O que mais impressiona em O Rei, drama histórico da Netflix e do diretor David Michôd, o mesmo de Reino Animal (2010) e The Rover: A Caçada (2014), são as caras jovens na tela. Geralmente épicos não são estrelados por atores com cara de garotos, nem os vemos comandando exércitos… Trata-se de mais uma versão cinematográfica da ascensão do rei Henrique V ao trono da Inglaterra – as mais célebres são a estrelada e dirigida por Sir Laurence Olivier, Henrique V de 1944; e o Henrique V de 1989, dirigido e estrelado por Kenneth Branagh, ambos baseados na peça de William Shakespeare. A versão de Michôd é com jovens e, aparentemente, deve interessar ao público da mesma idade graças à presença do novo astro Timothée Chalamet (“Me Chame pelo Seu Nome”). Mas também não deixa de fazer comentários interessantes sobre hegemonia e poder masculinos, e sobre o que diferencia meninos de homens, dentro da trama de poder e guerra que já conhecemos.

No filme, Chalamet interpreta Henrique, um príncipe no início, um rapaz que só queria saber de beber e transar. Falstaff (Joel Edgerton), seu amigo e mentor, toma conta do príncipe, que também não tem boas relações com o pai, o rei (Ben Mendelsohn). Mas seu destino é assumir o trono britânico e acabar envolvido num confronto com a França que culmina na histórica batalha de Agincourt, eternizada na cultura mundial pela peça de Shakespeare. Michôd e Edgerton são os autores do roteiro de O Rei, que suaviza o diálogo shakespeariano e torna a história mais acessível para as plateias modernas.

É um filme muito bem conduzido. A direção de Michôd é madura e precisa – filmes históricos muitas vezes se tornam enfadonhos e pomposos, mas o diretor aqui mantém sua história sempre interessante, “pé-no-chão”, e demonstra conduzir bem a maior produção de sua carreira até o momento. A fotografia de Adam Arkapaw parece “enlameada”, tal e qual a época em que a história se passa: a iluminação é bem realista, com tons sombrios que combinam com a trama. E a trilha sonora de Nicholas Britell aumenta a tensão com grandiosidade e acordes sombrios. Fazendo uso desses elementos, e do design de som que nos deixa ouvir cada batida do metal das armaduras, Michôd até encena uma batalha que, a seu modo realista, impressiona quase tanto quanto as que vimos em Coração Valente (1995), Gladiador (2000) ou Game of Thrones, com direito a um belo plano-sequência – provavelmente feito com retoques digitais, mas ainda assim poderoso.

GRANDE ELENCO E A SOLIDÃO DO PODER

E o diretor também conta com um elenco fantástico. Para começar, Edgerton é um ótimo Falstaff – vamos lembrar que Orson Welles já fez o Falstaff definitivo no cinema, mas em O Rei Edgerton cria um personagem marcante, do qual sentimos falta quando não está em cena. Até mesmo atores que aparecem pouco, como Mendelsohn e Lily-Rose Depp, que surge apenas numa cena perto do final, deixam sua marca no filme. Robert Pattinson, como o Delfim da França, rouba todas as cenas em que aparece, com uma atuação ligeiramente tresloucada.

E, no centro de tudo, Chalamet compõe um Henrique que, apesar da pinta de modelo da São Paulo Fashion Week, ao longo da história consegue impor respeito. Sua postura se modifica, seus olhos comunicam muita emoção. O crescimento dele em cena é algo realmente admirável. Até mesmo na cena de discurso às tropas que é meio obrigatória neste tipo de filme, Chalamet se sai bem. É mais uma prova de que este garoto tem talento…

E é justamente o seu rosto jovem que traz a carga dramática para o filme. Falstaff resume a Henrique o que é reinar: “É não ter amigos, apenas inimigos ou seguidores”. Durante toda a história, a luta do protagonista é a luta para se auto-definir, enquanto se vê rodeado de homens velhos que parecem (e dizem) saber mais do que ele. O Henrique de Chalamet e Michôd é um jovem pacifista, preso a uma coroa que não queria e a uma guerra armada pelos homens velhos, sem saber como sair dela. É realmente a história de um jovem rapaz crescendo diante do espectador e se tornando um homem, e um melhor.

Nesse sentido, a cena com a irmã do Delfim, vivida por Depp, é essencial para a jornada e traz uma perspectiva feminista para a história, fazendo-a ter ressonância para os nossos tempos de homens que se acham donos do mundo e abusam dos seus poderes. Numa época em que vemos o homem branco heterossexual lutando para encarar seus próprios privilégios e seu novo lugar no mundo – e muitos falhando ao fazer isso – em O Rei a mensagem é clara: meninos, cresçam, sob pena de ficarem para trás.

‘Cadê Você, Bernadette?’: Cate Blanchett reina em melodrama simpático

Bernadette Fox (Cate Blanchett) é uma brilhante arquiteta que abandonou a carreira após uma terrível decepção em uma de suas grandes criações. Ela mora em Seattle com o marido Elgie (Billy Crudup) e a filha Bee (Emma Nelson) com quem tem uma relação de amizade e...

‘Pacarrete’: uma síntese do artista brasileiro

Quando “Pacarrete” foi selecionado para o Festival de Gramado deste ano, o filme cearense era visto como um patinho feio dentre as obras em competição. Concorrendo com grandes produções, dirigidas por nomes consagrados como Miguel Falabella (com o aguardado “Veneza”)...

‘Papicha’: resistência feminina ao extremismo religioso em grande drama

Ter sido mulher na Argélia de 1990 durante uma guerra civil e a escalada do poder de grupos muçulmanos a partir do extremismo islâmico e intolerância religiosa foi uma jornada de sobrevivência. Em “Papicha”, o filme que representa a Argélia como pré-candidato ao Oscar...

‘Doutor Sono’: sequência constrói ponte entre visões de King e Kubrick

Existe O Iluminado de Stephen King e O Iluminado de Stanley Kubrick, e eu sempre digo às pessoas para experimentarem os dois. O de King é um livro de terror sobre aprender a vencer os próprios demônios, principalmente alcoolismo e abuso. O de Kubrick é um filme de...

‘Apollo 11’: documentário protocolar sobre a chegada do homem à Lua

“Um pequeno passo para o homem, mas um salto gigantesco para a humanidade”. A frase proferida por Neil Armstrong no momento em que pisava na Lua pela primeira vez é, sem dúvida, o momento mais memorável da Missão Apollo 11. Já retratada em diversos meios, a última...

‘O Rei’: ressignificações da masculinidade em poderoso épico

O que mais impressiona em O Rei, drama histórico da Netflix e do diretor David Michôd, o mesmo de Reino Animal (2010) e The Rover: A Caçada (2014), são as caras jovens na tela. Geralmente épicos não são estrelados por atores com cara de garotos, nem os vemos...

‘A Música da Minha Vida’: coming of age ao som e espírito de Springsteen

Tanto em “Apenas uma Vez” quanto em “Mesmo Se Nada Der Certo”, o diretor irlandês John Carney demonstrou o poder que a música exerce sobre nossas vidas. Em “Sing Street”, considerado seu trabalho mais pessoal, Carney consegue estabelecer um diálogo ainda maior com seu...

‘O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio’: replay dos melhores momentos da série

De todos os filmes de ação/ficção-científica dos anos 1980 que fizeram sucesso, O Exterminador do Futuro (1984) era, em tese, o que tinha a menor probabilidade de virar franquia. Vigoroso e impactante longa que impulsionou as carreiras do seu roteirista/diretor, James...

‘Zumbilândia – Atire Duas Vezes’: preguiça completa de buscar algo novo

Toda vez que é lançada uma nova versão de algum filme famoso eu me pergunto se irá valer a pena. “Zumbilândia - Atire Duas Vezes”, já adiantando bastante, é totalmente desnecessário. Parece haver uma cultura em Hollywood onde as pessoas devem ganhar mais pontos ao...

‘Meu Nome é Dolemite’: Eddie Murphy reencontra as boas comédias na Netflix

Famoso movimento do cinema americano nos anos 1970, o Blaxploitation teve como público-alvo os negros do país tão mal representados nas grandes produções de Hollywood. Sempre com o nível de violência acima da média, as produções transitavam entre policiais, westers,...