Dirigido por Nadav Lapid, “Synonymes”, ganhador do Urso de Ouro do Festival de Berlim 2019, surge como um olhar interessante sobre a nacionalidade e suas raízes. O filme começa com Yoav (Tom Mercier), um jovem israelense que se auto-exila em Paris para fugir do serviço militar e das tradições de sua terra natal. Ele considera as ações do governo de seu país incompatíveis com seu pensamento e começa a rejeitar tudo que aquele mundo representa: de suas tradições até a língua materna, o hebreu. 

A primeira imagem dessa chegada é intrigante pelo vazio no grande apartamento parisiense em que fica por um dia. Tanto o som como a fotografia ressaltam esse primeiro encontro em um país estrangeiro, largado e sozinho, a partir dos ecos e dos planos gerais que constroem essa sequência. Após estes momentos iniciais, Yoav é roubado e perde todas as suas roupas sendo deixado para morrer congelado na banheira do local. 

Na mesma noite, é encontrado por seus vizinhos que estranham as ações no apartamento ao lado e é com a ajuda do casal Emile (Quentin Dolmaire) e Caroline (Louise Chevillotte) que Yoav irá se reerguer nessa capital estrangeira. Yoav passa então a querer se “tornar” francês, incluindo aulas para adquirir a cidadania francesa e aqui entra a discussão principal do filme: como deixar para trás as raízes que nos moldaram como pessoas? 

Com um dicionário de francês, Yoav começa a recitar as palavras que ali estão, para memorizá-las. Aqui se encontram as passagens mais interessantes do filme, onde são filmadas em um estilo quase documental com câmera na mão e um voice-over do ator recitando palavras que, em sequência, criam uma sensação de um longo poema sem fim.  

Synonymes” como trabalho de reavaliação da questão da identidade nacional termina sendo uma obra relevante para o tema. Nas diversas ocasiões que Yoav é confrontado com seu passado, ele mostra uma completa indignação com aqueles momentos. O trabalho de Tom Mecier ao construir um personagem complexo é positivo dado a dubiedade da atuação em entregar ao espectador um indivíduo quebrado, sem saber ainda onde se posicionar no mundo. Yoav parece o tempo todo deslocado daquele universo: quer se fazer presente, porém esse esforço apenas ressalta o fato de ser um ente a parte daquele mundo. 

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...