Há sempre aqueles filmes que emitem dor sem precisar expressá-la em palavras e um dos subgêneros que faz isso de forma eficaz é o drama de guerra. Em “Uma Mulher Alta”, Kantemir Balagov desperta essa comoção ao fazer um recorte específico e pouco explorado sobre os efeitos da Segunda Guerra Mundial sob as mulheres.

Inspirado na obra de Svetlana Aleksiévitc, ”A Guerra Não Tem Rosto de Mulher”, a trama discute a dor e os traumas ocasionados pelo front tendo como referência o relacionamento complexo entre duas amigas: Ilya (Viktoria Miroshnichenko) e Masha (Vasilisa Perelygina). Ambas são ex-combatentes e tem que lidar com a reinserção na sociedade russa pós-guerra. Primeiramente, somos apresentados a Ilya, que é justamente a mulher a quem o título se refere. Apelidada de Dylda, por sua estatura, ela trabalha em um hospital de soldados e cria o pequeno Pashka (Timofey Glazkov) em um apartamento compartilhado antigo, frio e lotado.

“Uma Mulher Alta” abre com um close petrificado de seu rosto e logo percebemos que Ilya sofre de ataques recorrentes de paralisia e que todos ao seu redor já se acostumaram com essa condição. Calada e desajeitada, sua rotina sofre duas grandes interrupções que norteiam a trama. Em contraponto a ela, está sua amiga Masha. A diferença entre as duas é sempre muito bem delimitada pela composição das personagens, destacando-se o contraste entre o verde e vermelho que as personificam e o espaço de tela que cabe a elas, parte disso se deve ao 1,82m de altura de Miroshnichenko.

Enquanto mal ouvimos a voz de Ilya, Masha é o oposto: falante, curiosa, inquieta e vívida. No entanto, todos esses fatores parecem camuflar as dores que o front lhe causou. Há uma perturbação psicológica em torno da personagem que transparece em seu olhar e fica mais evidente à medida em que acompanhamos sua obsessão em gerar uma criança.

Uma relação bélica

Neste aspecto, a relação entre as duas mulheres se adensa, pois Masha usa suas angústias veladas para chantagear amiga. Tal ação, no entanto, não traz um tom maniqueísta a produção nem tampouco a torna um melodrama. Ao contrário, seu efeito é gerar humanidade nas personagens, afinal estas tomam decisões calcadas em suas perdas e anseios modificados por uma realidade incerta.

Balagov conduz essa relação de forma magistral. Não há heroínas, mocinhas e vilões, há simplesmente pessoas ocupadas em tentar seguir a sua vida. E nessa reconstrução, enquanto algumas querem reencontrar seu papel social, outras estão em busca de alimentar os desejos do coração e restabelecer sua vida romântica após o conflito bélico. Dessa forma, o próprio convívio entre as duas sobreviventes é uma guerra com cores, cheiros, elipses e sentimentos conflituosos.

Não é a toa que Ilya, aquela que busca entender o seu papel na conjectura russa, é representada pelo verde até o momento em que a intensidade dos desejos colorados de Masha a dominam. O design de produção reflete essa combinação na cenografia e no figurino e nos mostra, também, quem é a grande vencedora desse duelo em que a dor deixa vestígios de desumanidade onde passa.

Nessa batalha, o lugar mais privilegiado, no entanto, é o do espectador, que imerge em uma experiência densa e em certos momentos, desagradável. Longe de mostrar quem está certo ou errado, a prioridade de Balagov e sua equipe é dar visibilidade às mulheres que também estiveram no campo de batalha, mas que sempre são minorias em filmes de guerra. E eles fazem isso de forma sensível emocionalmente e esteticamente lindo, destacando que “Uma Mulher Alta” é sobre trauma e também sobre amizade e sobrevivência.

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...