme de Maya Da-Rin

Direção de Fotografia: Bárbara Alvarez

MELHOR ROTEIRO

O tempo que resta, filme de Thaís Borges

Roteiro: Thaís Borges

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Piedade, de Claudio Assis

Ator coadjuvante: Cauã Reymond

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Alice Júnior, filme de Gil Baroni

Atriz coadjuvante: Thais Schier

MELHOR ATOR

A febre, direção de Maya Da-Rin

Melhor ator: Régis Myrupu

MELHOR ATRIZ

Alice Júnior, direção de Gil Baroni

Melhor Atriz: Anne Celestino

MELHOR DIREÇÃO LONGA METRAGEM

A febre, direçao de Maya Da-Rin

MELHOR LONGA METRAGEM JÚRI POPULAR

O tempo que resta, filme de Thaís Borges

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI – LONGA-METRAGEM

Claudio Assis, pelo filme Piedade

MELHOR LONGA METRAGEM – MOSTRA COMPETITIVA (PRÊMIO TÉCNICO DOT CINE)

A febre, filme de Maya Da-Rin

PRÊMIO SARUÊ – CORREIO BRAZILIENSE

Escola sem sentido, filme de Thiago Foresti

PRÊMIO ABRACCINE – MELHOR FILME LONGA METRAGEM COMPETITIVA

O tempo que resta, filme de Thaís Borges

MENÇÃO HONROSA

Ary y yo, de Adriana de Farias

Boca de ouro, de Daniel Filho

Um filme de verão, de Jo Serfaty

Mostra Competitiva – Curta-metragem

MELHOR SOM

A nave de Mané Socó, filme Severino Dadá

Som: Guma Farias e Bernardo Gebara

MELHOR TRILHA SONORA

Alfazema, filme de Sabrina Fidalgo

Trilha Sonora: Vivian Caccuri

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Parabéns a você, filme de Andreia Kaláboa

Direção de arte: Isabelle Bittencourt

MELHOR MONTAGEM

A nave de Mané Socó, filme Severino Dadá

Montagem: André Sampaio

MELHOR FOTOGRAFIA

Parabéns a você, filme de Andreia Kaláboa

Direção de Fotografia: João Castelo Branco

MELHOR ROTEIRO

Carne, de Camila Kater

Roteiro: Camila Kater e Ana Julia Carvalheiro

MELHOR ATOR

A nave de Mané Socó, filme Severino Dadá

Melhor ator: Severino Dadá

MELHOR ATRIZ

Angela, filme de Marilia Nogueira

Melhor atriz: Teuda Bara

MELHOR CURTA METRAGEM JÚRI POPULAR – MOSTRA COMPETITIVA (PRÊMIO TÉCNICO EDINA FUJII CIARIO)

A Carne, filme de Camila Kater

MELHOR CURTA METRAGEM – MOSTRA COMPETITIVA (PRÊMIO TÉCNICO DOT CINE E CINEMATICA)

Rã, de Júlia Zakia e Ana Flavia Cavalcanti

PRÊMIO MARCO ANTÔNIO GUIMARÃES

Chico Mendes, um Legado a Defender, de João Inácio

PRÊMIO CANAL BRASIL DE CURTAS – MELHOR FILME CURTA METRAGEM COMPETITIVA

Sangro, de Tiago Minamisawa e Bruno H. Castro

PRÊMIO ABRACCINE – MELHOR FILME CURTA METRAGEM COMPETITIVA

A Carne, de Camila Kater

Mostra Brasília BRB

MELHOR DIREÇÃO

Mãe, filme de Adriana Vasconcelos

MELHOR CURTA METRAGEM JÚRI POPULAR

Escola sem sentido, filme de Thiago Foresti

MELHOR LONGA METRAGEM JURI POPULAR

Dulcina, filme de Glória Teixeira

MELHOR CURTA METRAGEM – MOSTRA BRASÍLIA (PRÊMIO TECNICO EDINA FUJII CIARIO)

Escola sem sentido, filme de Thiago Foresti

MELHOR LONGA METRAGEM– MOSTRA BRASÍLIA (PRÊMIO TECNICO EDINA FUJII CIARIO)

Dulcina, filme de Glória Teixeira

MELHOR DIREÇÃO CURTA METRAGEM – MOSTRA COMPETITIVA

Alfazema, filme e direção de Sabrina Fidalgo

MELHOR EDIÇÃO DE SOM

Mito e música – a mensagem de Fernando Pessoa, filme de André Luiz Oliveira e Rama Oliveira

Edição de Som: Laurent Mis

MELHOR TRILHA SONORA

Mito e música a mensagem de Fernando Pessoa, filme de André Luiz Oliveira e Rama Oliveira

Trilha de: André Luiz Oliveira

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Dulcina, filme de Glória Teixeira

Direção de arte: Ursula Ramos e Demétrios Pina

MELHOR MONTAGEM

Ainda temos a imensidão da noite, filme de Gustavo Galvão

Montagem: Marcius Barbieri

MELHOR FOTOGRAFIA

Ainda temos a imensidão da noite, filme de Gustavo Galvão

Direção de Fotografia: André Carvalheira

MELHOR ROTEIRO

Mito e música – a mensagem de Fernando Pessoa, filme de André Luiz Oliveira e Rama de Oliveira

Roteiro: Rama de Oliveira

MELHOR ATOR

Escola sem sentido, filme de Thiago Foresti

Ator: Wellington Abreu

MELHOR ATRIZ

Dulcina, filme de Glória Teixeira

Atrizes: Bido Galvão, Carmem Moretzsohn, Iara Pietricovsky, Theresa Amayo, Glória Teixeira e Françoise Fourton.

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...