Arquivo X geralmente é lembrado por dois formatos diferentes dentro da sua estrutura narrativa: 1) Os episódios “mitológicos” repletos de teorias da conspiração envolvendo uma colonização alienígena com híbridos humanos a qual é mantida em segredo pelo governo; 2) Os episódios conhecidos como “Os Monstros da Semana”, onde a dupla de agentes, Fox Mulder e Dana Scully resolviam casos individuais, relacionados a monstros e situações sobrenaturais.

Apesar destes dois segmentos, o seriado durante as nove temporadas desenvolveu outras temáticas interessantes na essência dos episódios. Tanto a primeira quanto à segunda temporada são marcadas pelo tom mais dark, sombrio e pesado, com diversos episódios assustadores no formato Monstros da Semana.

Esta situação começou a mudar ao final da segunda temporada com a entrada do roteirista Darin Morgan na equipe criativa. Irmão mais novo de outro roteirista da série (Glenn Morgan), Darin acrescentou as histórias um toque mais leve que enveredava da comédia pastelão ao humor negro macabro. De certa forma, ele adicionou um sabor ao mesmo tempo inusitado quanto estranho à série.

O talento do caçula Morgan foi reconhecido na temporada seguinte graças ao magistral episódio O Repouso Final de Clyde Bruckman (Clyde Bruckman’s Final Repouse) que misturava um olhar humorado, dramático e sensível. A maturidade de utilizar elementos tão diferentes em um mesmo episódio conquistou a crítica e abocanhou o Emmy de melhor roteiro do ano, feito inédito até então para o seriado.

Esta conquista abriu as portas para Morgan escrever outros roteiros brilhantes para o seriado nas temporadas seguintes, assim como permitiu aos outros roteiristas investirem em histórias repletas de humor. De todas as temporadas, a sexta foi aquela que mais se utilizou deste expediente, refletindo em umas das mais experimentais do seriado.

Por isto, esta lista do Cine Set vai lembrar os sete episódios mais inusitados e estranhos do seriado em minha opinião. O já citado de Clyde Bruckman, fica de fora por ser o masterpiece entre todos eles. A lista serve para mostrar que nem de monstros, conspirações e abduções alienígenas vive Arquivo X. Houve momentos de pura diversão e momentos bizarros, quase excêntricos para alegrar nossas vidas.


7) Terra dos Sonhos I e II
6ª Temporada

É o primeiro episódio duplo da série que não se concentra na mitologia conspiratória, sendo todo em formato de comédia, de tom mais suave. Brinca com os filmes fantásticos sobre a troca de corpos. Nele, Mulder muda de corpo com um agente da Área 51, Morris Fletcher (o divertido Michael McKean) que se aproveita da situação para fazer tudo o que Mulder jamais teve coragem de fazer. Utilizando o humor para trabalhar temas como a Área 51 e Homens de Preto, o episódio apresenta um dos momentos mais antológicos e cômicos da série, envolvendo uma dança no espelho. Destaque para divertida atuação de David Duchovny e Michael McKean.

 
6) Insignificâncias
4ª Temporada

Se a quarta temporada foi marcada por tensão e melancolia, Insignificâncias é um episódio diferenciado por quebrar este clima durante a temporada.  O roteiro de Vince Gilligan (segundo melhor roteirista especialista em humor na série) é delicioso e conta a historia de um mutante, Eddie Van Brundht (interpretado pelo roteirista Darin Morgan) capaz de assumir a imagem das pessoas, logo ele vira Mulder para seduzir Scully. O roteiro é esperto, cheio de diálogos divertidos que satiriza o mundo das aparências. Também ri de si mesmo em relação ao amor reprimido de Scully e Mulder.


5) Triângulo
6ª Temporada

Com toques de homenagem ao seriado Além da Imaginação, é um daqueles episódios fantásticos, bem extravagante que coloca Mulder em uma fenda do tempo dentro do famoso Triângulo das Bermudas durante a Segunda Guerra Mundial. O estilo experimental que os realizadores utilizaram nesta temporada, fica nítido também do ponto de vista técnico: é um episódio todo filmado em tempo real, com diversos planos-sequências, algo ousado na época para TV. Diversos personagens da série aparecem em outros papéis – Canceroso é um oficial nazista – e tem uma cena que os fãs Shippers adoram. Em outras palavras, um dos episódios mais bonitos esteticamente da série.


4) Prometheus Pós-Moderno
5ª Temporada

Dirigido pelo criador Chris Carter, este episódio é marcado pelo visual estético apurado, todo filmado em preto e branco em uma clara homenagem aos filmes de monstros da Universal. Mulder e Scully investigam um caso bizarro de mulheres que estão grávidas de uma estranha criatura chamada de o Grande Mutato. Com direito a referências ao mito de Frankenstein, uma trilha sonora recheada de Cher – o roteiro previa a participação da cantora em uma cena, mas ela rejeitou o convite, se arrependendo anos depois – o texto de Carter é adorável, funcionando como uma fábula que homenageia os filmes antigos com uma essência “lynchiana”.


3) A Guerra das Baratas
3ª Temporada

Este é marcado pelo jeito excêntrico e esquisito, pois aborda baratas alienígenas que ameaçam a invadir a terra. O responsável por esse estranho episódio, é o genial Darin Morgan que abusa da ironia nos diálogos afiados e cheios de humor negro. Não deixa de ser uma divertida sátira as ficções científicas e um olhar cínico sobre a possibilidade da inteligência artificial (na época do episódio, o tema ainda estava no início das discussões). Morgan de certa forma quebra a mística sobre a estrutura física que temos sobre os alienígenas, os mostrando como meros insetos. Aqueles que tem horror a este asqueroso animal, devem passar longe deste episódio.


2) Vampiros
5ª Temporada

Se a quinta temporada foi marcada por um episódio ousado do ponto de vista técnico (Prometeu Pós-Moderno), coube ao talentoso Vince Gilligan escrever um dos episódios mais inspirados narrativamente ao mostrar os dois agentes tendo que explicar um caso para Skinner depois de um incidente envolvendo Mulder. É uma homenagem com bastante humor a Rashomon de Kurosawa, onde o roteiro encena diversas versões de uma mesma história.O olhar crítico do texto evidencia que não devemos acreditar fielmente naquilo que se escuta. É como se Gilligan deixasse claro que dentro das verdades e absurdos da série, seu episódio é a forma como devemos encarar Arquivo X. Sem contar a visão espirituosa como trabalha a mitologia dos vampiros – algo semelhante à Dança dos Vampiros de Polanski. Destaque para participação do ator Luke Wilson.


1) Do Espaço Sideral
3ª Temporada

O primeiro lugar desta lista, não poderia ser de outro roteirista que não Darin Morgan. É o episódio que mora no meu coração, graças a beleza, diversão e melancolia. Nele, Scully relata ao famoso escritor Jose Chung um dos casos investigados por ela e seu parceiro sobre abduções. Como grande parte dos seus outros roteiros, Morgan destila elementos fantásticos que vão do mais bizarro ao poético. Satiriza todos os episódios conspiratórios da série e não tem como rir das diversas citações que o autor faz de outros filmes e seriados – a torta de Twin Peaks é uma das melhores sacadas. Realmente um episódio estranho, mas que combina com a frase dita pelo personagem título, Jose Chung: a verdade é tão subjetiva quanto a realidade.