Certos filmes são mais importantes para história do cinema do que necessariamente bons como um todo. “O Cantor de Jazz” (1927), por exemplo, passa longe de ser um musical memorável, mas, está eternizado como a primeira produção falada da história. Já “Carlota Joaquina” (1995) simbolizou a Retomada do cinema brasileiro após a extinção da Embrafilme pelo governo Collor, porém, não chega aos pés, por exemplo, de “Central do Brasil” (1999). 

Guardada todas as devidas proporções, “A Última Balada de El Manchez” também entra para este tipo de filme. A animação dirigida e roteirizada por Leonardo Mancini não chega a envolver totalmente o espectador ao longo dos 17 minutos de duração, porém, representa um salto significativo para o setor no Amazonas. 

Durante estes últimos 15 anos em que o cinema amazonense conseguiu feitos nunca antes alcançados – três longas-metragens feitos em uma única década por um diretor e uma equipe local é, sem dúvida, a maior conquista. O setor da animação, entretanto, não entrou na mesma onda: os curtas “E Agora, o que Nóis Râmu Comê”, de Daniel Luiz Batista, e “Paris dos Trópicos”, de Keurem Maia Marçal, ambos selecionados, respectivamente, para o Amazonas Film Festival de 2010 e 2012, foram exceções assim como a série “Índio Presente”, da Cambará Filmes, aprovada no edital de TVs Públicas. 

Por isso, a chegada de “A Última Balada de El Manchez” acaba por ser tão relevante. Trata-se do projeto recente mais ousado em animação já feito no Amazonas tanto pela duração da obra quanto na complexidade de criação de cenários, figurinos e ação dos personagens. A produção mostra um mexicano tentando atravessar ilegalmente a fronteira dos EUA, mas, uma proposta tentadora, acabou levando-o por outro caminho. 

Mesmo com limitações evidentes – a pouca movimentação nos planos, os cenários quase sempre estáticos ao fundo dos personagens – a obra cria momentos fascinantes em que se  admira a beleza e criatividade da construção daquele universo, especialmente, na parte final do filme em todo o processo de transformação do protagonista a viagem cósmica. 

Este cuidado técnico se estende também à trilha sonora e ao trabalho de mixagem de som, ambos fundamentais para a criação da atmosfera do curta. Conhecido por ser a voz de Darth Vader no Brasil, Silvio Navas brilha também como o protagonista ao dar uma potência solene e trágica àquela figura melancólica de destino triste. 

a última balada de el manchez leonardo mancini

ROTEIRO E MONTAGEM PROBLEMÁTICOS 

Por tudo isso, é uma pena que o roteiro e a montagem não estejam à altura desta excelência técnica. O ritmo arrastado para uma trama que pede agilidade tira a emoção de “A Última Balada de El Manchez. Tudo transcorre da mesma forma do início ao fim, o que impede que os momentos mais fortes da história ganhem a força desejada. 

“A Última Balada de El Manchez” ainda falha ao não permitir que nos envolvamos com o drama do protagonista. Se a luta por uma vida melhor é algo intrinsecamente humano, falta à obra entender naquele protagonista quem ele é, quais os seus desejos e particularidades. Por isso, a decisão que ele precisa fazer no meio do filme entre dois caminhos passa longe de ter o impacto pretendido.  

Esta falta de emoção se quebra em apenas um único momento de poucos segundos: não querendo ver o pai ir embora novamente, o filho tenta impedi-lo, mas, acaba segurado pela mãe na porta de casa. Um pouco mais disso teria feito o curta mais forte. “A Última Balada de El Manchez” ainda resvala no perigo do estereótipo em muitos momentos graças ao roteiro sem capacidade de aprofundar os temas e à própria concepção visual pela caracterização de bigodão e o sombrero maior que a cabeça. 

De qualquer maneira, Leonardo Mancini demonstra, mais uma vez, o ecletismo característico e a veia cinéfila. Para quem não o conhece, o realizador já comandou uma comédia de humor negro com zumbi (“Morto-Vivo”, premiado no Amazonas Film Festival 2011 em três categorias), uma homenagem ao cinema mudo (“A Doce Dama” também vencedor do AFF) e foi protagonista de uma ode ao cinema pop (“Et Set Era”). Aqui, as referências vão desde os longas de gangsteres passando por “2001 – Uma Odisseia no Espaço” até, claro, “El Mariachi”, de Robert Rodriguez. 

Não duvido muita gente virar a cara para “A Última Balada de El Manchez” por não ter elementos amazônicos nem fazer referências à região ou até mesmo ser falado em portunhol. Isso não diminui em nada as qualidades do filme e não o torna mais ou menos do Amazonas. Demonstra, na verdade, o potencial da animação em permitir aos seus realizadores explorar novos caminhos, narrativas, temáticas e universos.  

Que venham mais!  

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...