O alemão Roland Emmerich é um diretor que fez a carreira em Hollywood dirigindo filmes de ação, ficção cientifica e virou sinônimo de grandes espetáculos visuais de destruição. Isso pode ser observado nos principais sucessos da carreira, entre eles, “Independence Day” ou “2012”. Tudo isso sempre acompanhado de grandes estrelas, entre elas, Mel Gibson (“O Patriota”), Will Smith (“Independence Day”) e Matthew Broderick (“Godzilla”). Paralelo a isso, os longas de Emmerich sempre foram questionados pelo péssimo desenvolvimento dos personagens, forçando o fio condutor de suas narrativas ao carisma do super elenco.

E em “Midway – Batalha em Alto Mar” não é diferente: você pode esperar grandes momentos de batalhas aéreas e um excelente trabalho de som e efeitos visuais, mas o desenvolvimento de personagens fica bem aquém do potencial, principalmente por sua extensa duração.

Baseado em fatos reais, “Midway” se inicia com o repentino ataque dos japoneses à base americana de Pearl Harbor, e se desenvolve a partir da reação americana e aos embates que definiram os rumos do controle do Oceano Pacífico durante a Segunda Guerra. Como praxe em épicos de guerra, acompanhamos diversas subtramas que se desenrolam durante o filme. Desde o drama dos pilotos no porta-aviões Best (Ed Skrein) e McClusky (Luke Evans) passando em terra com Edwin Taylor (Patrick Wilson) e até mesmo o lado japonês com os personagens de Tadanobu Asano e Etsushi Toyokawa.

Mas, mesmo esse lado humanizado dos ‘inimigos’, acaba sendo explorado em prol do lado americano, tanto pelo destaque que é dado em tela para os esforços dos soldados do país, quanto ao reconhecimento dos combatentes japoneses para esses esforços. Não à toa que um comandante japonês aparece, em certo momento, destacando a bravura de um soldado dos EUA.

Tentativa de uma maior diversidade do elenco, as personagens das esposas ficam relegadas a se preocuparem com os maridos na guerra ou resmungando frases feitas. Por falar em frases de efeito, elas não poderiam faltar e não soam mais tolas do que parecem graças ao talento do elenco, que tem nomes que surgem e somem de maneira aleatória, vide Denis Quaid ou Aaron Eckhart. Aliás, se algum personagem morre durante o filme, a sensação que fica é que você não lamenta por ser um personagem interessante, mas por ser um ator conhecido.

Se “Midway” falha em seu desenvolvimento do roteiro, como todo filme de Emmerich, os aspectos técnicos podem ser exaltados. A trilha sonora, composta por Harald Kloser, é correta e cumpre a função nos momentos mais tensos, os efeitos visuais aliados ao design de produção de Kirk M. Petruccelli – que colaborou com Emmerich em outro épico de guerra “O Patriota” – e a fotografia de Robby Baumgartner são de encher os olhos, entretanto não apresentam nenhuma novidade que já não tenha sido vista em qualquer grande produção do gênero.

Mesmo assim, os ótimos efeitos visuais não compensam os inflados 138 minutos, o que deixa ainda mais evidente o irregular desenvolvimento da trama e a carinha de propaganda militar obrigatória. Um épico que não faz valer a alcunha e com certeza será esquecido.   

PS- Durante o filme, é possível ver a presença do diretor John Ford como um dos personagens. Vale lembrar que ele fez filmagens reais da batalha, destaque no documentário “Five Came Back”, da Netflix.

‘Escape From Pretoria’: personagens esquecidos em nome da ação

Escrito e dirigido por Francis Annan (“Woyzeck”), “Escape From Pretoria” apresenta a história real de Tim Jenkin (Daniel Radcliffe, o eterno 'Harry Potter') e Stephen Lee (Daniel Webber), dois ativistas anti-apartheid levados para a prisão de segurança máxima de...

‘Goddess of the Fireflies’: conto canadense entre o atual e o nostálgico

Bebendo da fonte de contos clássicos de juventude transviada, o longa canadense "Goddess of the Fireflies" acompanha uma jovem descendo a um inferno de rebeldia e vício. O longa, mesmo com uma trama um pouco batida, se ancora em uma impecável ambientação para entregar...

‘O Poço’: sucesso espanhol da Netflix digno de todo hype

Impactante, atual e necessário. Essas são algumas palavras que definem ‘O Poço’ e toda sua repercussão ao ser distribuído internacionalmente pela Netflix. Em geral, quando uma produção faz um sucesso estrondoso no streaming, eu já duvido muito sobre sua qualidade,...

‘Você não Estava Aqui’: repensando o papel da família e o sistema capitalista

Ken Loach costuma retratar o quanto o sistema capitalista afeta negativamente as pessoas que dependem dele. Em “Eu, Daniel Blake”, ele destacou o quanto a burocracia e o sistema podem abalar a tranqüilidade de quem precisa deles. Já em “Você não estava aqui”, seu...

‘Por Lugares Incríveis’: Netflix volta a errar em drama adolescente

Com toda repercussão negativa de séries como ‘13 Reasons Why’ e ‘You’, a Netflix apostou em outra atração jovem sobre transtornos mentais e, mais uma vez, foi na direção errada. Tudo bem, ‘Por Lugares Incríveis’ não chega ao mesmo nível de irresponsabilidade que as...

‘Seberg contra todos’: Kristen Stewart gigante não faz milagre

Seguindo o estilo de ‘O Relatório’, a Amazon apresenta mais um longa baseado em fatos totalmente protocolar e com pouca originalidade. ‘Seberg Contra Todos’ até possui um forte e atrativo argumento, entretanto, a condução exagera em momentos óbvios e personagens...

‘Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica’: o óbvio que não vemos

"O mundo perdeu a magia”, diz Ian Lightfoot (Tom Holland), logo no início de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” A frase poderia soar ordinária caso não tivesse embutida de uma deliciosa ironia, afinal, se trata de um jovem elfo, irmão do dono de uma van chamada...

‘O Homem Invisível’: aula sobre os perigos de um relacionamento tóxico

AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS  Há mais ou menos um ano ‘remake’ era um conceito inocente para mim, mas, após ser bombardeada com tantas recriações realmente ruins, a palavra tornou-se um motivo de pânico. Em meio a este boom de reaproveitamento em Hollywood,...

‘Maria e João – O Conto das Bruxas’: terror inova sem esquecer do clássico

Se há algo que sempre foi fascinante nos contos dos irmãos Grimm é a enorme capacidade que eles tinham de integrarem um conjunto de ideias que sempre mexeram com o imaginário infantil. No fundo, os seus contos são fortes na essência por apresentaram uma linguagem...

‘A Última Coisa Que Ele Queria’: Dee Rees afunda-se em mar de narrativas sem fim

Quando assisti “Joan Didion: The Center Will Not Hold” – documentário sobre Joan Didion disponível na Netflix –, percebi que adentrar no universo da escritora é uma tarefa um tanto complexa. Pelo visto, muitos cineastas possuem esse mesmo sentimento, visto que, apesar...