Caio Pimenta apresenta os principais eventos, festivais e mostras do cinema amazonense nos últimos 20 anos. 

Nos dois primeiros ciclos do cinema amazonense, festivais e eventos não eram tão comuns assim. Os mais célebres aconteceram durante a geração cineclubista dos anos 1960: em 1966, foi realizado o Festival de Cinema Amador, e três anos depois o Festival Norte de Cinema Brasileiro com uma homenagem a Silvino Santos no palco do Teatro Amazonas.  

DO POPULAR AO ACADÊMICO 

Vencedores do Amazonas Film Festival

Já neste terceiro ciclo, o cenário mudou e vimos surgir diversos eventos ao longo dos últimos 20 anos. O mais célebre deles, claro, foi o Amazonas Film Festival. Realizado de 2004 a 2013, o evento era promovido pelo Governo do Amazonas em parceria com instituições internacionais. Para saber mais sobre o AFF, deixo um link para uma websérie aqui do canal que fala justamente sobre o evento. 

Em 2002, surgiu o Um Amazonas, conhecido mais popularmente como festival do filme do minuto. A primeira edição teve coordenação do Sérgio Andrade, porém, o Júnior Rodrigues foi o nome mais associado ao evento. Em sua maioria, as produções eram amadoras, muitas vezes, uma piada filmada, mas, algo natural para uma produção ainda em fase inicial. O festival circulou por Manaus, cidades do interior como Maués e atravessou fronteiras chegando à França e ao México. 

A última edição do Um Amazonas aconteceu em 2016, mas, ele rendeu frutos como o Umzinho, voltado para filmes produzidos por crianças, e o Curta 4, festival para produções com até quatro minutos de duração.  

Também em 2002, surgiu o Festival Amazonas Filmes Curta Brasil que, mais tarde, se tornou Festival Cine Curupira. O evento visou estimular o audiovisual amazonense e trazer produções nacionais para Manaus; terminou em 2006. 

Promovido pelo Navi – Núcleo de Antropologia Visual da Universidade Federal do Amazonas, a Mostra Amazônica do Filme Etnográfico teve cinco edições e homenageou nomes como Vincent Carelli, Jorge Bodanzky, Aurélio Michiles, Adrian Cowell, entre outros. O evento tinha um timaço na organização, incluindo, Selda Vale da Costa, Gustavo Soranz e Tom Zé. 

DO UNIVERSITÁRIO AO MERCADO 

Vamos agora para os anos 2010. A Mostra do Cinema Amazonense foi uma iniciativa do Fórum do Audiovisual Amazonense e servia para dar vazão à produção local após o fim do Amazonas Film Festival. Teve três edições e, na última em 2017, contou com o prêmio do Júri Popular para “Maria”, da Elen Linth. 

Em 2018, surgiu o Olhar do Norte, festival de cinema produzido pela Artrupe Produções. As duas primeiras edições foram físicas, enquanto a terceira, em 2020, por conta da pandemia da COVID-19, teve que ser online aqui no canal do Cine Set e na plataforma Videocamp. “O Necromante”, “Vila Conde” e o paraense “Ari y Yo” foram os vencedores do prêmio do júri. O evento ainda conta com atividades de formação como oficinas durante os dias de evento. 

Falando em formação, a produtora Picolé da Massa leva o projeto Cine Bodó para as periferias de Manaus. Durante o evento, crianças e adolescentes participam de atividades de audiovisual com profissionais locais do setor, aprendendo técnicas de filmagens e produção. Sessões de cinema e rodas de conversa completam a programação. Já o Pirarucurta é uma iniciativa recente, de 2019, da Faculdade Martha Falcão, e estimula o audiovisual no ambiente acadêmico. 

Por fim, tem o Matapi – Mercado Audiovisual do Norte. Deixei-o por último por considerá-lo o mais importante de todos estes eventos. No evento promovido pela Dabacuri Produções e Leão do Norte, não há exibições de filmes; o foco está em contribuir para a profissionalização do setor com oficinas, palestras, masterclasses para quem atua na área e também em promover oportunidades de negócios para produtoras locais com players nacionais e internacionais. Ter um evento de mercado de audiovisual no Amazonas simboliza o quanto a produção amazonense evoluiu neste terceiro ciclo.  

Projeto contemplado no Prêmio Feliciano Lana, promovido pela Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa com recursos da Lei Aldir Blanc.

Websérie Terceiro Ciclo do Cinema Amazonense – Ep 7: O Que Esperar do Futuro?

Caio Pimenta fala sobre o que esperar do futuro do cinema amazonense e os desafios impostos ao audiovisual local.  https://www.youtube.com/watch?v=rQ79UdbQ4yQ O FUTURO PÓS-ALDIR BLANC A curto prazo, o cinema do Amazonas deve ter um bom 2021 e, talvez, 2022. Falo isso...

Cinemas de Joaquim Marinho no Centro de Manaus serão tema de websérie

Muito antes dos multiplexs dos shoppings centers, os cinemas de rua do Centro de Manaus foram referências de cultura e entretimento durante décadas - atualmente restou apenas o resiliente Casarão de Ideias. Durante os anos 1970 ao início do século XXI, as salas de...

Plataforma digital reunirá dados sobre o audiovisual do Amazonas

Uma plataforma digital com o catálogo de profissionais e empresas de audiovisual do Amazonas somado a um observatório com pesquisas e estudos sobre o setor. Esta é a proposta do projeto Tela Amazônia, da produtora Leão do Norte, organizadora do Matapi – Mercado...

‘O Barco e o Rio’ entra no TOP 10 da Abraccine dos melhores curtas de 2020

A trajetória bem-sucedida do filme amazonense "O Barco e o Rio" segue firme em 2021: a produção dirigida por Bernardo Ale Abinader entrou no TOP 10 dos melhores curtas-metragens de 2020 da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). A lista foi divulgada...

Websérie Terceiro Ciclo do Cinema Amazonense – Ep 6: A Tônica da Descontinuidade

Caio Pimenta fala sobre um dos maiores e históricos problemas do cinema produzido no Amazonas: a descontinuidade.  https://www.youtube.com/watch?v=3rosA6214mc ‘A Tônica da Descontinuidade’. Este é o título do livro mais importante sobre o cinema do Amazonas. O autor é...

Cine Set está credenciado para a cobertura do Festival de Berlim 2021

O Cine Set se prepara para uma nova cobertura internacional: a partir de março, o site de cinema produzido em Manaus traz as novidades sobre o Festival de Berlim 2021. O nosso correspondente internacional, Lucas Pistilli, já está credenciado para o evento online...

ASSISTA: documentário sobre o graffiti em Manaus estreia no YouTube

O documentário "Os Traços Urbanos da Floresta" é a nova atração do cinema amazonense no YouTube. A produção nasceu da conversa entre o fotógrafo e videomaker Homero Lacerda e o graffiteiro Arab, codinome de Rogério Arab, que tem uma trajetória madura e produtiva na...

Márcio Nascimento homenageia mãe, vítima de COVID-19, em novo curta amazônico

Passava da meia-noite de 13 de novembro de 2020 quando Márcio Nascimento soube da seleção do projeto de curta-metragem “Dia de Finados” no edital Conexões Culturais da Prefeitura de Manaus com recursos da Lei Aldir Blanc. O primeiro abraço e parabenizações pela...

Curta de terror amazonense sobre violência doméstica está disponível no YouTube

‘Que eu consiga representar todas as mulheres que estejam em relação opressiva e ajude a libertá-las’.   Com este mantra, Jocê Mendes chegava ao set de filmagem de “O Buraco”, novo filme do cinema amazonense dirigido por Zeudi Souza (“Perdido”, “No Rio das...

Websérie Terceiro Ciclo do Cinema Amazonense – Ep 5: Festivais e Mostras

Caio Pimenta apresenta os principais eventos, festivais e mostras do cinema amazonense nos últimos 20 anos.  https://www.youtube.com/watch?v=3lrDzDw4W8I Nos dois primeiros ciclos do cinema amazonense, festivais e eventos não eram tão comuns assim. Os mais célebres...