Filme de estreia da atriz francesa Élise Otzenberger na direção, “Minha Lua de Mel Polonensa” tinha todos os elementos para ser uma ótima comédia de relacionamentos. Neste longa, há situações convencionais sobre experiências de viagem em terras estrangeiras, a jornada em busca das raízes familiares, da cultura e da história, além de um belo drama que usa as relações interpessoais para tocar em temas como o Holocausto. Com assuntos tão sensíveis, a trama, porém, se perde em suas ambições e entrega uma obra tão simpática quanto superficial.

Minha Lua de Mel Polonesa” (Lune de Miel) conta a história de Anna (Judith Chemla) e Adam (Arthur Igual), um casal de origem judaico polonesa viajando para Polônia com o objetivo de participar do memorial de 75 anos da comunidade dos avós de Adam. Apesar da pouquíssima animação do marido, Anna está empolgada em mergulhar em sua cultura e aproveita a viagem para ir em busca da casa e da história de sua Babusha (avó polonesa), a qual ela pouco conhece devido sua mãe, interpretada por Brigitte Rouan, não comentar o passado da matriarca da família.

Quando se propõe a retratar o relacionamento do casal, expondo a personalidade controladora e neurótica de Anna, ao mesmo tempo em que mostra Adam sendo um sujeito calmo e egoísta, “Minha Lua de Mel Polonesa” entrega bons momentos, graças a química do casal e aos alívios cômicos que funcionam. Ao acompanhar a experiência deles na Polônia, as atitudes de Anna em dizer que é completamente do país, mas a sua total inabilidade em falar uma palavra no idioma, nos remetem a situações pessoais adoráveis e fazem com que tenhamos empatia pela personagem. Apesar do roteiro apresentar a protagonista sempre de uma maneira pouco agradável, entendemos que o único desespero de Anna é querer saber mais sobre seu passado, sua história, suas raízes e poder, no futuro, compartilhar a história com seu filho, Simon. O fato da mulher tocar no nome da mãe de maneira negativa a cada 20 minutos, a culpando de tudo de ruim que acontece, torna isso mais explícito, mas deixa a personagem cada vez mais intragável.

PERDIDO EM CLICHÊS

O problema da trama de Élise Otzenberger é ser formada por retalhos dos gêneros drama e comédia. A diretora recorre a todas as situações e soluções clichês do cinema para resolver os conflitos, sem nunca retratar de maneira mais pessoal assuntos tão delicados e interessantes do filme, como o sentimento das pessoas com relação ao genocídio e de como elas sofrem com o passar dos anos ao ponto de fazer com que escondam o passado de seus familiares.

O ponto problemático de “Minha Lua de Mel Polonesa” inicia na metade do segundo ato, quando a mãe de Anna chega a Polônia para entregar um desfecho já esperado, ou também quando são apresentados personagens completamente aleatórios, que nunca acrescentam a história e fazem com que a protagonista teça comentários completamente preconceituosos, digno de uma pessoa egoísta que pouco se importa com o sentimento alheio. Anna, ao final, só se preocupa com a sua experiência e de como ela necessita que aquela viagem mude a vida dela para sempre. É nítido que a diretora perde o rumo e infla sua narrativa com cenas sem muita razão de ser.

Minha Lua de Mel Polonesa” é um filme que consegue tocar em temas delicados de uma forma descontraída sem ser desrespeitosa, mas infelizmente, não desenvolve bem seus dramas e sua história, se perdendo na boa intenção da diretora e como dizem por aí: de boa intenção, o inferno (ou o cinema) está cheio.

‘Dolittle’: Robert Downey Jr passa vergonha em filme constrangedor

Robert Downey Jr saiu de “Vingadores: Ultimato” nas alturas, afinal, a maior bilheteria da história do cinema não apenas celebrava e alçava ao ápice o Universo Marvel, mas, também, era a celebração de seu astro-mor. O intérprete do Homem de Ferro é o centro de uma...

‘Sonic – O Filme’: diversão bobinha para iniciar nova franquia em Hollywood

Divertido, lúdico e sem maiores ambições: essa poderia ser a descrição exata de “Sonic – O Filme”. Baseado no personagem/mascote da Sega, a criatura é um dos personagens mais queridos e famosos do mundo do entretenimento digital e, pela primeira vez, chega à tela...

‘Dilili em Paris’: os encantos e perigos da capital francesa em ótima animação

Famoso pela conceituada franquia de animação ‘Kiriku’, o francês Michel Ocelot destaca novamente a cultura africana com ‘Dilili em Paris’. Apesar da animação em 2D não surpreender visualmente com as técnicas adotadas, a trama cercada de críticas sociais e...

‘O Preço da Verdade’: sobra ativismo e falta cinema em drama banal

Mark Ruffalo é, de acordo com todos os relatos, um sujeito legal. É ótimo ator, ativista, e que usa sua força de astro, adquirida por participar dos blockbusters do Marvel Studios, para ajudar a viabilizar filmes pequenos, muitos deles com consciência social e que...

‘Harriet’: Cynthia Erivo se salva em cinebiografia decepcionante

Nos últimos anos, temos visto na época de premiações do cinema, a condecoração de atores que interpretaram personagens históricos. Foi assim com Rami Malek, no último ano, por seu papel como Freddie Mercury (“Bohemian Rhapsody”); Eddie Redmayne e seu Stephen Hawking...

‘Aves de Rapina’: Arlequina e cia. apagam ‘Esquadrão Suicida’ com humor e violência

Depois do fatídico ‘Esquadrão Suicida’ ficou a cargo da personagem Arlequina seguir em frente com parte do universo estendido da DC nos cinemas. Assim, com uma roupagem totalmente diferente, o estúdio aponta para uma nova e animadora direção repleta de violência...

‘Jojo Rabbit’: arte para satirizar a cultura do ódio e da ignorância

Faz tempo que ouvimos uma ladainha ser repetida por aí: gente falando que “hoje em dia não se pode mais fazer graça de nada”, “o mundo tá chato”, “os tempos politicamente corretos acabaram com a comédia” e blá blá blá. Até o diretor de Coringa, Todd Phillips, saiu-se...

‘O Paraíso Deve ser Aqui’: ironia para ilustrar um estranho mundo

O cinema de Elia Suleiman sempre foi pautado pelo humanismo e pela metalinguem cinematográfica. O Que Resta do Tempo e Intervenção Divina são obras que reproduzem o toque delicado do seu autor em tratar questões da existência humana, ao mesmo tempo, em que se coloca...

‘Joias Brutas’: tensão explode em tela na melhor atuação de Adam Sandler

É sempre estimulante prestar atenção em trabalhos em que comediantes consagrados vão para o registro do drama (e vice-versa). Estes filmes, via de regra, surgem com frescor, pois o rosto conhecido por fazer rir está ali exposto para chegar em outro resultado, às vezes...

‘A Divisão’: policial brasileiro merece ser descoberto pelo grande público

Violento, sangrento, tenso e com atenção especial para cenas de ação: “A Divisão” é um tipo de cinema nacional raro. Deixando de lado o contexto social – mesmo ainda sendo possível enxergá-lo nas entrelinhas – o longa foi produzido para ter o formato de uma série,...