Em certo momento, assistindo essa versão de “Miami Vice”, me vi fascinado pelo autocontrole da dupla de protagonistas. Sonny Crocket (Colin Farrell) e Rick Tubbs (Jamie Foxx) sabem que qualquer vacilo pode ser fatal na profissão que exercem: policiais infiltrados no submundo de Miami resolver grandes casos, relacionados desde o tráfico de drogas e armas até pirataria de softwares, com competência e objetividade.

Esqueça a Miami ensolarada dos turistas. Aqui, o diretor Michael Mann – também responsável pela obra-prima Fogo contra fogo – subverte todo o estereótipo que conhecemos da cidade, deixando-a sombria, perigosa e cheia de bandidos impiedosos.

No início, encontramos os protagonistas prestes a encerrar uma investigação quando são surpreendidos pela notícia de que uma fonte próxima fora descoberta. Obrigados a verificar a situação, acabam se envolvendo em uma novo caso e se colocando, indiretamente, na rota de um importante narcotraficante.

Fuga dos clichês

É interessante notar que o roteiro, escrito pelo próprio diretor, não se prende a fórmulas ou trama definida, o que deixa tudo imprevisível e cada vez mais perigoso. A construção de “Miami Vice” muda de foco à medida que Crocket e Tubbs vão mais a fundo no trabalho. Não temos uma dupla se conhecendo: ambos já são experientes, calejados, acostumados a trabalhar disfarçados. Os protagonistas são apresentados ao público em pequenos gestos, e não perdem tempo com discussões e brigas entre si, clichê de filmes do gênero.

O autocontrole emocional e confiança da dupla faz com que pareçam ainda mais elegantes e competentes. Além, claro, dos ternos sob medida e carros de luxo, como na série original, mas longe da paródia ou fan service: Michael Mann levou o trabalho muito a sério neste aspecto. Talvez o único fan service fique no mullet de Farrell.

Os vilões falam pouco. Porém, pelo olhar e atitudes, são absolutamente ameaçadores, apesar de episódicos. Luis Tosar (Jesus) e John Ortiz (Jose Yero) fazem um trabalho eficiente. O primeiro, com os seus olhares intimidadores e analíticos e, o outro, com sua desconfiança e comportamento possessivo. Além deles, temos Gong Li, intérprete de Isabella, a intermediária do traficante Jesus: uma executiva com instinto de sobrevivência singular e que está longe de ser apenas um interesse romântico para Crockett.

Grande filme injustiçado

Em aspectos técnicos, Miami Vice mostra uma evolução e maturidade em sua fotografia, que ficou a cargo de Dion Beebe. O efeito granulado deixa o filme com aparência mais realista e, no momento da ação, o impacto dos tiros e explosões de violência deixam tudo mais tenso e grave, parecendo que estamos acompanhando uma operação policial real.

A trilha sonora sóbria de John Murphy colabora para exibir o risco do trabalho policial e, principalmente, da polícia infiltrada. Para falar das cenas de ação, Michael Mann não decepciona, apesar do filme trabalhar mais na questão de disfarce e espionagem. Quando a violência estoura em Miami Vice, ela é brutal, com direito a corpos despedaçados por projéteis.

O filme, infelizmente, não ter correspondido às expectativas do estúdio: tiroteio real no set, a reabilitação de Colin Farrell, orçamento estourado e atraso na produção foram apenas alguns dos problemas. A recepção morna da crítica e do público foram a pá de cal na tentativa de se criar uma franquia policial.

Uma pena, já que Miami Vice é um filme policial adulto como poucos. Denso, realista, sombrio e sem clichês. Um filme que merece ser redescoberto e que, com certeza, merece mais carinho por parte dos fãs do gênero.

‘Quem Matou Rosemary?’: A geração slasher dos anos 80 na sua pérola mais violenta

Se o gênero de horror já é esnobado na sua essência pela crítica e pelas premiações especializadas, o que falar do seu subgênero mais bastardo e maldito da sétima arte, o slasher? Surgido na década de 70 – precisamente no ano de 74 que imprimiu uma safra sufocante de...

‘Hulk’, de Ang Lee: Pequena Joia Subestimada da Marvel

Como apontei no podcast sobre ‘Opiniões Impopulares do Cinema’, do Cine Set, posso ter exagerado em declarar a adaptação do Hulk de 2003 como uma pequena obra-prima – não me culpo por ser passional ao defender as coisas que gosto. Porém, não abro mão de declará-lo uma...

As Polêmicas Vitórias no Oscar de Melhor Maquiagem

Acredito que poucas categorias do Oscar apresentaram tantas controvérsias e polêmicas como Melhor Maquiagem e Penteado. Sua criação tardia (54 anos após a primeira cerimônia) e a falta de definição na quantidade de indicados também contribuiu para seu turbulento...

Grandes e Injustiçados Vencedores do Oscar

Quando analisamos o histórico do Oscar, uma coisa fica logo clara: é muito difícil defender a maioria das escolhas da Academia. Sempre digo a alunos, leitores e interessados, e não custa repetir: Oscar não significa qualidade. Vejam a festa, se divirtam e torçam, mas...

“Suits”: muito além de uma simples série de advogados

Na maioria das vezes, quando me perguntam o nome da minha série favorita e eu respondo, as pessoas fazem aquela expressão de “não faço ideia que série é essa” ou apenas dizem: “é mais uma série de advogados”. Como esta coluna do Cine Set é dedicada a defender os...

‘Miami Vice’: injustiçado policial de altíssimo nível de Michael Mann

Em certo momento, assistindo essa versão de “Miami Vice”, me vi fascinado pelo autocontrole da dupla de protagonistas. Sonny Crocket (Colin Farrell) e Rick Tubbs (Jamie Foxx) sabem que qualquer vacilo pode ser fatal na profissão que exercem: policiais infiltrados no...

Advogado de Defesa: ‘Matrix Reloaded’ e ‘Matrix Revolutions’

Já falei do primeiro Matrix na comemoração dos 15 anos do filme. Até hoje, o considero um dos grandes filmes-pipoca da história do cinema. Mas, quanto a isso, a maioria concorda. O terreno fica mais instável quando se começa a falar das suas continuações…...

‘Mamma Mia’ (2008): um delicioso filme-karaokê

“Mamma Mia!” abraça o camp com vontade, e isso ninguém pode negar. Não dá para levar a sério um filme que faz Meryl Streep se contorcer, deitada, sobre uma porta de madeira, enquanto canta “por que, por que eu te deixei ir?”, ou que a coloca em um navio na...

‘Valmont’: grande filme injustamente desconhecido de Milos Forman

Em abril de 2018, o cinema perdeu o diretor Milos Forman, realizador de alguns dos filmes mais questionadores e emocionantes das últimas décadas, como Os Amores de Uma Loira (1965), Um Estranho no Ninho (1975), Hair (1979), Na Época do Ragtime (1981), Amadeus (1984),...

‘A Colina Escarlate’: ótimo e subestimado romance gótico de Guillermo Del Toro

Guillermo Del Toro há muito é apresentado como um dos diretores queridinhos do público e da crítica, conseguindo aliar qualidade em suas produções com um roteiro inteligível. Este ano, ao concorrer o Oscar, tal favoritismo foi reforçado não apenas com a aquisição do...