Em nenhum outro gênero do cinema se produzem tantas continuações como o terror. Elas são feitas porque é um bom negócio: filmes de terror geralmente são baratos, e há o reconhecimento da marca. Quando é lançado e causa impressão junto ao público, ele vira uma marca, e é fácil para produtores trazerem de volta um vilão marcante ou um conceito que agradou. E isso é verdade, tanto em Hollywood… quanto na Coréia do Sul.

Invasão Zumbi (2016), o sucesso sul-coreano de terror do diretor Sang-ho Yeon que impressionou o mundo – aquele dos zumbis num trem – não precisava e nem pedia uma sequência. Mas eis que ela chega na forma de Invasão Zumbi 2: Península. É a natureza do negócio: um filme que fez sucesso mundial e mexeu com o público, tal como aquele, vai ganhar uma continuação, quer faça sentido ou não. Porém, esta segunda investida de Sang-ho Yeon nos gêneros terror e ação talvez funcionasse melhor se não fosse atrelado ao longa de 2016. Porque, infelizmente, ele nem sequer arranha a sola do sapato do seu predecessor.

Na trama da continuação, a Coréia do Sul foi tomada pela infecção do vírus que transforma a todos em zumbis maratonistas e deixada para apodrecer: a península coreana foi isolada e os habitantes que conseguiram escapar viraram refugiados nos países próximos, notadamente Hong Kong. Quatro anos se passam, e um grupo de pessoas sem perspectivas recebe uma missão de uns mafiosos: Voltar à península à procura de um caminhão que ficou perdido lá, com uma carga de 20 milhões de dólares. Eles aceitam, mas ao chegar lá descobrem sobreviventes, além dos zumbis. E esses sobreviventes se dividem entre uma família gente boa, e uns malucos que se organizaram numa perigosa sociedade pós-apocalíptica.

O primeiro Invasão Zumbi não era realmente nada original. Seu diferencial era a ambientação: o trem em movimento, e todo o contexto claustrofóbico que ele convida, ajudavam a criar tensão e drama de maneira bem intensa. Neste segundo filme, porém, sem aquele contexto o que se tem é mais um filme de zumbi/pós-apocalíptico, igual a vários que já vimos antes, com as mesmas situações. O cenário é “carpenteriano”, buscando inspiração clara em Fuga de Nova York (1981). O bizarro esporte dos vilões com zumbis numa arena, e os mortos-vivos sendo distraídos com fogos de artifício e luzes, lembram muito cenas parecidas de Terra dos Mortos (2005) do mestre do cinema zumbi George A. Romero. E no terceiro ato, Invasão Zumbi 2 vira um mini-Mad Max: Estrada da Fúria (2015), com uma perseguição de carros intensa na qual os mortos viram coadjuvantes.

 CGI EM EXCESSO, ROTEIRO E DRAMA FALHOS…

O roteiro – de autoria de Sang-ho Yeon e Ryu Yong-jae – é muito superficial. Além do aspecto de colcha de retalhos, composto de referências de outros filmes, o roteiro sofre também por não apresentar personagens interessantes. Os do primeiro Invasão Zumbi não eram profundos de jeito nenhum, mas tinham carisma e objetivos relacionáveis, o que criava empatia no espectador. Aqui, os companheiros de missão do protagonista – um herói sem graça vivido por Dong-Won Gang – nem são apresentados direito e não se pode dizer que existe uma real caracterização. Há também uns momentos de humor fora de lugar e uma coincidência na metade da história que é de doer…

Se o roteiro é fraco e os personagens, insossos, resta ao diretor se concentrar na ação. Embora o filme até tenha umas boas ideias visuais, Invasão Zumbi 2: Península sofre com o excesso de computação gráfica, o que o deixa bem artificial. O CGI é bem ruim em alguns momentos, especialmente na perseguição climática – as colisões dos carros parecem cenas de videogames, e o fato da maior parte do filme se passar à noite parece ser motivado para tentar fazer o CGI render mais. Mas essa estratégia não é realmente bem sucedida.

Nem o drama, que foi um das surpresas do primeiro filme, consegue ser orgânico nesta sequência. No final, vemos muita câmera lenta e tentativas do diretor de fazer o público chorar. Isso funcionou muito bem no longa anterior, mas aqui é simplesmente muito difícil se importar com os personagens, mais rasos do que um pires. Por tudo que foi dito aqui, até parece que Invasão Zumbi 2: Península é um desastre. Mas não é: como todo filme sul-coreano da criativa onda recente do país, ele tem, ao menos, um ou outro momento mais inspirado. Seu problema é justamente ser vendido como sequência de um filme muito superior. Se fosse só mais um filme de zumbi da semana, talvez até pudesse ser recomendado como um entretenimento razoável para o sábado à noite. A Netflix lança coisas piores quase todas as semanas.

Infelizmente, ficamos o tempo todo com o anterior na cabeça. Continuações de terror são realmente um bom negócio; isso não significa de fato que esse “bom negócio” valha a pena em muitos casos…

Dicas imperdíveis de Filmes de Terror para o Dia das Bruxas

“No Dia das Bruxas, todo mundo tem direito a um bom susto”, já dizia o xerife Brackett no clássico Halloween: A Noite do Terror (1978). Aqui no Brasil não celebramos Dia das Bruxas, mas podemos celebrar o terror no cinema. Então, encerrando o nosso Especial Terror de...

De ‘O Homem Invisível’ a ‘O Chalé’: o ano de 2020 para o terror

Neste artigo, vamos repassar um pouco sobre o que foi 2020 para o cinema de terror mundial, um ano em que a atividade cinematográfica enfrentou uma crise sem precedente em sua história. O terror sempre foi um dos gêneros mais resistentes – e lucrativos – do cinema, e...

‘A Tortura do Medo’: O Mais Cinematográfico dos Assassinos

Existem filmes que fazem com que a gente se divirta vendo cenas de assassinato e mutilação. Tudo bem, faz parte do acordo tácito do cinema, o de “comprarmos” a fantasia toda vez que entramos na sala escura ou damos “play” em casa. Existem também filmes que fazem com...

‘#Alive’ e ‘Host’: A dobradinha emblemática do horror em 2020

Dois filmes de terror, produzidos em parte diferentes do mundo, calharam de serem lançados mais ou menos na mesma época no fatídico ano de 2020, que está mais assustador que a grande maioria das produções de terror. Porém, ao se assistir a ambos, fica claro que...

Como o cinema de terror pode ajudar a lidar com as ansiedades de um ano terrível?

Permita-me uma reflexão, caro leitor. Este ano confesso que fiquei na dúvida se valia a pena fazer o tradicional Especial Terror do Cine Set, por algumas razões. Primeiro, porque por motivos de conflito de agenda, o eminente Danilo Areosa, meu querido amigo e parceiro...

Seis Filmes Para Conhecer o Cinema de José Mojica Marins, o Zé do Caixão

José Mojica Marins teve papel fundamental no meu amor pelo cinema de horror em dois momentos da minha vida: A primeira quando tinha 13 anos e passava as tardes assistindo o finado Cine Trash na rede Bandeirantes apresentado por ele. Ali, meu caráter e amor pelo horror...

José Mojica Marins: uma vida de resistência no cinema brasileiro

José Mojica Marins, o Zé do Caixão, faleceu neste dia 19 de fevereiro, devido a uma broncopneumonia. Tinha 83 anos e já estava com a saúde frágil há algum tempo, então essa notícia não é totalmente inesperada. Ainda assim, é um momento triste para o cinema e a cultura...

40 anos de ‘Zumbi 2 – A Volta dos Mortos-Vivos’: saga italiana do cinema zumbi

Em certo momento de Zumbi 2 – A Volta dos Mortos-Vivos é difícil você não coçar a cabeça e pensar que está diante de uma obra um tanto quanto “fora da casinha”, ensandecida, uma daquelas experiências únicas de pura diversão que só certos filmes italianos de horror com...

Podcast Cine Set #14 – Cinema Giallo: ‘Seis Mulheres Para o Assassino’

Outubro está chegando ao fim, mas ainda tem os últimos episódios do nosso Especial Terror aqui no podcast! Desta vez, nossos membros Danilo Areosa e Ivanildo Pereira se reúnem com a convidada Michelle Henriques, do Cine Varda. A conversa? Um bate-papo sobre o cinema...

35 anos de ‘A Hora do Pesadelo’ e o legado de Freddy Krueger

Quando estava assistindo a It: Capítulo 2 no cinema, vendo as “palhaçadas” do Pennywise, um pensamento me veio à mente. Algo que, aliás, já tinha me ocorrido quando vi o primeiro filme em 2017: “Puxa, o Freddy Krueger bem que podia processar o Pennywise, o cara tá...