Dylan Farrow concedeu pela primeira vez uma entrevista para a TV e, ao programa “CBS This Morning”, deu detalhes sobre o abuso sexual sofrido do pai, o cineasta Woody Allen, quando ela tinha 7 anos.

O diretor sempre negou veementemente as acusações. Farrow contou a história diversas vezes ao longo de duas décadas. A primeira vez que veio a público falar sobre o assunto foi em 2014 em uma carta aberta para o jornal The New York Times. Em dezembro de 2017, em um novo texto, questionou o motivo de seu pai ter sido poupado após as acusações do escândalo envolvendo o diretor Harvey Weinstein e o movimento #MeToo. O movimento de mulheres que denunciaram o assédio, aliás, foi escolhido como “personalidade de 2017” pela revista “Time”.

A entrevista foi feita por Gayle King na segunda-feira (15) e exibida nesta quinta-feira (18).

Farrow falou sobre o motivo de conceder a entrevista. “Eu quero mostrar meu rosto e contar minha história. Quero colocar para fora, literalmente”, afirmou a escritora, que está atualmente com 32 anos e é casada há cerca de oito anos. Farrow, que é mãe de uma adolescente de 16 anos, conta que ainda carrega marcas emocionais que ficaram nas mãos de seu pai.

“Eu amo meu pai. Respeito ele. Ele é meu herói. E isso obviamente não tira o que ele fez. Mas isso faz com que a traição e a ferida sejam ainda mais intensas” .

Farrow recordou que foi abusada sexualmente no sótão de casa, em Connecticut, com já havia relado.

“Ele tocou meus lábios e minha vulva com o dedo”, detalhou. Ela contou também que, neste dia, sua mãe estava fazendo compras e, quando contou para ela o que tinha acontecido, Mia ficou chateada. “Meu primeiro impulso foi de que eu tinha feito algo errado”, relembrou.

 Farrow conta que sua mãe a levou ao pediatra e, quando o médico questionou aonde ela havia sido tocada, apontou para seu ombro. Então a mãe questionou o motivo de ela não ter relatado o assédio ao médico. “Aí eu contei para o médico”.

Farrow disse também que, meses antes, Mia havia encontrado no apartamento do cinestas fotos em que sua filha, Soon-Yi (também adotiva), aparece nua. Atualmente, Soon é casada com Woody Allen.

Durante a entrevista, Farrow chorou no momento em que foi exibido o trecho de uma entrevista com Woody Allen desmentindo o caso. “Ele está mentindo e ele vem mentindo há muito tempo. E é difícil para mim vê-lo e ouvir sua voz. Me desculpe”.

Farrow ainda relatou que Allen “estava sempre me tocando, me acariciando. Ele, muitas vezes, me pedia para ir para a cama com ele quando ele estava vestindo apenas cueca e algumas vezes quando eu estava apenas de lingerie”, contou.

Em um comunicado enviado para a CBS News, Allen afirmou: “Quando essa alegação foi feita pela primeira vez há mais de 25 anos, ela foi investigada minunciosamente pela Clínica de Abuso Sexual Infantil do Hospital de Yale-New Haven e por investigadores do bem-estar infantil de Nova York. Ambos fizeram isso por muitos meses e concluíram de forma independente que não houve molestamento. Em vez disso, eles acharam que provavelmente uma criança vulnerável tinha sido treinada para contar a história por sua mãe irritada durante uma disputa litigiosa”.

Woody Allen Festival de Cannes 2015Woody Allen nega acusações

Woody Allen negou mais uma vez nesta quinta-feira as acusações de abusos sexuais feitas por sua filha adotiva Dylan Farrow, acusando a família Farrow de “aproveitar-se cinicamnte do movimento antiassédio para relançar acusações desacreditadas”.

O comunicado com o novo desmentido do cineasta foi enviado à AFP por seu agente no momento em que a cadeia CBS emitia uma entrevista com Dylan Farrow na qual a jovem, de 32 anos, relançava suas acusações, que remontam a 1992.

Na véspera, Allen tornou-se alvo da onda de denúncias de assédio sexual que tomou conta dos Estados Unidos, quando sua filha reafirmou as acusações de abuso que teria sofrido do diretor quando era uma criança, pedindo ao mundo que finalmente acredite nela.

As alegações de Dylan Farrow de que o diretor a tocou de forma inapropriada quando tinha sete anos apareceu pela primeira vez há 25 anos, na sequência da separação de sua mãe de Allen, que, em 1992, começou um relacionamento com umas das filhas adotivas do casal, Soon-Yi Previn, que tinha 21 anos na época.

Mas o lendário diretor de 82 anos e quatro vezes ganhador do Oscar sempre negou as alegações. As denúncias nunca foram comprovadas.

No entanto, a onda de denúncias de assédio sexual foi um combustível para uma crescente revolta contra Allen.

No rastro do movimento ‘Time’s Up’ (Acabou o tempo), lançado pelas mulheres em Hollywood contra o assédio sexual e o machismo, a filha adotiva de Allen disse que era hora de o mundo finalmente escutá-la.

“Por que não devo querer derrubá-lo? Por que não devo ficar com raiva? Por que não devo estar magoada?”, disse ao “CBS This Morning”, em sua primeira entrevista televisionada, cujos trechos foram transmitidos nesta quarta.

A entrevista completa irá ao ar nesta quinta-feira.

“Por que eu não deveria sentir algum tipo de indignação depois de todos esses anos, sendo ignorada, desacreditada e jogada de lado?”, acrescentou Farrow.

Questionada sobre o motivo pelo qual as pessoas deveriam acreditar nela, respondeu: “suponho que isso seja com eles, mas tudo o que posso falar é da minha verdade e esperança, esperança de que alguém acredite em mim ao invés de apenas ouvir”.

O agente do diretor não respondeu aos pedidos de comentários da AFP.

Em outubro, a reportagem sobre os supostos casos de estupro, abuso e assédio publicada pelo irmão de Farrow, Ronan, filho biológico de Allen e Mia Farrow, ajudou a acabar com a carreira de Weinstein.

A primeira vez que Dylan Farrow detalhou o suposto abuso com suas próprias palavras foi em uma carta aberta publicada em um blog do New York Times em 2014.

Após esta publicação, Allen negou a acusação e criticou Mia Farrow, dizendo que ela estaria “mais interessada em sua própria raiva do que no bem-estar de sua filha”.

Um juiz de Nova York que presidiu a audiência de custódia em 1994 entre Allen e Farrow decidiu que as alegações de abuso eram inconclusivas, mas, ao mesmo tempo, criticou o diretor como “autocentrado, indigno e insensível”.

Allen continua casado com Soon-Yi, com quem tem dois filhos.

do site G1 e da Agência France Press

Facebook Comments