O Teatro Amazonas será palco de um espetáculo perfeito para cinéfilos neste domingo (21): “A Arte da Guerra” irá reproduzir a trilha dos principais filmes de guerra e das maiores batalhas já vistas nas telonas. A iniciativa é promovida pelo site de cultura pop local, Mapingua Nerd, em parceria com a Orquestra Amazonas Filarmônica. Os ingressos para as duas sessões (17h e 20h) estão à venda nas bilheterias e variam de R$ 10 a R$ 60.

Trilhas de clássicos como “Lawrence da Arábia”, “Três Homens em Conflito” e “O Último dos Moicanos” estarão lado a lado de obras mais atuais como “300”, “Bastardos Inglórios”, “O Senhor dos Anéis” e “Star Wars”. O espetáculo faz parte da série ‘Encontro das Águas’, realizado anualmente no Teatro Amazonas.

Segundo Alberto Carvalho, um dos coordenadores do Mapingua Nerd, a proposta surgiu no ano passado. “O assessor artístico Átila de Paula convidou o site para uma reunião e propôs que fôssemos criadores de um espetáculo. Vieram algumas ideias, mas, nada sério de fato. Neste ano, ele retomou o contato e percebemos que era para valer mesmo. Criamos quatro propostas e foi aprovada a sobre as trilhas de guerra”, afirmou.

Os cinco meses de preparação envolveram cerca de 100 profissionais, incluindo integrantes da orquestra, operadores de som e luz, atores, bailarinos e cinegrafistas. “Teremos intervenções no palco e também exibições de vídeos durante o espetáculo”, disse Alberto.

Com quatro anos de existência, o Mapingua Nerd se consolidou como uma das principais alternativas dentro do jornalismo cultural e do entretenimento em Manaus. “Acredito que este é o ponto alto da nossa história. Estamos fazendo a curadoria de um espetáculo no Teatro Amazonas! É um momento de nervosismo para que tudo dê certo e também de euforia”, disse.

Sobre os próximos espetáculos, Alberto faz mistério: “Temos algo já definido, mas, vamos anunciar apenas durante o show”. “A Arte na Guerra” terá também apresentação no dia 26 de julho, a partir das 20h.

‘Terra Nova’: o desamparo da arte e de uma cidade na pandemia

A pandemia do novo coronavírus impactou a sociedade brasileira como um todo. Mas, talvez um dos segmentos mais prejudicados tenha sido a produção cultural independente, que, em grande parte, dependia de plateias e aglomerações em espaços fechados. Soma-se isso a uma...

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...