It’s a free world…”.

A máxima do liberalismo entoada no título original anuncia já de cara o propósito de Ken Loach. Com argumento de Paul Laverty, parceiro de longa data do diretor inglês, temas como exploração do trabalho e globalização são colocados em pauta e impulsionam “Mundo Livre” (2007) que, mesmo focado nos dramas da sua personagem principal, não deixa de reproduzir com firmeza sua mensagem final.

Após ser demitida – sem nenhuma justificativa, diga-se – do seu cargo como recruta em uma agência de empregos para imigrantes, Angie (KIerston Wareing), frustrada com o mercado de trabalho e as constantes demissões, decide com a ajuda de uma amiga empreender abrindo seu próprio negócio: uma agência de recrutamento de trabalhadores imigrantes.

Sob a ótica do opressor, a narrativa é apresentada e desenvolvida. A protagonista na tentativa de superar um mercado que também a despreza, acaba reproduzindo o papel de opressora e, por diversas vezes, igualmente o de oprimida. Nesse paradoxo vivido pela personagem, embora algumas situações exploradas no filme possam soar como vitimização – momentos em que Angie sofre consequências dos seus atos, posição que não lhe cabe -, as intenções por trás dessa escolha parecem ser bem claras: dar luz a uma lógica de mercado baseada na exploração.

Ela é partícipe ativa e responsável pelo abuso de dezenas de pessoas e deliberadamente entra no jogo, mas também é empurrada para ele. Esses indivíduos, em níveis diferentes, são colocados em um espiral vicioso onde um explora o outro e assim por diante, alimentando um sistema alicerçado nessa dinâmica abusiva e doente.

 COMO MANTER A ÉTICA EM MEIO À EXPLORAÇÃO?

Mesmo em segundo plano, a busca dos imigrantes ilegais em subsistir ao ponto de se tornarem não mais indivíduos dotados de direitos e deveres, mas apenas mão de obra barata, é o motor de “Mundo Livre”. Observado de longe, é a trama que justifica o enredo da protagonista e, sobretudo, garante força à narrativa.

É nesse ponto que a mensagem de Loach ecoa e gera os questionamentos: até que ponto é possível viver e sobreviver com ética nesse sistema? Ou não se beneficiar, direta ou indiretamente, da precarização da mão de obra? Como não ser cúmplice de uma estrutura fundada na exploração do homem pelo homem? “Mundo Livre” não oferece as respostas, mas instiga o espectador a fazer tais questões.

Ainda que sem a maestria da sua grande obra-prima, “Kes”, ou a afinação dos trabalhos mais recentes que tocam abertamente no tema, como a Palma de Ouro “Eu, Daniel Blake” e sua última realização “Você Não Estava Aqui”, ambos também com roteiro de Laverty, Ken Loach não deixa de traçar bem os contornos naquilo que faz seu trabalho tão relevante.

A mensagem do cineasta por vezes é enfraquecida pela insistente atenção dada a certos aspectos pouco pertinentes da vida da personagem principal. Ainda assim, esse pequeno drama social feito para televisão inglesa, entrega o que muitos enlatados disfarçados de crítica social fingem oferecer. Sem caricaturar os agentes e as situações, “Neste Mundo Livre” mais de uma década depois continua indispensável e a tocar numa ferida ainda aberta.

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...