No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época de pandemia global, e na qual vários aspectos de nossas vidas, mais do que nunca, passaram a ser regidos por aplicativos.

Selecionado na mostra competitiva de curtas-metragens do Festival de Gramado 2020, Você Tem Olhos Tristes mostra o cotidiano de Luan (vivido por Daniel Veiga), um entregador de refeições por aplicativo. Ao longo do filme vemos o rapaz, que é negro, passar por umas poucas e boas aguentando clientes mal educados, grosseiros e até um que comete um ato de loucura, além do insidioso racismo sempre presente sob a superfície, até mesmo em pessoas “do bem” e aparentemente simpáticas.

É um filme com uma precisão e uma economia narrativa admiráveis. É filmado de forma precisa e inteligente, e que constrói situações de tensão ou de humor com poucos planos ou com o uso calculado da movimentação de câmera. A condução dos atores também é muito boa, com todos os intérpretes se mostrando bem naturais. Veiga, com seu olhar forte, conduz o filme e seu rosto acaba sendo a imagem que fica da obra com o espectador ao seu final. E também merece destaque a divertida participação do escritor, crítico de cinema e cineasta Jean-Claude Bernadet como o sujeito maluco com quem Luan se depara numa das suas entregas.

Graças às atuações naturalistas e ao modo como foi filmado, Você Tem Olhos Tristes acaba sendo um pequeno e singelo conto sobre os nossos tempos. Apesar de enfocar o drama de uma categoria de trabalhadores que sustentaram o Brasil nesta época tumultuada, e que mesmo assim continua desvalorizada, o filme acaba misturando isso com doses de humor e tensão numa narrativa bem contada. No curta de Diogo Leite, o problema social é importante, mas o enfoque cinematográfico e humano é tão importante quanto. Por isso, ao final dos seus 17 minutos, fica-se com uma sensação forte, de termos visto um pedaço da vida de alguém. Mesmo que esse alguém seja fictício, esse pedaço da vida adquire significado e ressonância, justamente por parecer tão próximo a nós. Ainda mais em 2020.

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...