Na disputa das mães, “Eu, Tonya” superou “Lady Bird”. Allison Janney recebeu o primeiro Oscar da carreira pelo desempenho no longa estrelado por Margot Robbie. A vitória dela marca a possibilidade de melhores oportunidades no cinema.

Isso porque Allison Janney, apesar da carreira vitoriosa na televisão, especialmente, em “The West Wing”, nunca teve um papel à altura do talento dela nos cinemas. E olha que foram diversos filmes importantes: “Beleza Americana”, “A Razão do Meu Afeto”, “10 Coisas que Eu Odeio em Você”, “Hairspray”, “Juno”, “Procurando Dory” e “Uma Garota no Trem”.

Em “Eu, Tonya”, a atriz consegue o destaque que tanto precisava ao interpretar LaVona Golden, a exigente mãe da protagonista. Além da composição visual, Janney se destaca pelo humor negro que imprime sempre recheado de palavrões e constrangimentos à personagem de Margot Robbie. A complexidade fica ainda maior ao percebermos que, apesar de tudo, ainda há o amor materno ali para com a filha.

Poderia ter dado Laurie Metcalf em um trabalho mais delicado como “Lady Bird” ou a potência de Mary J Blige em “Mudbound”, mas, o Oscar fica em boas mãos.