“Greta Garbo podia ter qualquer um, mas tudo que ela queria era ficar sozinha”, diz Pedro, personagem de Marco Nanini, que é fã da atriz sueca, em certo ponto do filme. Dentre suas falas emblemáticas, essa é a que mais exemplifica as contradições de seu personagem que, ao longo da trama, vive de forma completamente oposta ao que diz. Em “Greta”, o cineasta Armando Praça deixa para trás o estereótipo de homossexuais jovens, sarados, e nos apresenta um homem idoso, forte, melancólico, rodeado por relações frágeis e superficiais. O filme é um conto de esperança e realismo dos seres marginalizados. É uma belíssima obra de Praça que ataca o preconceito e fala de forma despudorada sobre a vida de homossexuais comuns.  

“Greta” nos apresenta a história do enfermeiro Pedro (fenomenal Nanini) aos 70 anos, que trabalha em um hospital público de Fortaleza. Em um dia de folga, ele precisa levar a amiga Daniela (Denise Weinberg) que está em estado terminal de câncer para ser internada. Por falta de leito no hospital, o enfermeiro decide ajudar o assassino Jean (Demick Lopes), que deu entrada ferido, após matar um desafeto com 40 facadas. No lugar de Jean, Pedro consegue internar Daniela na esperança de que a amiga siga com um tratamento. O enfermeiroleva Jean para casa e os dois vão desenvolver uma relação, enquanto o protagonista enfrenta o drama da morte iminente de Daniela.  

O filme de Praça é melodrama com personagens fortíssimos. Pedro é um homem que deseja amar e ser amado. O personagem de Nanini transborda em tela a dor da solidão, da perda e também da esperança. Na cena de abertura, o enfermeiro aparece entrando em uma ambulância retirando a maquiagem dos olhos e passando as mãos nos cabelos brancos, em uma mensagem clara do diretor que devemos esquecer Lineu, personagem que Nanini viveu por tantos anos na televisão em “A Grande Família”. Na trama, vamos lidar com o ser humano cru, com pouquíssima ética no trabalho, relações amorosas, violência, uso quase abusivo de álcool.

É impossível não ser empático com a história de Pedro e de como ele se envolve com pacientes do trabalho, homens em uma boate por pura solidão. A cena em que ele chora após um orgasmo é emblemática em expor o quão vazio é a vida daquele homem. Praça filma o sexo de maneira limpa, intimista, como artificio narrativo para apresentar o mundo em que Pedro vive. Poderia até dizer que com certo exagero, mas vejo a necessidade que Praça tinha em mostrar aquela história sem censura ou floreios.  

A interpretação de Marco Nanini é arrebatadora. O ator tem um bom roteiro em mãos, mas o que ele faz em “Greta” é belíssimo! Sua total entrega ao personagem, seus olhares vazios, arrependido, apaixonado. Sua dedicação à amiga Daniela e a dependência em cuidar das pessoas. Pedro consegue mostrar seu amor servindo, suturando e observando as relações sexuais e até amorais dentro do hospital em que trabalha. A construção de seu personagem é impecável, desde as cenas de nu frontal, até a sua despedida da amiga de longa data. Vemos um Marco Nanini completamente pouco visto pelo grande público: frágil, tímido, cansado, melancólico.

‘AMOR QUE A GENTE TEM PARA DAR’

A câmera em ponto fixo, poucos cortes e uma fotografia em tons de amarelo e roxo só reforçam a maneira intimista, humana em que os personagens são retratados. Desde os primeiros minutos o espectador sente que observa escondido a vida daquele enfermeiro, seja no hospital com visual gótico ou no pequeno e humilde apartamento de Pedro.

É somente no terceiro ato que o diretor se alonga demais, adicionando cenas com pouco sentido e que não contribuem para o desfecho, esse por sua vez inesperado, mas bonito. A impressão que fica é que Armando Praça sabe a joia que tem nas mãos e não quer finalizar. Um conflito final é mais estruturado e mal desenvolvido dentro da trama, mas não consegue apagar o brilho de sua mensagem.

“Greta” é um filme sobre os excluídos, os marginalizados. Tão significativo ver esse filme em uma sessão tarde da noite no Centro de Manaus. Difícil não deixar a sessão refletindo sobre quantos Pedro(s) e Daniela(s) temos ali, ou quantos Jeans existem no mundo. A verdade é que o diretor usa todo seu olhar humanizado e melancólico em seu primeiro longa-metragem, ao nos apresentar personagens tão complexos e genuínos. Se a sua pretensão era desenvolver uma trama tocante, poderosa, Praça consegue isso com maestria.

Não é possível assistir “Greta” e não se incomodar, e não ser tocado por aquela história. Ao final da sessão, saímos com o olhar triste de Pedro e da beleza que é a sua esperança em finalmente viver um amor. E como diz Daniela durante sua última canção: “O que se leva dessa vida coração é o amor que a gente tem para dar”.

Enfim, que bom que existem filmes como Greta no mundo.

‘The Old Guard’: saudades da Furiosa, né Charlize Theron?

Charlize Theron ganhou o Oscar de Melhor Atriz pelo drama Monster: Desejo Assassino (2004), mas a melhor e mais marcante atuação de sua carreira até hoje foi em Mad Max: Estrada da Fúria (2015), como a Imperatriz Furiosa. No já clássico filme de George Miller, ela...

‘Ligue Djá: O Lendário Walter Mercado’: sem vergonha de ser chapa-branca

Conhecido mundialmente e extremamente popular na América Latina, Walter Mercado tornou-se uma das celebridades mais amadas do Brasil no final do século passado. Porto-riquenho, Walter enrolava um “portunhol” que tornou possível o bordão “ligue djá”, tão icônico para...

‘Festival Eurovision da Canção – A Saga de Sigrit e Lars’: paródia boba e divertida

Sou apaixonada por reality shows. Gosto de acompanhar a trajetória dos concorrentes, analisar suas participações, discutir sobre o programa - no Twitter e na roda de amigos - e contemplar artistas muito bons alcançarem a oportunidade que desejavam. Essas atividades...

‘Artemis Fowl’: difícil achar o que se salva em bomba da Disney

Com o constante adiamento da estreia de ‘Mulan’ nos cinemas, a Disney decidiu disponibilizar sua magia em um live-action com ‘Artemis Fowl’ no Disney+. A decisão, entretanto, não poderia ser pior para o público já que o filme apresenta erros consecutivos desde seu...

‘O Rei de Staten Island’: Judd Apatow desgasta própria fórmula

Scott é um jovem que ainda nem chegou aos vinte anos, cujos únicos interesses na vida são maconha e tatuagens, e que vive em Staten Island, um daqueles distritos modorrentos do Estado de Nova York – “o único para o qual Nova Jersey pode olhar com superioridade”, uma...

‘Ninguém Sabe que Estou Aqui’: surpresa chilena revela-se um tesouro na Netflix

Em “Ninguém Sabe que Estou Aqui”, seu longa de estreia na direção, o chileno Gaspar Antillo nos surpreende com uma bela e melancólica história sobre abusos na indústria fonográfica, sonhos não realizados e aceitação própria. Além de possuir uma narrativa bem...

‘A Febre’: a luta contra a dizimação de todos os tipos

“A Febre” é um filme de luta. Não aquela luta física de um John McClane ou John Wick com socos, pontapés e tiros a todo instante, mas, sim uma resistência à tentativa de dizimação identitária, cultural e de valores.   Esta resistência atende pelo nome de Justino...

‘Três Verões’: efeitos da Lava Jato encontram Regina Casé brilhante

A corrupção está no DNA do Brasil desde a Colônia até os dias atuais com os escândalos das rachadinhas e da Lava Jato. A polêmica operação, aliás, já ganhou às telas em séries (“O Mecanismo”), policiais (“Polícia Federal – A Lei é Para Todos”), documentários...

‘7500’: metade final frustra suspense razoável

Em tempos de pandemia de Covid-19 e isolamento social, é curioso assistirmos filmes que nos entretém explorando outros tipos de paranoia e ansiedade que costumavam ser mais fortes. Como 7500, suspense da Amazon Prime Video sobre o medo do terrorismo aéreo. Passados...

‘Piedade’: resistência através da dor em delicado filme

Um filho desaparecido e uma mãe que nunca perdeu a esperança de encontrá-lo. No percurso, a luta contra uma grande corporação. Poderíamos estar falando de “Amor de Mãe” – novela das 21h interrompida pela pandemia de covid-19 -, mas esta é a trama de “Piedade”, filme...