O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como uma obra curta e grossa sobre um momento sombrio da história do país, que serve como registro e soco no estômago.

É um filme simples, mas que talvez seja efetivo por causa dessa simplicidade. Ele conta, em uns 15 minutos de duração, a trajetória do jornalista e pesquisador Dermi Azevedo, que reconta um pouco da sua vida em suas próprias palavras. Ele hoje está fragilizado pela idade e pelo mal de Parkinson, mas sua mente está bem ativa. Nós o ouvimos falar brevemente sobre sua infância, sobre o despertar da sua consciência política e sobre a época de repressão pela ditatura militar. Ele fala das prisões, das torturas, da agressão terrível a que seu filho foi submetido – detalhe, ele era uma criança à época – e do seu horror de hoje, ao ver muita gente ignorante, e alguns nem tanto, falando do período da ditadura com saudosismo e flertando com o fascismo.

A fala de Azevedo é acompanhada por imagens de arquivo selecionadas e montadas pelos diretores – Rossi é creditado pela montagem. Às vezes, o casamento entre a fala do entrevistado e a imagem na tela é bem “jornalístico”, ou seja, óbvio, por assim dizer: Cenas de violência e repressão policial quando ele começa a falar da ditadura, por exemplo. Em outros momentos, os diretores se permitem serem mais expressionistas nessa associação. Em dado momento, vemos cenas de guerras e destruição, e fotos em sequência como num daguerreotipo. Arranhões típicos de uma fita VHS desgastada percorrem boa parte do curta, como se ele fosse mesmo uma produção feita há muitos anos, o que ajuda nessa sensação de registro e a mexer com o emocional do público.

TRISTE REPETIÇÃO DA HISTÓRIA

E o efeito emocional do curta é bem forte. É um filme sombrio, claro, mas sem ser mão-pesada e apropriado ao contexto da sua narrativa. Quando finalmente vemos o rosto de Dermi Azevedo, enquadrado de perfil, depois de vários minutos ouvindo apenas a sua voz pesarosa, o efeito é de um baque. Baque porque os diretores e a imagem conseguem captar o peso de um homem que viveu um dos piores períodos da história do Brasil, e hoje assiste com desgosto renovado a muitas pessoas, incluindo o Presidente da República, relativizando o período da ditadura, e outros segmentos da sociedade desejosos de uma repetição disso.

LEIA TAMBÉM: Crítica – “Narciso em Férias”: a violência brasileira em resposta à poesia

Talvez o filme pudesse ser mais detalhado, ou explorar ainda mais seu personagem, porém, mesmo assim, o curta cumpre o seu papel. A função de registro é uma das mais importantes do cinema, e Atordoado, Eu Permaneço Atento se constitui numa obra forte que propõe uma reflexão sobre o Brasil de um passado recente e sobre um possível futuro sombrio que se aproxima. É um filme inquietante, do jeito que precisava ser.

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...

‘De Costas Pro Rio’: dilemas de Manaus em curta irregular

Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a...

‘Boto’ – Episódios 12 e 13: no fim, um charme manauara inebriante

Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta...

‘Boto’ – Episódios 10 e 11: afetos, traumas e intolerância

Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a...

‘Boto’ – Episódios 8 e 9: sobra tempo e falta história

Momento confissão: chega a ser difícil escrever algo novo sobre os episódios 8 e 9 de “Boto” em exibição na TV Ufam desde a última sexta-feira, sempre às 23h, no programa Cine Narciso Lobo. Os capítulos voltam a bater nas mesmas temáticas já abordadas anteriormente...

‘Transviar’: trama inchada prejudica foco de série amazonense

As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm...