It’s a free world…”.

A máxima do liberalismo entoada no título original anuncia já de cara o propósito de Ken Loach. Com argumento de Paul Laverty, parceiro de longa data do diretor inglês, temas como exploração do trabalho e globalização são colocados em pauta e impulsionam “Mundo Livre” (2007) que, mesmo focado nos dramas da sua personagem principal, não deixa de reproduzir com firmeza sua mensagem final.

Após ser demitida – sem nenhuma justificativa, diga-se – do seu cargo como recruta em uma agência de empregos para imigrantes, Angie (KIerston Wareing), frustrada com o mercado de trabalho e as constantes demissões, decide com a ajuda de uma amiga empreender abrindo seu próprio negócio: uma agência de recrutamento de trabalhadores imigrantes.

Sob a ótica do opressor, a narrativa é apresentada e desenvolvida. A protagonista na tentativa de superar um mercado que também a despreza, acaba reproduzindo o papel de opressora e, por diversas vezes, igualmente o de oprimida. Nesse paradoxo vivido pela personagem, embora algumas situações exploradas no filme possam soar como vitimização – momentos em que Angie sofre consequências dos seus atos, posição que não lhe cabe -, as intenções por trás dessa escolha parecem ser bem claras: dar luz a uma lógica de mercado baseada na exploração.

Ela é partícipe ativa e responsável pelo abuso de dezenas de pessoas e deliberadamente entra no jogo, mas também é empurrada para ele. Esses indivíduos, em níveis diferentes, são colocados em um espiral vicioso onde um explora o outro e assim por diante, alimentando um sistema alicerçado nessa dinâmica abusiva e doente.

 COMO MANTER A ÉTICA EM MEIO À EXPLORAÇÃO?

Mesmo em segundo plano, a busca dos imigrantes ilegais em subsistir ao ponto de se tornarem não mais indivíduos dotados de direitos e deveres, mas apenas mão de obra barata, é o motor de “Mundo Livre”. Observado de longe, é a trama que justifica o enredo da protagonista e, sobretudo, garante força à narrativa.

É nesse ponto que a mensagem de Loach ecoa e gera os questionamentos: até que ponto é possível viver e sobreviver com ética nesse sistema? Ou não se beneficiar, direta ou indiretamente, da precarização da mão de obra? Como não ser cúmplice de uma estrutura fundada na exploração do homem pelo homem? “Mundo Livre” não oferece as respostas, mas instiga o espectador a fazer tais questões.

Ainda que sem a maestria da sua grande obra-prima, “Kes”, ou a afinação dos trabalhos mais recentes que tocam abertamente no tema, como a Palma de Ouro “Eu, Daniel Blake” e sua última realização “Você Não Estava Aqui”, ambos também com roteiro de Laverty, Ken Loach não deixa de traçar bem os contornos naquilo que faz seu trabalho tão relevante.

A mensagem do cineasta por vezes é enfraquecida pela insistente atenção dada a certos aspectos pouco pertinentes da vida da personagem principal. Ainda assim, esse pequeno drama social feito para televisão inglesa, entrega o que muitos enlatados disfarçados de crítica social fingem oferecer. Sem caricaturar os agentes e as situações, “Neste Mundo Livre” mais de uma década depois continua indispensável e a tocar numa ferida ainda aberta.

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...