Desde crianças, Elza e Ana demonstram perspectivas opostas: enquanto a primeira acredita que uma mulher sozinha poderia salvar a floresta, a caçula está presa à figura do príncipe salvador. Apesar dessas diferenças, a relação entre elas segue sendo o elo principal de “Frozen 2”, sequência dirigida por Jennifer Lee e Chris Buck. A sequência, infelizmente, não consegue ser tão atrativa e chiclete quanto o original de 2013, muito por conta das repetições do que fora feito e a ausência de ousadia.

O primeiro “Frozen” surpreendeu por quebrar um conceito já firmado no gênero, atestando que nenhuma princesa precisa de um príncipe encantado e pregando a sororidade acima de tudo. Esses elementos deram um novo ar às produções da Disney e fizeram com que o público e os produtores – devido ao sucesso – ansiassem por uma continuação.

Já no filme de 2019, a produção opta por seguir um caminho de amadurecimento das protagonistas, em refletir de forma leve e descontraída sobre mudanças, crescimento e o futuro. Como em todo filme que trabalha essas temáticas, “Frozen 2” usa a relação entre irmãs para mostrar o quanto cada uma necessitava se libertar à sua maneira. Ana, por exemplo, tem uma preocupação excessiva com a irmã, o que impede Elsa de ser quem gostaria. Em contrapartida, esse temor pela segurança de Ana faz com que a rainha tenha medo de conhecer toda a capacidade de seu poder.

Nesse sentido, “Frozen 2” inova e quebra conceitos pré-estabelecidos do gênero com o descarte da figura do vilão. Não há um antagonista bem definido, mas, assim como nas produções de Stephen King, é possível sentir a atmosfera de ameaça que se forma. E por que isso se relaciona com Elsa? Porque os grandes conflitos são expostos pela busca de descobertas dela. Apesar de parecer, finalmente, se encaixar ao modo de vida em Arandelle, a rainha continua se questionando e, dessa vez, ela escuta uma voz que a convida a ir além do que conhece.

Esse mote serve de base para “Into the Unknown”: se antes Elsa se questionava por liberdade, aqui, a busca interna pelo desconhecido é o caminho galgado. E isso reafirma o amadurecimento em pauta na produção, que encontra na música um instrumento para explorar o que está acontecendo no momento, as transformações e apreensões que os personagens possuem, semelhante ao visto em “Mulan” (1998), da mesma Disney. Por isso, é preciso estar atento ao que diz a letra das canções.

TRAMA NÃO AVANÇA

Tudo aquilo que deu certo em 2013 volta com força nesse novo cenário: as preocupações de Ana, os questionamentos de Elsa em relação a seus poderes e as piadas infantis de Olaf. Por mais que isso tenha contribuído para o sucesso da franquia, “Frozen 2” não avança. Na primeira hora, por exemplo, há uma insistência do roteiro em relembrar o que aconteceu antes e repetir incessantemente, incluindo até mesmo um número musical que conte toda a história do longa original.  

Embora possa parecer engraçado, à primeira vista, torna-se enfadonho e leva ao questionamento se realmente havia a necessidade de oferecer uma continuação à narrativa das irmãs de Arendelle. Há várias subtramas que desembocam na mesma discussão do seu antecessor e perdem força por conta disso. Justamente por não haver um olhar diferente sobre as personagens que não seja sua relação. 

Visualmente, “Frozen 2” é impecável: as cores são muito bem trabalhadas, os detalhes presentes nos cabelos dos personagens e as cenas de batalha são uma verdadeira obra de arte a serem notadas. A fotografia é alucinante e os gráficos ainda mais criativos para mostrar a relação de Elsa com as estruturas de gelo, inclusive a cena em que ela confronta o cavalo de água é um verdadeiro show visual. 

Soma-se a isso a coreografia das músicas, especialmente em “Lost in the Woods”, canção interpretada por Kristoff em um dos raros momentos em que os diretores decidem ousar e criam enquadramentos inusitados e criativos, ainda que relembrem bastante as baladas românticas dos anos 80 e 90.  

“Frozen 2” repete os subtextos da primeira produção e explora a relação entre Ana e Elsa, dessa vez, no entanto, a construção possibilita que elas amadureçam e cada uma encontre o seu caminho. Como já diria Olaf, estamos passando por mudanças e precisamos nos preparar para elas. 

‘O Escândalo’: grande elenco não salva falta de comprometimento do filme

Em um filme baseado em fatos reais, muitas vezes, o grande segredo é tornar sua história inteligível ao espectador. Nesta tentativa, recursos que buscam dinamizar a trama são fortemente adotados: narração em off, quebra da quarta parede e até mesmo animação ou texto...

‘Judy’: Renée Zellweger brilha, mas filme não faz justiça a Judy Garland

Judy Garland merecia mais. Não muito diferente do gosto amargo que “Bohemian Rhapsody” deixou no ano passado, “Judy”, de Rupert Goold, é mais um exemplar para a extensa lista de biopics carregadas de cenas prontas para serem exibidas na cerimônia do Oscar e sem a...

‘1917’: o vazio de um belo espetáculo visual

“Não temos tempo a perder”, diz Blake (Dean-Charles Chapman) para o amigo Schofield (George MacKay), companheiro da missão de salvar 1600 soldados britânicos de uma armadilha dos alemães no dia 6 de abril de 1917 durante a Primeira Guerra Mundial. Isso tudo em pouco...

‘Retrato de uma Jovem em Chamas’: desejo, olhar e memória em ode à feminilidade

Retrato de uma Jovem em Chamas tem um jeito muito especial para falar sobre sua história de amor. A diretora francesa Céline Sciamma constrói sua obra a partir de três conceitos principais para discutir o amor e a paixão: o olhar – a ideia matriz que rege a essência...

‘O Barato de Iacanga’: declaração de amor à música brasileira

Há 51 anos atrás, um festival de música sem maiores pretensões além de vender ingressos e reunir o creme do que era jovem e moderno ganhou as proporções de um evento transformador na história. Woodstock, imortalizado em filme em Woodstock: Três Dias de Paz, Amor e...

‘Frozen 2’: repetitivo, sequência não empolga igual filme original

Desde crianças, Elza e Ana demonstram perspectivas opostas: enquanto a primeira acredita que uma mulher sozinha poderia salvar a floresta, a caçula está presa à figura do príncipe salvador. Apesar dessas diferenças, a relação entre elas segue sendo o elo principal de...

‘Synonymes’: fuga errante das próprias raízes gera drama intrigante

Dirigido por Nadav Lapid, “Synonymes”, ganhador do Urso de Ouro do Festival de Berlim 2019, surge como um olhar interessante sobre a nacionalidade e suas raízes. O filme começa com Yoav (Tom Mercier), um jovem israelense que se auto-exila em Paris para fugir do...

‘Ameaça Profunda’: clone de ‘Alien’ mantém maldição de janeiro

Ah, janeiro...   Caro leitor, você não sente uma preguiça no comecinho de janeiro, como se o ano demorasse um pouco para engrenar depois das celebrações de dezembro? Eu sinto. E Hollywood também sente, pelo visto. O que vemos estrear no começo do ano, geralmente? Ora,...

‘Adoráveis Mulheres’: versão moderna perde algo de sua alma

Adiar a leitura do último capítulo daquele livro que você tanto gostou de acompanhar. Enveredar os caminhos de novas séries no serviço de streaming enquanto o finale daquela que você assistiu por anos aguarda na lista de espera. Guardar o download daquele filme...

‘O Caso Richard Jewell’: o modus operandi da truculência do Estado

‘O Estado me mete mais medo do que terroristas’.  A frase no canto inferior esquerdo de um quadro pendurado na parede do advogado Watson Bryant (Sam Rockwell) sintetiza “O Caso Richard Jewell”. O novo filme de Clint Eastwood articula melhor a proposta pautada em...