Dirigido por Nadav Lapid, “Synonymes”, ganhador do Urso de Ouro do Festival de Berlim 2019, surge como um olhar interessante sobre a nacionalidade e suas raízes. O filme começa com Yoav (Tom Mercier), um jovem israelense que se auto-exila em Paris para fugir do serviço militar e das tradições de sua terra natal. Ele considera as ações do governo de seu país incompatíveis com seu pensamento e começa a rejeitar tudo que aquele mundo representa: de suas tradições até a língua materna, o hebreu. 

A primeira imagem dessa chegada é intrigante pelo vazio no grande apartamento parisiense em que fica por um dia. Tanto o som como a fotografia ressaltam esse primeiro encontro em um país estrangeiro, largado e sozinho, a partir dos ecos e dos planos gerais que constroem essa sequência. Após estes momentos iniciais, Yoav é roubado e perde todas as suas roupas sendo deixado para morrer congelado na banheira do local. 

Na mesma noite, é encontrado por seus vizinhos que estranham as ações no apartamento ao lado e é com a ajuda do casal Emile (Quentin Dolmaire) e Caroline (Louise Chevillotte) que Yoav irá se reerguer nessa capital estrangeira. Yoav passa então a querer se “tornar” francês, incluindo aulas para adquirir a cidadania francesa e aqui entra a discussão principal do filme: como deixar para trás as raízes que nos moldaram como pessoas? 

Com um dicionário de francês, Yoav começa a recitar as palavras que ali estão, para memorizá-las. Aqui se encontram as passagens mais interessantes do filme, onde são filmadas em um estilo quase documental com câmera na mão e um voice-over do ator recitando palavras que, em sequência, criam uma sensação de um longo poema sem fim.  

Synonymes” como trabalho de reavaliação da questão da identidade nacional termina sendo uma obra relevante para o tema. Nas diversas ocasiões que Yoav é confrontado com seu passado, ele mostra uma completa indignação com aqueles momentos. O trabalho de Tom Mecier ao construir um personagem complexo é positivo dado a dubiedade da atuação em entregar ao espectador um indivíduo quebrado, sem saber ainda onde se posicionar no mundo. Yoav parece o tempo todo deslocado daquele universo: quer se fazer presente, porém esse esforço apenas ressalta o fato de ser um ente a parte daquele mundo. 

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...