Pode parecer absurdo que um filme vigoroso de 76 minutos ouse ser intitulado “About Endlessness” (“Sobre o Infinito”, em tradução literal). Sendo este um filme de Roy Andersson (“Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência), alguém poderia ser perdoado por pensar nisso como uma piada. Desta vez, no entanto, o impassível mestre sueco muda de marcha e desafia o público com seu retrato mais nítido da condição humana. É um canto de cisne agridoce de um dos grandes diretores do cinema.  

Estilisticamente, “About Endlessness” parece uma peça integrante da Trilogia do Ser Humano do cineasta – composta por “Canções do Segundo Andar”, “Vocês, os Vivos” e “Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência”, premiado com o Leão de Ouro no Festival de Veneza, em 2014 – e os fãs reconhecerão seu estilo idiossincrático desde o início. Andersson estava claramente decidido a fazer algo diferente, porém, incorporando uma narração que orienta o espectador através de emendas aleatórias da vida à maneira do clássico “As Mil e uma Noites”. Como um ser místico, os descreve como sonhos rememorados ou memórias retiradas do nada.  

 JUSTAPOSIÇÕES CHOCANTES

À princípio, surge uma procissão de personagens, profundamente marcados por algo que lhes falta. Um menino sem amor, um gerente de comunicação sem vergonha, um homem sem confiança e, principalmente, um padre sem fé. A cena em que este último vai a um psiquiatra em busca de ajuda é puro ouro cinematográfico e uma das melhores da carreira de Andersson 

No meio de “About Endlessness”, o foco muda e as coisas ficam mais sombrias, com a morte – e a reação dos personagens a ela – sendo o assunto de muitas cenas. Aos olhos do cineasta, é uma parte da vida como qualquer outra coisa e aumenta sua beleza e terror. 

Isso permite algumas justaposições chocantes – a mais extrema das quais acontece por volta dos 47 minutos, quando uma cena focada em uma mulher cujos saltos quebraram corta um assassinato familiar – um homem soluçando, abraçando um cadáver ensanguentado. “Vi um homem que queria proteger a honra da família”, continua o narrador, “e mudou de ideia”. Por alguns minutos, é impossível sentir nada além de um coração partido. 

TODAS AS DORES E ALEGRIAS DO MUNDO 

Se você está pensando que nada disso parece material adequado para a comédia, você não está exatamente errado. Andersson reduziu consideravelmente suas tendências surrealistas aqui. Não há maquiagem bizarra e, mesmo quando satiriza uma das figuras históricas mais desprezíveis de todos os tempos, o diretor o faz em tom melancólico. Essas histórias demasiadamente humanas transcorrem sem se preocupar com piadas, o que pode fazer com que o resultado geral seja menos engraçado, mas não dilui nada de sua potência. 

Ao contrário de seus antecessores, “About Endlessness” parece menos inclinado à crítica, preferindo observar e admirar a vida na Terra. Aceita de todo o coração que a dor e a alegria são faces da mesma moeda e que uma delas é necessária para que a outra seja percebida. 

De volta ao consultório do psiquiatra, quando o padre lhe pergunta qual seria o significado de uma existência sem Deus, ele responde: “Talvez estar contente de estar vivo”. Essa filosofia simples está no cerne de “About Endlessness” – um filme que ousa, não apenas ter um título potencialmente absurdo, mas pedir a seus espectadores que olhem em volta e se maravilhem com a magia de tudo. 

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...

‘Minari’: naturalismo e honestidade dão o tom de belo filme

Minari, do diretor Lee Isaac Chung, é uma obra delicada e que tem um carinho muito perceptível pelos seus personagens e a história que conta. É uma trama comum no cinema - imigrantes lutando para sobreviver e prosperar numa terra nova - e parcialmente baseada na...

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...