As bebidas alcóolicas estão presentes de modo constante no cinema e na televisão. Ao longo da história, personagens de diversos filmes e em episódios de séries tomam vinho, cerveja, whisky, champanhe, entre outros. Alguns acabam exagerando (casos mostrados em obras como “Farrapo Humano”, de Billy Wilder, e “Despedida em Las Vegas”, com Nicolas Cage), porém, muitas vezes, estas bebidas ajudam os protagonistas e coadjuvantes das histórias a se soltarem mais e mais.

O vinho, por exemplo, é figura central em muitos filmes. Em 1959, a comédia britânica “O Rato que Ruge”, de Jack Arnold, trazia a história de um fictício país que tinha na bebida o principal produto de exportação. O mais famoso deles, entretanto, é o drama indicado ao Oscar 2005, “Sideways – Entre Umas e Outras”. A produção dirigida por Alexander Payne (“Nebraska”) acompanha a história de um divorciado (Paul Giamatti) e o melhor amigo (Thomas Haden Church) uma viagem pelas vinícolas do Vale de Santa Inez, na Califórnia. No meio do caminho, eles acabam conhecendo duas mulheres (Sandra Oh e Virginia Madsen) enquanto vão bebendo vinho a cada parada.

Já na televisão, a bebida também se fez presente. Segundo pesquisa feita pela equipe da Betway Cassino, o vinho branco é o drink mais tomado nas séries de televisão dos EUA. As turmas de “Friends” e “Frasier”, por exemplo, não dispensavam a bebida. Já no sucesso de “Game of Thrones”, Tyrion Lannister (Peter Dinklage) se esbaldava era no vinho tinto e foi um dos maiores beberrões da TV.

VAI UMA CERVEJINHA? QUE TAL UM DRINK?

Igual o futebol, a cerveja é uma das preferências brasileiras. Ajudar a matar o calor e ser um ótimo acompanhamento para um bom churrasco são boas justificativas para este sucesso. Nos cinemas, personagens conhecidos do grande público também já se aproveitaram de uma ‘cervejinha’.

Como não recordar Morgan Freeman e Tim Robbins curtindo uma cerveja em uma cena redentora do clássico “Um Sonho de Liberdade”? Ou o simpático protagonista de “E.T – O Extraterrestre” conhecendo um dos prazeres do nosso mundo? Na televisão, a bebida era a favorita dos personagens de “Parks & Recreation”.

O whisky é outra bebida rotineira em filmes e séries de televisão. Don Drapper, de “Mad Men”, por exemplo, passou dos limites muitas vezes ao longo das seis temporadas. Nos cinemas, “Encontros e Desencontros”, “Kingsman: O Serviço Secreto”, “A Lei da Montanha”, “Extermínio” e “Bravura Indômita” foram produções em que o whisky acabou ajudando os protagonistas.

Já entre os drinks nada mais do que o clássico Dry Martini pedido inúmeras por James Bond ao longo de décadas nos cinemas. Isso para não citar o clássico ‘Cosmopolitan’, do sucesso da HBO “Sex and the City”. Por tudo isso, o Cine Set apresenta abaixo uma pesquisa produzida pela equipe de cassino online da Betway, plataforma de apostas online, sobre os maiores beberrões da TV:

‘Maid’: o fim do American Way of Life

“Maid” é uma produção focada em dilemas contemporâneos e esse é o principal de seus acertos. Disponível na Netflix e protagonizada por Margaret Qualley, a minissérie acompanha Alex, uma jovem que foge de um relacionamento abusivo e passa a trabalhar como empregada...

‘Missa da Meia-Noite’: Mike Flanagan acerta sem correr riscos

Quando pensamos em produções de terror é muito fácil associar suas tramas a existência do sobrenatural, do desconhecido, mesmo que existam muitos títulos onde o vilão se trata na realidade de uma pessoa como qualquer outra. Contemplando essas duas linhas narrativas,...

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...