Famoso movimento do cinema americano nos anos 1970, o Blaxploitation teve como público-alvo os negros do país tão mal representados nas grandes produções de Hollywood. Sempre com o nível de violência acima da média, as produções transitavam entre policiais, westers, terror e até comédia. Estrelas como Pam Grier, protagonista décadas depois de “Jackie Brown”, de Quentin Tarantino, e Richard Roundtree, de “Shaft”, marcaram a geração.

No meio disso, um comediante fracassado, sempre correndo atrás do sucesso, que resolveu roubar piadas de mendigos e, inspirado nelas, criou um personagem icônico chamado Dolemite. O sucesso das rimas levou Rudy Ray Moore a virar lenda a ponto de se tornar conhecido como o Padrinho do Rap. Agora, a história dele chega à Netflix com o divertido “Meu Nome é Dolemite”, dirigido por um inspirado Craig Brewer (“Entre o Céu e o Inferno”) e um brilhante Eddie Murphy.

A bem da verdade, “Meu Nome é Dolemite” engrena quando o protagonista decide se aventurar no cinema. Muito disso se deve ao elenco muito bem escalado com especial destaque para Craig Robinson e Wesley Snipes roubando a cena toda vez que aparece – a forma como ele fala ‘ação’ é sensacional. Intérprete de Lady Reed, Da’Vine Jay Randolph brilha tanto nos momentos de humor quanto no drama. Não à toa que o trecho mais comovente pertence a ela ao ressaltar a importância da representatividade daquele elenco negro.

RIR DAS LIMITAÇÕES

“Meu Nome é Dolemite” caminha pela trilha já frequentada por filmes como “O Artista do Desastre” e “Os Picaretas”, este também protagonizado pelo próprio Eddie Murphy. Aqui, porém, ficamos encantados em ver que todos os envolvidos fazem o seu melhor apesar de suas claras limitações, enquanto no filme de James Franco isso levava ao riso pelas bizarrices.

Talvez, por isso, não espanta o sucesso de bilheteria alcançado pelo filme como se pode ver no fim de “Meu Nome é Dolemite”. E se Tommy Wiseau no primeiro momento ficou magoado com a crítica, Rudy ao ser detonado pela mesma, não se entristeceu – e até acalentou colegas – ressaltando que era pelos supostos defeitos do filme que o público compareceria as sessões.

Muito do sucesso da comédia deve-se, sem dúvida, a Eddie Murphy. A entrega do ator é perceptível, pelos trejeitos e pela forma como compõe Rudy, especialmente, na sua mudança de postura pós-Dolemite. E isso conversa bastante com a carreira do ator:  se Rudy Ray Moore aprende com seus fracassos, o astro parece seguir pelo caminho, afinal, chegou a ser uma das maiores estrelas de Hollywood, mas, viu tudo ruir após polêmicas pessoais e fracassos consecutivos de público e bilheteria.

A produção ainda capta muito bem o espírito da trilha sonora e reconstituída nos deslumbrantes figurinos criados por Ruth E. Carter, vencedora do Oscar de Melhor Figurino por “Pantera Negra” e com boas chances de voltar a ser indicada. A comédia da Netflix fala de sonhos, representatividade e amor pelo cinema. Acima de tudo, “Meu nome é Dolemite” alimenta o desejo de ver Eddie Murphy em mais filmes de maior qualidade como este.

‘Judy’: Renée Zellweger brilha, mas filme não faz justiça a Judy Garland

Judy Garland merecia mais. Não muito diferente do gosto amargo que “Bohemian Rhapsody” deixou no ano passado, “Judy”, de Rupert Goold, é mais um exemplar para a extensa lista de biopics carregadas de cenas prontas para serem exibidas na cerimônia do Oscar e sem a...

‘1917’: o vazio de um belo espetáculo visual

“Não temos tempo a perder”, diz Blake (Dean-Charles Chapman) para o amigo Schofield (George MacKay), companheiro da missão de salvar 1600 soldados britânicos de uma armadilha dos alemães no dia 6 de abril de 1917 durante a Primeira Guerra Mundial. Isso tudo em pouco...

‘Retrato de uma Jovem em Chamas’: desejo, olhar e memória em ode à feminilidade

Retrato de uma Jovem em Chamas tem um jeito muito especial para falar sobre sua história de amor. A diretora francesa Céline Sciamma constrói sua obra a partir de três conceitos principais para discutir o amor e a paixão: o olhar – a ideia matriz que rege a essência...

‘O Barato de Iacanga’: declaração de amor à música brasileira

Há 51 anos atrás, um festival de música sem maiores pretensões além de vender ingressos e reunir o creme do que era jovem e moderno ganhou as proporções de um evento transformador na história. Woodstock, imortalizado em filme em Woodstock: Três Dias de Paz, Amor e...

‘Frozen 2’: repetitivo, sequência não empolga igual filme original

Desde crianças, Elza e Ana demonstram perspectivas opostas: enquanto a primeira acredita que uma mulher sozinha poderia salvar a floresta, a caçula está presa à figura do príncipe salvador. Apesar dessas diferenças, a relação entre elas segue sendo o elo principal de...

‘Synonymes’: fuga errante das próprias raízes gera drama intrigante

Dirigido por Nadav Lapid, “Synonymes”, ganhador do Urso de Ouro do Festival de Berlim 2019, surge como um olhar interessante sobre a nacionalidade e suas raízes. O filme começa com Yoav (Tom Mercier), um jovem israelense que se auto-exila em Paris para fugir do...

‘Ameaça Profunda’: clone de ‘Alien’ mantém maldição de janeiro

Ah, janeiro...   Caro leitor, você não sente uma preguiça no comecinho de janeiro, como se o ano demorasse um pouco para engrenar depois das celebrações de dezembro? Eu sinto. E Hollywood também sente, pelo visto. O que vemos estrear no começo do ano, geralmente? Ora,...

‘Adoráveis Mulheres’: versão moderna perde algo de sua alma

Adiar a leitura do último capítulo daquele livro que você tanto gostou de acompanhar. Enveredar os caminhos de novas séries no serviço de streaming enquanto o finale daquela que você assistiu por anos aguarda na lista de espera. Guardar o download daquele filme...

‘O Caso Richard Jewell’: o modus operandi da truculência do Estado

‘O Estado me mete mais medo do que terroristas’.  A frase no canto inferior esquerdo de um quadro pendurado na parede do advogado Watson Bryant (Sam Rockwell) sintetiza “O Caso Richard Jewell”. O novo filme de Clint Eastwood articula melhor a proposta pautada em...

‘The Aeronauts’: filme morno celebra a ciência em tempos obscuros

“The Aeronauts” traz como grande mérito celebrar a ciência através da busca incansável por mais conhecimento. Pode parecer pouco (e, de fato, é), mas, em uma época de terraplanistas, descrença em dados científicos sólidos relativos a aquecimento global e desmatamento,...