Pode parecer absurdo que um filme vigoroso de 76 minutos ouse ser intitulado “About Endlessness” (“Sobre o Infinito”, em tradução literal). Sendo este um filme de Roy Andersson (“Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência), alguém poderia ser perdoado por pensar nisso como uma piada. Desta vez, no entanto, o impassível mestre sueco muda de marcha e desafia o público com seu retrato mais nítido da condição humana. É um canto de cisne agridoce de um dos grandes diretores do cinema.  

Estilisticamente, “About Endlessness” parece uma peça integrante da Trilogia do Ser Humano do cineasta – composta por “Canções do Segundo Andar”, “Vocês, os Vivos” e “Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência”, premiado com o Leão de Ouro no Festival de Veneza, em 2014 – e os fãs reconhecerão seu estilo idiossincrático desde o início. Andersson estava claramente decidido a fazer algo diferente, porém, incorporando uma narração que orienta o espectador através de emendas aleatórias da vida à maneira do clássico “As Mil e uma Noites”. Como um ser místico, os descreve como sonhos rememorados ou memórias retiradas do nada.  

 JUSTAPOSIÇÕES CHOCANTES

À princípio, surge uma procissão de personagens, profundamente marcados por algo que lhes falta. Um menino sem amor, um gerente de comunicação sem vergonha, um homem sem confiança e, principalmente, um padre sem fé. A cena em que este último vai a um psiquiatra em busca de ajuda é puro ouro cinematográfico e uma das melhores da carreira de Andersson 

No meio de “About Endlessness”, o foco muda e as coisas ficam mais sombrias, com a morte – e a reação dos personagens a ela – sendo o assunto de muitas cenas. Aos olhos do cineasta, é uma parte da vida como qualquer outra coisa e aumenta sua beleza e terror. 

Isso permite algumas justaposições chocantes – a mais extrema das quais acontece por volta dos 47 minutos, quando uma cena focada em uma mulher cujos saltos quebraram corta um assassinato familiar – um homem soluçando, abraçando um cadáver ensanguentado. “Vi um homem que queria proteger a honra da família”, continua o narrador, “e mudou de ideia”. Por alguns minutos, é impossível sentir nada além de um coração partido. 

TODAS AS DORES E ALEGRIAS DO MUNDO 

Se você está pensando que nada disso parece material adequado para a comédia, você não está exatamente errado. Andersson reduziu consideravelmente suas tendências surrealistas aqui. Não há maquiagem bizarra e, mesmo quando satiriza uma das figuras históricas mais desprezíveis de todos os tempos, o diretor o faz em tom melancólico. Essas histórias demasiadamente humanas transcorrem sem se preocupar com piadas, o que pode fazer com que o resultado geral seja menos engraçado, mas não dilui nada de sua potência. 

Ao contrário de seus antecessores, “About Endlessness” parece menos inclinado à crítica, preferindo observar e admirar a vida na Terra. Aceita de todo o coração que a dor e a alegria são faces da mesma moeda e que uma delas é necessária para que a outra seja percebida. 

De volta ao consultório do psiquiatra, quando o padre lhe pergunta qual seria o significado de uma existência sem Deus, ele responde: “Talvez estar contente de estar vivo”. Essa filosofia simples está no cerne de “About Endlessness” – um filme que ousa, não apenas ter um título potencialmente absurdo, mas pedir a seus espectadores que olhem em volta e se maravilhem com a magia de tudo. 

‘Vortex’: Gaspar Noé como você nunca viu (e isso é muito bom)

É normal que, em algum momento da vida, artistas se ponham a refletir sobre a mortalidade. Com "Vortex", o cineasta ítalo-argentino radicado na França Gaspar Noé (“Clímax”) entra para esse clube. O filme, exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary...

‘Batman Eternamente’ e os retrocessos das escolhas da Warner

Em 1989, Batman de Tim Burton virou um sucesso arrebatador nas bilheterias e despertou uma onda de batmania pelo planeta. Três anos depois, em 1992, Burton lançou Batman: O Retorno e... boa parte do público o considerou um filme simplesmente estranho. Ele ainda foi...

‘Respect’: Aretha Franklin diluída em cinebiografia sem força

Aretha Franklin é um ícone da música mundial. Ao longo de seus mais de 50 anos de carreira, ganhou 18 Grammys e deu voz a uma das composições mais memoráveis do mundo gospel: “Amazing Grace”. Também interpretou clássicos como “Natural Woman”, “I Say a Little Prayer” e...

‘Coda – No Ritmo do Coração’: afeto e inclusão para conquistar o público

A repercussão de "Coda - No Ritmo do Coração" no Festival de Sundance deste ano, ganhando quatro prêmios (Melhor Direção, Melhor Elenco, Melhor Filme pelo júri e pelo público), já dava indícios de que o filme era uma boa produção para ficar atento. A propósito, esta...

‘Todos Estão Falando Sobre Jamie’: musical artificial não sai da zona de conforto

“Todos Estão Falando Sobre Jamie”, é um drama musical estrelado por Max Harwood e retrata o início de carreira de Jamie New, um jovem gay prestes a se formar na escola e que decide se tornar uma drag queen. Estreante nos cinemas, Jonathan Butterell dirigiu a peça...

‘Minamata’: filme denúncia protocolar segue linha do branco salvador

Um dos maiores ofícios do jornalismo e do fotojornalismo sério e comprometido é denunciar, gerar notícia e colocar holofotes em algo que está errado, comprometendo uma série de questões éticas, morais, sociais e humanitárias. Há grandes momentos da história recente em...

‘Hit the Road’: uma das maiores surpresas do cinema em 2021

Hilário e tocante, "Hit the Road" é uma das maiores surpresas do cinema de 2021. O longa, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano depois de estrear na Quinzena dos Realizadores em Cannes, adiciona uma boa dose de...

‘Batman: O Retorno’ e a vingança dos reprimidos sexuais

Vamos dizer logo de cara: Batman: O Retorno é o filme de super-herói mais cheio de tesão e sexual que já foi feito. Super-heróis de quadrinhos, com seus corpos impossivelmente perfeitos, tanto masculinos quanto femininos, sempre inspiraram fantasias sexuais e, quando...

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...

‘A Nuvem Rosa’: ficção científica dos nossos tempos

"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado "A Nuvem Rosa". O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme....