Um tema comum a muitas narrativas de ficção-científica é a do personagem que viaja pelo universo, por grandes distâncias, e quanto mais longe vai, mais se aproxima de si mesmo, descobre algo a respeito de si mesmo. É um paradoxo: quanto mais o Homem mergulha nos mistérios do universo, mais ele se enxerga, o que poderia ser, e o que ele levou da Terra consigo. Ad Astra: Rumo às Estrelas, do diretor James Gray, é mais um exemplar do gênero que explora esse tema, com rigor, beleza e grandiosidade. É uma aventura, conduzida por um diretor que compreende mitos e velhos temas, grande e pequena ao mesmo tempo.

No filme, o astronauta Roy McBride – interpretado pelo astro Brad Pitt – é convocado para uma missão com o objetivo de salvar a Terra. Estranhas emissões de anti-matéria dentro do sistema solar estão afetando e destruindo as fontes de energia na Terra, e elas têm alguma relação com o pai de Roy, Clifford (Tommy Lee Jones), um lendário astronauta que tinha sido dado como morto numa missão espacial anos antes. Com paradas na Lua e em Marte, o destino final de Roy é Netuno, não sem antes enfrentar vários obstáculos no percurso. O espaço aqui parece uma terra sem lei, não muito distante de um Star Wars

Gray tem completa noção do tipo de história que está contando em Ad Astra. É um filme de mito, de jornada do herói, e nesse sentido demonstra mais um passo na evolução de sua visão. O roteirista/diretor que iniciou a carreira filmando no seu bairro de Nova York dramas policiais centrados em relações familiares, como Caminho Sem Volta (2000) e Os Donos da Noite (2007), deu uma guinada e começou a trabalhar sua sensibilidade numa escala cada vez maior. Em Era Uma Vez em Nova York (2013), a aventura era de uma mulher chegando a um país novo; em Z: A Cidade Perdida (2016), a jornada era para desbravar a imensidão da floresta amazônica em busca de uma região mítica e lendária. Em Ad Astra, a jornada não poderia ser maior, é pelo sistema solar… Mas ainda assim, de novo, une o épico ao pessoal, a grande tela ao pequeno conflito, a viagem espacial a uma relação entre pai e filho.

ENTRE O SUTIL E O DIDÁTICO

A parte épica do filme é, claro, trazida à vida de forma brilhante pelo design de produção de Kevin Thompson e pela encenação de Gray. Desde os primeiros momentos, com planos como o da Terra preenchendo o quadro quando Pitt desce as escadas da antena orbital, ou aquele no qual a esposa dele, Eve (Liv Tyler), é “apagada” pelo desfoque da câmera, fica claro que se está diante de um filme de visual inventivo e que compreende a dimensão épica da sua aventura. Há outros momentos incríveis também: uma perseguição na Lua une perfeitamente a computação gráfica à filmagem em estúdio, e a presença de megacorporações na base lunar faz um belo e sutil comentário visual sobre a gana capitalista que se estende pelo sistema solar graças à ação humana.

Esse mesmo momento serve para introduzir a parte pessoal do filme… E embora ela funcione, aqui se nota o principal problema da construção dramática do filme: um excesso de narração em voice-over do protagonista, que muitas vezes parece explicar coisas que já entendemos dentro do filme. Na mesma cena em que vemos Roy andando pela base lunar diante de estandes de fast-food, Pitt comenta no áudio sobre a própria crítica social que o filme já estava fazendo de modo visual. É problemática também a maneira como o roteiro coloca Pitt para explicar várias vezes no voice-over o estado emocional do protagonista, quando uma olhada no ator já transmite a ideia de forma eficaz. Percebe-se uma busca por um tom meio “filme do Terrence Malick” nessa narração, mas ao invés de “transcendental” e profunda, muitas vezes tais monólogos só soam redundantes mesmo. E depois dizem que o Christopher Nolan é didático…

Felizmente, Brad Pitt – que está presente em todas as cenas – consegue superar esses deslizes com sua atuação sutil, delicada e precisamente construída. É mais um grande trabalho do ator, e seu carisma de astro também faz com que nos importemos com um sujeito frio e emocionalmente distante, cujos batimentos cardíacos, um oficial da agência espacial nos diz, não passam de 80 nem quando ele está diante da morte iminente. Ele é o filme, e graças ao ator a jornada do protagonista é plenamente realizada ao final. Num filme cheio de estrelas, ele é a maior.

Apesar de seu tom dramático, existe uma ligeira pitada pulp, de “filme B” em Ad Astra: afinal, é um filme com piratas na Lua, em certa altura vemos uma briga de facas em gravidade zero, em outra um ataque animalesco. De novo, presenciamos James Gray se apropriar de uma estrutura de gênero para, na verdade, falar dos temas que lhe são caros pessoalmente: A luta de alguém para definir-se a si mesmo, o amor/ódio/mistura dos dois que podem existir dentro de famílias, o uso do mito grandioso e antigo para falar de algo menor e universal. Trata-se de um filme que combina piratas lunares, fim do mundo e crise existencial. Ele até tem algumas falhas, mas parece que estava mirando demais para as estrelas para notá-las. Realmente, a noção de que quando você explora o espaço descobre algo sobre si mesmo, vale também para cineastas.

‘A Lavanderia’: potencial gigantesco perdido em distrações

A Lavanderia, da Netflix, é um daqueles filmes “de tema”, e um assunto chato ainda por cima (embora importante): o pano de fundo verídico da nova parceria do diretor Steven Soderbergh e do roteirista Scott Z. Burns é o escândalo dos “Panama Papers” que sacudiu o mundo...

‘A Hidden Life’: teste de fé e paciência no cinema de Terrence Malick

Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados - depois do experimentos com...

‘Malévola – Dona do Mal’: Disney se supera em passar vergonha

Depois do remake de ‘O Rei Leão’, a Disney realmente nos convenceu de que não importa o quão desnecessário o filme seja, ele será produzido para conquistar o topo das bilheterias. Este é o exato caso de ‘Malévola – Dona do Mal’, o qual desperdiça toda proposta de...

‘Ema’: Pablo Larraín mexe com a cabeça do público em filme indomável

"Ema", novo filme de Pablo Larraín ("Jackie") exibido no Festival de Londres, começa em chamas - uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro - o drama histórico -, o...

‘Dois Papas’: Anthony Hopkins e Jonathan Pryce em atuações abençoadas

Um retrato bem-humorado de duas personalidades mundialmente conhecidas, "Dois Papas" é um show de atuação à moda antiga que se tornou um inesperado sucesso de público nos festivais de Telluride, onde estreou, e Toronto. O longa, também exibido no Festival de Londres,...

‘Entre Facas e Segredos’: Rian Johnson retorna às raízes em grande comédia

O que você faz depois de abalar as estruturas de uma das maiores franquias cinematográficas da história? Pois Rian Johnson resolveu voltar às origens. “Entre Facas e Segredos”, seu primeiro filme desde “Star Wars: Os Últimos Jedi”, é uma comédia sensacional que remete...

“Morto não Fala”: roteirista de ‘Carcereiros’ estreia no cinema com terror preciso

“Você é a última voz que eu vou ouvir antes de Satanás.”  Esse diálogo estabelece bem o que se acompanha durante a projeção de “Morto Não Fala”, filme escrito e dirigido por Dennison Ramalho, uma das mentes responsáveis pelo roteiro de “Supermax” e “Carcereiros”,...

‘A Beautiful Day in the Neighbourhood’: além dos limites do burocrático

O estado atual da indústria cinematográfica permite engraçados paralelos. De um lado, temos filmes que imploram a tela grande sendo produzidos por empresas de streaming, como “Roma”, de Alfonso Cuáron, ou o “Suspiria” de Luca Guadagnino. Por outro, há projetos como...

‘Wasp Network’: Olivier Assayas derrapa em suspense sem rumo certo

"Wasp Network" não é o inferno, mas está cheio de boas intenções. A trama real dos Cinco Cubanos, que espionaram em prol da terra natal em pleno solo americano, rende um thriller implacável. Infelizmente, ele continua na promessa. O novo longa de Olivier Assayas,...

‘O Farol’: horror brota da solidão em ótimo terror de Robert Eggers

Na sua carreira até agora, o diretor Robert Eggers tem se mostrado um grande explorador do poder de isolamento. Se seu filme anterior, "A Bruxa", almejava observar como o puritanismo religioso atuava na mente de pessoas longe da civilização, em "O Farol", seu novo...