O alemão Roland Emmerich é um diretor que fez a carreira em Hollywood dirigindo filmes de ação, ficção cientifica e virou sinônimo de grandes espetáculos visuais de destruição. Isso pode ser observado nos principais sucessos da carreira, entre eles, “Independence Day” ou “2012”. Tudo isso sempre acompanhado de grandes estrelas, entre elas, Mel Gibson (“O Patriota”), Will Smith (“Independence Day”) e Matthew Broderick (“Godzilla”). Paralelo a isso, os longas de Emmerich sempre foram questionados pelo péssimo desenvolvimento dos personagens, forçando o fio condutor de suas narrativas ao carisma do super elenco.

E em “Midway – Batalha em Alto Mar” não é diferente: você pode esperar grandes momentos de batalhas aéreas e um excelente trabalho de som e efeitos visuais, mas o desenvolvimento de personagens fica bem aquém do potencial, principalmente por sua extensa duração.

Baseado em fatos reais, “Midway” se inicia com o repentino ataque dos japoneses à base americana de Pearl Harbor, e se desenvolve a partir da reação americana e aos embates que definiram os rumos do controle do Oceano Pacífico durante a Segunda Guerra. Como praxe em épicos de guerra, acompanhamos diversas subtramas que se desenrolam durante o filme. Desde o drama dos pilotos no porta-aviões Best (Ed Skrein) e McClusky (Luke Evans) passando em terra com Edwin Taylor (Patrick Wilson) e até mesmo o lado japonês com os personagens de Tadanobu Asano e Etsushi Toyokawa.

Mas, mesmo esse lado humanizado dos ‘inimigos’, acaba sendo explorado em prol do lado americano, tanto pelo destaque que é dado em tela para os esforços dos soldados do país, quanto ao reconhecimento dos combatentes japoneses para esses esforços. Não à toa que um comandante japonês aparece, em certo momento, destacando a bravura de um soldado dos EUA.

Tentativa de uma maior diversidade do elenco, as personagens das esposas ficam relegadas a se preocuparem com os maridos na guerra ou resmungando frases feitas. Por falar em frases de efeito, elas não poderiam faltar e não soam mais tolas do que parecem graças ao talento do elenco, que tem nomes que surgem e somem de maneira aleatória, vide Denis Quaid ou Aaron Eckhart. Aliás, se algum personagem morre durante o filme, a sensação que fica é que você não lamenta por ser um personagem interessante, mas por ser um ator conhecido.

Se “Midway” falha em seu desenvolvimento do roteiro, como todo filme de Emmerich, os aspectos técnicos podem ser exaltados. A trilha sonora, composta por Harald Kloser, é correta e cumpre a função nos momentos mais tensos, os efeitos visuais aliados ao design de produção de Kirk M. Petruccelli – que colaborou com Emmerich em outro épico de guerra “O Patriota” – e a fotografia de Robby Baumgartner são de encher os olhos, entretanto não apresentam nenhuma novidade que já não tenha sido vista em qualquer grande produção do gênero.

Mesmo assim, os ótimos efeitos visuais não compensam os inflados 138 minutos, o que deixa ainda mais evidente o irregular desenvolvimento da trama e a carinha de propaganda militar obrigatória. Um épico que não faz valer a alcunha e com certeza será esquecido.   

PS- Durante o filme, é possível ver a presença do diretor John Ford como um dos personagens. Vale lembrar que ele fez filmagens reais da batalha, destaque no documentário “Five Came Back”, da Netflix.

‘The Nightingale’: vingança à opressão colonialista em western inclusivo

Claire é uma moça irlandesa vivendo na Austrália colonial, que sofre uma tragédia e começa a percorrer uma região selvagem em busca de vingança contra os oficiais ingleses que mataram seu marido e filho. Logo nos primeiros minutos de The Nightingale, a vemos ser...

‘Atlantique’: coesão de Mati Diop fascina em drama de diversos enfoques

Atlantique, primeiro longa-metragem de ficção da diretora Mati Diop e produzido pela Netflix, é acima de tudo um filme que surpreende. Quando ele se inicia, achamos que a história seguirá por uma direção, mas não demora muito uma tangente se apresenta, e depois outra,...

‘Segredos Oficiais’: Keira Knightley domina bom suspense político

Dirigido por Gavin Hood (“X-Men Origens: Wolverine”), “Segredos Oficiais” se junta a narrativas de vazamentos oficiais como “O Quinto Poder” (2013) e “Snowden” (2016), para mostrar ao público outro lado da Guerra no Iraque. O filme torna a publicação de uma troca...

‘Pássaro do Oriente’: raro bom suspense da Netflix

Em meio a tantas produções de gosto duvidoso nos últimos anos em seu catálogo, não deixa de ser animador encontrarmos, eventualmente, alguns bons lançamentos na Netflix. “Meu Nome é Dolemite” foi uma novidade positiva em outubro e, agora, “Pássaro do Oriente” cumpre a...

‘Klaus’: muito além de um simples filme natalino

Faltando um mês para o Natal, a Netflix já encheu seu catálogo de diversas produções para serem conferidas neste fim de ano. Nos longas-metragens, a grande maioria é apenas uma cópia natalina de outros longas do streaming, entretanto, a animação ‘Klaus’ mostra que é...

‘Midway: Batalha em Alto Mar’: os eternos acertos e erros de Emmerich

O alemão Roland Emmerich é um diretor que fez a carreira em Hollywood dirigindo filmes de ação, ficção cientifica e virou sinônimo de grandes espetáculos visuais de destruição. Isso pode ser observado nos principais sucessos da carreira, entre eles, “Independence Day”...

‘Ford vs Ferrari’: Christian Bale arrasa em cinebiografia hipnotizante

A 24 horas de La Mans é uma das corridas mais tradicionais do mundo automobilístico. Uma prova de velocidade, técnica e resistência que acontece todos os anos na França e onde, nos anos 1960, a Ford Motors Company fez história. É com este pano de fundo e na disputa...

‘As Panteras’: recomeço honesto com pitadas de girl power

Depois de ‘MIB’ e ‘O Iluminado’, a franquia ‘As Panteras’ ganhou reboot neste ano, sendo quase um revival da série e longas anteriores. Apesar de encarar um público saturado de remakes e antigas propostas recicladas de Hollywood, a produção consegue se tornar...

‘Cadê Você, Bernadette?’: Cate Blanchett reina em melodrama simpático

Bernadette Fox (Cate Blanchett) é uma brilhante arquiteta que abandonou a carreira após uma terrível decepção em uma de suas grandes criações. Ela mora em Seattle com o marido Elgie (Billy Crudup) e a filha Bee (Emma Nelson) com quem tem uma relação de amizade e...

‘Pacarrete’: uma síntese do artista brasileiro

Quando “Pacarrete” foi selecionado para o Festival de Gramado deste ano, o filme cearense era visto como um patinho feio dentre as obras em competição. Concorrendo com grandes produções, dirigidas por nomes consagrados como Miguel Falabella (com o aguardado “Veneza”)...