Em 2018, o Universo Cinematográfico da Marvel (MCU), completa uma década de existência. São 10 anos de grande sucesso, sob a batuta do todo poderoso Showrunner Kevin Feige. O estúdio dita hoje, o ritmo da indústria cinematográfica hollywoodiana com desenvoltura. Ao utilizar a ideia do universo compartilhado que existe há anos nos quadrinhos, mas que nunca foi abordado no cinema, a Marvel consolidou sua fórmula “Coca-Cola” de sucesso, imitada por vários dos seus adversários, porém, sem a mesma regularidade na qualidade.

O estúdio praticamente tornou o segmento uma espécie de “febre” contagiosa na cultura pop e nerd, levando a figura de seus super-heróis a exercerem o protagonismo no cinema. Hoje qualquer lista de filmes mais aguardados para o ano seguinte, as obras do MCU estão no topo da lista. Sim, a Marvel é a gigante do entretenimento, o Tio Patinhas, bilionário do cinema. É claro que as engrenagens do universo não funcionariam, se os heróis transpostos para o cinema não reproduzissem os personagens icônicos e importantes como nos quadrinhos. Exemplos negativos não faltam, como o Batman de Schumacher, O Homem-Aranha de Marc Webb, O Homem de Aço de Zack Snyder, personagens que afundaram em filmes que não correspondiam as suas qualidades.

Por isso, neste especial do Cine Set que faz parte do “esquenta” do evento Universo Geek Museu que acontece neste sábado no Palacete Provincial no centro de Manaus, apresento o ranking de rendimento de heróis, do melhor ao pior em relação aos seus filmes solos até o momento (os longas dos Vingadores não estão incluídos dentro dessa análise). Assim como Natalie Portman, no Globo de Ouro de Ouro, informo a colocação de TODOS OS HERÓIS HOMENS do ranking:


7. Thor

O Deus do Trovão, namorou malandramente, nestes 10 anos, a liderança da zona de rebaixamento do UCM. O primeiro Thor abusa dos ângulos diagonais que você até acredita que o Batman da série cômica (não o do Schumacher) dos anos 70 vai aparecer, enquanto o segundo…bem, é uma costura de trilhões de acontecimentos dentro de uma ação clichê de videogame. A situação só não é pior, por causa dos seus dois intérpretes carismáticos em abraçar o tom de humor:  Chris Hemsworth como o herói e Tom Hiddleston como o irônico Loki,. Soma-se o fato que Ragnarok ajudou a balancear a saga, com seu tom descontraído e suas cores boogies nights. Se não fosse por ele, o Deus do Trovão dos dois primeiros longas seria aquele garoto mirradinho que precisa tomar Biotonico Fontoura com urgência para ficar forte.


'Doutor Estranho': fórmula padrão da Marvel seguida à risca6. Doutor Estranho

É o personagem “Estranho no Ninho” do universo MCU. Dentro do seu visual cogumelo alucinógeno de uma bad trip, Dr.Estranho é disparado o melhor, não à toa, os efeitos especiais são literalmente de outro mundo. Se por um lado a apresentação do personagem, o mundo da magia e o carisma mágico do Sherlock Cumberbatch dão uma boa incrementada no filme solo, pelo outro, o gosto de RO requentado impera no ar: A jornada de herói de Stephen Strange não deixa de ser uma cópia sem vergonha do primeiro Homem de Ferro (2008). Dr.Estranho é como grande parte dos filmes de Nolan: um aluno nota dez no acabamento visual, mas um aluno cobra que consegue passar de ano arrastado com seu texto e ideias sem grandes profundidades.


5. Homem-Aranha

O amigo da vizinhança, o personagem mais querido dos quadrinhos, há tempos merecia um cafuné carinhoso da sétima arte. Depois do erro colossal de Homem-Aranha 3 e os dois reboot anêmico de O Espetacular Homem-Aranha, o cabeça da teia teve um início promissor no UCM com uma participação saborosa em Guerra Civil e um filme solo, de frescor admirável. De Volta ao Lar é leve, simples e divertidíssimo, que o dá o crédito de ser uma sessão da tarde na vibe das comédias de John Hughes. Soma-se a isso,  Tom Holland inspirado – Tobey Maguire que me perdoe – e Michael Keaton como o melhor vilão do UCM, tornam o herói caçula da Marvel  assumir um posto honroso para um estreante.


Crítica: Homem de Ferro 3, com Robert Downey Jr.4. Homem de Ferro

Em uma análise individual, apenas de personagem, sem contar os filmes, Tony Stark seria o número 1. O primeiro filme do personagem, Homem De Ferro (2008), responsável em dar o start no universo compartilhado, é espetacular e nos ombros de Robert Downey Jr é uma das melhores jornadas de herói não apenas do universo como do cinema. Infelizmente, a partir daí, a saga do bilionário Stark entregou uma continuação chatissima com vilões ordinários e um terceiro filme que mesmo ousado em certas escolhas, tinha uma narrativa mais inchada que seu texto permitia. Stark e Robert Downey Jr ainda possuem uma moral enorme dentro do UCM, mas isso ocorre mais pelo charme infinito que possuem do que pelas qualidades artísticas de seus filmes.


3. Guardiões da Galáxia

Os filmes dos Guardiões são a prova concreta que a Marvel acerta mais quando trabalha com personagens de segundo escalão. O primeiro filme do grupo é o Star Wars do UCM – Peter Quill é o Han Solo da modernidade – que concilia muito bem a comédia, ação e drama com rara desenvoltura, dialogando na sua essência com as aventuras fantásticas da década de 70 e 80,  sem deixar de apostar no visual. De certa forma, o Vol.2 mantém o pique da aventura espacial sentimental, sobre família, pais e filhos, que transpira o melhor do coração fervescente oitentista. É uma grande terapia de grupo com a melhor trilha sonora de 2017 e um casting afinado. As consistências apresentadas nos dois filmes garantem a Guardiões da Galáxia a medalha de bronze.


Crítica com Spoilers: Homem-Formiga, com Paul Rudd2. Homem-Formiga

O fato de Homem-Formiga figurar como vice-campeão desta lista com um único filme solo e uma participação em outro do UCM (Guerra Civil) evidencia o pleno talento da Marvel de transformar um personagem digno de filme trash e que pouca gente recordava nos quadrinhos em um ótimo protagonista (que homão da porra é Paul Rudd). Curioso que tudo indicava para o primeiro fracasso da Marvel depois da saída de Edgar Wright devido as diferenças criativas com o estúdio, só que o substituto, Peyton Reed cria um delicioso filme de assalto,  ágil, cínico e desponjado, que sai da famosa zona de conforto da fórmula Marvel. E cada sequência de humor do personagem em Guerra Cívil é de arrancar gargalhas altas.


capitão américa 2 o soldado invernal1. Capitão América

Steven Rogers não tem o carisma sedutor de um Tony Stark e seu comportamento de bom moço soa irritante em tempos cínicos como o atual, mas seu coração e valores humanos na pele de um adorável Chris Evans, transformam o Capitão América do cinema digno do ícone personagem nas HQs. Depois de começar com uma jornada de herói bem construída, porém, protocolar em O Primeiro Vingador, o personagem é responsável pelos dois melhores filmes do UCM: Soldado Invernal e Guerra Civil. O primeiro é um thiller político até a medula com altas doses de suspense e perseguições de tirar o folêgo, e de tira a colo um Robert Redford como chefe principal da S.H.I.E.L.D.S. Guerra, por sua vez, consolida o sonho molhado de quem tanto esperou um filme de super-heróis indo para porrada entre si. Chupa essa manga, Zack Snyder-DC Comics e aprendam com os irmãos Russo. Sem dúvida, Capitão América é o mineirinho dos personagens do universo UCM: comeu pelas beiradas, de forma discreta, até atingir o topo do mundo.


Hulk em VingadoresBÔNUS. Hulk

O gigante esmeraldino nos quadrinhos é um verdadeiro Chuck Norris, um dos mais fortes. Pena que dentro do universo MCU, Hulk é quase um Daniel-San sem o Mr.Miyagi: perdido. Isso fica evidente quando você nota que as pessoas lembram mais do soporífero filme de Ang Lee de 2003 – sim, aquele dos poodles mutantes –  do que o genérico O Incrível Hulk estrelado por Edward Norton em 2008. Acreditem, há um filme solo do personagem dentro do universo ainda que você o esqueça facilmente em 3…2…1! A participação de Hulk no recente Thor – Ragnarok foi divertidíssima, mas isso não apaga o gosto amargo deixado pelo filme solo…..Qual é mesmo?