A primeira e única vitória de Roman Polanski na categoria de Melhor Direção no Oscar, em 2003, foi recebida em clima de euforia. No anúncio dos indicados, gritos e aplausos mais fortes para o cineasta responsável por “O Pianista” 

Quando Harrison Ford anuncia o polonês como vencedor, Martin Scorsese, Meryl Streep e, ironia do destino, Harvey Weinstein o aplaudem de pé. Polanski, claro, nem cogitou ir para a cerimônia em Los Angeles, afinal, seria preso já no aeroporto. 

Avancemos no tempo 17 anos, agora, em 2020.  

O César quis emular o Oscar em um roteiro semelhante: prêmio de Melhor Direção para Polanski com “O Oficial e o Espião” e a ausência do diretor ao evento. Porém, o cenário era outro: 

A comparação da reação das vitórias de Polanski no Oscar 2003 e no César 2020 são retratos das claras mudanças sociais ocorridas ao longo dos últimos anos. Porém, boa parte da indústria francesa de cinema – assim como a parcela mais conservadora da sociedade mundial – insiste em fechar os olhos e seguir em frente como se nada tivesse ocorrido. 

Vale lembrar sempre: Polanski não é suspeito ou há uma tentativa de difamação ou qualquer coisa parecida. O diretor polonês é CONDENADO pela Justiça dos EUA por ter estuprado (ele nega, alegando ter tido o consentimento) uma garota de 13 anos (ele tinha 43 na época). Para escapar de uma sentença mais pesada após passar 90 dias preso, fugiu para Paris e nunca mais pisou em solo americano. Outras três mulheres também já o acusaram do mesmo crime, inclusive, a atriz britânica Charlotte Lewis. 

ESPERANÇA DE RESISTÊNCIA

Protagonista do excelente “Retrato de uma Jovem em Chamas”, Adèle Haenel sintetizou muito bem o significado das indicações de Polanski ao César: “estão cuspindo na cara das vítimas. É como se estuprar mulheres não fosse tão ruim assim”. Esse escárnio ganha ainda mais força com as conquistas obtidas por Polanski no César 2020: não apenas vencedor de Melhor Direção, mas, também de Melhor Roteiro.  

É como se o cinema francês, marcado por seu viés filosófico, político e social do que a média vista mundo afora, através de seu evento mais importante mostrasse todo seu anacronismo. Um contrassenso, inclusive, com sua própria história vanguardista ao lembrarmos que o Festival de Cannes foi interrompido por não haver condições de se seguir com um evento de cinema em meio aos marcantes protestos de maio de 1968 e toda a ebulição social na França – Polanski, aliás, era um dos líderes do movimento. 

Por mais abjeto que seja como ser humano e graves os crimes que tenha cometido, Polanski, como diretor de cinema, nunca será apagado. Trata-se sim de um cineasta brilhante com obras-primas inesquecíveis como “O Bebê de Rosemary”, “Chinatown” e “O Pianista”. Também não creio que deva ser impedido de fazer seus filmes, mas, acho mais do que justa toda a oposição contra ele e os investidores que queiram associar suas marcas aos longas do polonês. Consequências. 

Porém, é inaceitável que uma premiação capaz de representar toda a indústria audiovisual de um país como a França queira colocar panos quentes e dar de costas para as mudanças sociais crescentes vistas na última década. O estrago somente não foi maior ao cinema francês graças à resistência de Adèle Haenel, capaz de deixar uma ponta de esperança de que haverá resistência. 

Pequenas, porém diferentes: mulheres, raça e classe e ‘Docinho da América’ e ‘Branquinha’

Há filmes que apresentam uma intencionalidade de representação fiel da realidade, seja por seu uso da linguagem cinematográfica, trama, ou ambos. “Docinho da América” (American Honey, 2016), de Andrea Arnold, e “Branquinha” (White Girl, 2016), de Elizabeth Wood,...

Onde se localiza o mal: interseções entre ‘Elle’ e ‘Nathalie Granger’

"Elle" (2015) e "Nathalie Granger" (1971) são dois filmes que contam com improváveis pontos de interseção. O primeiro, dirigido por Paul Verhoeven, e o segundo, por Marguerite Duras, tratam suas mulheres-centros de ação com uma dubiedade que perturba o espectador por...

Espectador, cinefilia e crítica: o gênero influencia percepções?

O cinema nos transforma na medida em que nos transporta para os universos que cabem em telas. Pela duração do filme, passamos por um fluxo duplo, no qual somos outra pessoa ao passo que mudamos ou reforçamos quem somos através da fruição. Para as cinéfilas, esse...

‘A luz azul’ e as duas faces de um filme que previu a estética nazista no cinema

Leni Riefenstahl é uma diretora intrigante: por um lado, ela é a responsável por “O Triunfo da Vontade” (Triumph des Willens, 1935), o filme de propaganda nazista mais conhecido da história do cinema, o que, por si só, já a colocaria no hall de realizadores a não...

#52filmsbywomen: filmes dirigidos por Mulheres para ver em 2020

Pra quem quer seguir o desafio #52filmsbywomen ou, simplesmente, aumentar o número de filmes assistidos que tenham sido dirigidos por mulheres, 2020 é um ano que promete (quase rimou, rs). Dee Rees, Naomi Kawase e Sofia Coppola são apenas algumas das diretoras com...

‘Girlfriends’: o indie intimista que inspirou ‘Frances Ha’

Após assistir a Girlfriends (1978), o indie intimista de Claudia Weill, é difícil não se entregar a mesma sensação fantasmagórica de Wanda (idem, Barbara Loden, 1980): embora com enredos bastante diferentes, são obras que partem da perspectiva humanizada das...

Muito além da tragédia: conheça a carreira de Sharon Tate

Enigmática. Bonita. Estrela em ascensão. Vítima de uma chacina. Há várias formas de lembrar-se de Sharon Tate, infelizmente, a que mais se popularizou foi a tragédia que envolveu sua morte. Ela se tornou indissoluvelmente conectada ao crime que a levou, o que deixa em...

‘Varda por Agnès’: testamento final de um ser humano raro

Inspiração, criação e compartilhamento.  Com estas três palavras, Agnès Varda sintetiza um trabalho de seis décadas entre filmes de ficção, documentários, curtas experimentais e instalações de arte. A realizadora belga deixou um vácuo enorme no mundo do cinema após a...

O que torna Pauline Kael um ícone da crítica cinematográfica?

Nascida em uma fazenda na Califórnia, Pauline Kael estudou filosofia na Universidade de Berkeley, mas abandonou a faculdade e se mudou para Nova York no início da década de 1940. Algum tempo depois, ela conheceu o poeta e escritor Lawrence Ferlinghetti em um café. Ele...

10 Mulheres Roteiristas da Atualidade que Você Precisa Conhecer

Todo filme precisa de um roteiro para conduzir como as coisas vão se desenvolver. Embora o roteirista não seja tão aclamado e prestigiado pelo público, ele é uma figura de extrema importância para a realização de boas produções.Um roteiro bem trabalhado e...