Mais um Missão Impossível chegando aos cinemas, mais uma vez Tom Cruise correndo incansavelmente a pé, de carro, de moto, de barco, de helicóptero. Em “Efeito Fallout”, o agente Ethan Hunt (Cruise) precisa impedir uma nova ameaça global e a sombra de um antigo inimigo.

E é incrível como uma franquia que já tem 22 anos, consegue se manter contando basicamente a mesma história. Poderíamos colocar em uma lista quantas vezes a agência já foi desmantelada, quantas vezes Hunt foi acusado e teve que provar a inocência, somar o número de vezes de um agente duplo na IMF e quantos locais “impenetráveis” o rapaz já invadiu.

Coloco todos os créditos do sucesso da série, principalmente, ao carisma, entrega e energia de seu protagonista e seus coadjuvantes, além, claro, das absurdas cenas de ação que surgem a cada capítulo mais ambiciosas. Diferente, infelizmente, de outros filmes que em suas continuações, as situações se repetem, apenas aumentando a escala e não tem muita inventividade.

Muitos acreditam que o sucesso da franquia vem da mudança de diretores a cada filme, que sempre trazem novos ares, uma nova visão e formas de filmar diferente. Esse novo capítulo, porém, é a primeira vez que um diretor é repetido.

6 – Missão Impossível 2
(2000)

Dougray Scott abriu mão de interpretar um tal de Wolverine em uma adaptação de quadrinhos dirigida por Bryan Singer para dar vida ao vilão Sean Ambrose (genérico) na continuação de Missão: Impossível. Com essa recusa, um então desconhecido Hugh Jackman assumiu o papel do mutante e o resto é história.

De longe, o filme mais fraco da franquia, apesar de John Woo dirigir sequências de ação espetaculares. Aqui, o diretor usa todo seu arsenal de referências: câmera lenta, ângulos impossíveis e pombos. Talvez por isso seja o mais genérico e ponto fora da curva de todos os filmes.

5 – Missão Impossível 3
(2006)

J.J Abrams é conhecido por reviver franquias no cinema: “Star Wars”, “Star Trek” e sim Missão Impossível, já que o segundo capítulo da série não tinha agradado muita gente. Aqui tem um bom vilão – apesar de um terceiro ato não fazer jus – vivido por um recém-oscarizado Phillip Seymour Hoffman e sequências de ação muito bem feitas.

A sequência do resgate do antagonista feita em uma ponte é sensacional. Aqui vemos Hunt começar a se consolidar com o seu grupo e, talvez, seja o filme mais pessoal do personagem. Tenta-se trabalhar um romance do personagem, o que não dá muito certo e reflete posteriormente nas continuações seguintes.

4 – Missão Impossível
(1996)

Cheio de momentos icônicos e muito suspense, Brian De Palma dirigiu um baita filme de espionagem e deu o pontapé na franquia. A cena da invasão do cofre é referência até hoje com Hunt segurando uma gota de suor para que a mesma não disparasse o alarme.

Por muito tempo, foi considerado insuperável.

3 – Missão Impossível Protocolo Fantasma
(2011)

Talvez o mais “cartunesco” da franquia e nem de longe isso é um defeito. Primeira incursão de Brad Bird, um mestre das animações, em filmes live action, e não podia ser melhor.

Com momentos de tirar o fôlego, Cruise escala o Burj Khalifa (até então o prédio mais alto) e leva a companhia de seguros a loucura. Aqui, flertou-se com Jeremy Renner ser um provável substituto de Cruise na franquia, mas a ideia não foi pra frente.

Não foi dessa vez que Renner conseguiu substituir alguém em uma série de espionagem, já que tentara também ficar no lugar de Damon como Jason Bourne.

2 – Missão Impossível: Efeito Fallout
(2018)

“Efeito Fallout” poderia facilmente ficar em primeiro lugar: tem as cenas de ação que. ao meu ver. são as mais bem filmadas e bonitas de a franquia. Todo o arco de Paris é sensacional e o duelo com os helicópteros é eletrizante.

Mas o roteiro tem umas falhas que não poderíamos deixar de lado (spoiler alert: agente infiltrado, que todo mundo saca de primeira). Mas, pelo menos, o bigode de Cavill está perdoado.

A surra do banheiro já é um dos momentos mais incríveis de todos os filmes. E até mesmo o momento em que Tom Cruise quebrou o tornozelo foi mantido no corte final, inclusive, com o astro mancando.

1 – Missão Impossível: Nação Secreta
(2015)

Simplesmente tem o melhor antagonista da franquia, apesar de ser claramente inspirado em Blofeld, o icônico vilão de 007. Temos uma interessante dinâmica do protagonista com os coadjuvantes, incluindo a Ilsa Faust (Rebeca Ferguson).

Foi tão bom, que a personagem voltou em “Efeito Fallout” assim como o diretor Christopher McQuarrie. A cena de abertura já mostra a que o filme veio.:Hunt se pendura em um avião em plena decolagem e se segura na porta. Definitivamente, uma das marcas das séries: gente competente que sabe o que faz, se livrando de situações absurdas de maneiras inusitadas e muitas vezes improvisada.

Facebook Comments