Após episódios monótonos, “Boto” deu uma leve avançada nos capítulos 6 e 7, em exibição na TV Ufam (Canal 8 na Net Digital) até a próxima quinta-feira (11). Grande parte disso se deve ao foco prioritário nos relacionamentos entre os cinco protagonistas, aprofundando seus conflitos, diferenças e as angústias.  

Intitulado “Biquíni”, o sexto episódio inicia com Betina (Dinne Queiroz) vagando pelo Centro de Manaus após fugir do hospital. Preocupados, os quatro amigos resolvem sair à procura dela, indo muito além da capital amazonense. Dentro do expediente adotado por “Boto” até aqui, não é preciso ser um ás do roteiro para saber que teremos aquele tour por Manaus: Museu da Cidade, os grafittes dos viadutos da Constantino Nery, Praça do Congresso e da Polícia, Avenida Getúlio Vargas estão no roteiro da vez. Mesmo que não tenha tanta utilidade assim para a narrativa, não nego que seja charmoso ver a cidade representada tão bem em todas suas potências e incongruências. 

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 1, 2 e 3: O Protagonismo da Enigmática Manaus

A grande força do episódio se apresenta quando o grupo chega nas cachoeiras de Presidente Figueiredo. As tensões decorrentes do namoro de Betina com Valdomiro (Lucas Wickhaus), devido aos questionamentos em relação à própria identidade de gênero dele, crescem a um ponto de explodirem em tela, o que acaba por ter reflexo em Alex (Renan Tenca) e Giordano (Ítalo Almeida). “Biquíni” deixa claro o quanto “Boto” funciona mais ao focar em seu quinteto de protagonistas e em suas relações como um grupo e não apenas em seus pequenos núcleos. Não é por acaso o capítulo trazer a cena mais singela da série até aqui ao mostrá-los brincando nas cachoeiras. 

LINDA, LINDA, MAS… 

Já o sétimo episódio, “Neve em Manaus” mantém o foco nos conflitos em alta entre Betina e Valdomiro ao mesmo tempo em que amplifica o drama do rapaz ao mostrar o rompimento do contrato com o Maracutaia´s Bar após a ausência dele em um show de Val dos Prazeres – aliás, destaco aqui a divertida aparição de Thaís Vasconcelos como Antônia em sua mistura de português com inglês embromation e também de Eric Lima como Jonas, sempre elétrico no palco.  

Chama atenção também como, mesmo diante de um discurso progressista de liberdade sexual e relacionamentos abertos, o sentimento de posse e a idealização do amor ainda persistem naqueles jovens e as quebras destas confianças os machucam de forma como não imaginavam ser capazes, algo elaborado de forma sutil pelo roteiro da série. 

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 4 e 5: Ou Pode Chamar de ‘Aquela Estrada 2’

Por outro lado, de todos os protagonistas, Lara é quase uma nulidade. Tira fotos, passeia, vai para lá e vai para cá, plana por Manaus, como diz Alex em um poema no meio do episódio. Ela envolve-se sem se envolver, não se irrita nem apresenta nenhum tipo de dilema existencial. Talvez possa ser o ‘Boto’, mas, para tanto, precisaria de um certo encanto. Ah, mas, ela é bela. Sim, de fato, é linda, mas, poderia ir além disso para entregar o mínimo de personalidade. A idealização de Lara elevada ao ápice em “Neve em Manaus” apenas deixa claro como Daniela Blois pouco pode fazer com o que tem em mãos. 

Quem sabe isso não muda nos episódios 8 e 9 de “Boto”? As exibições iniciam na próxima sexta-feira (12), a partir das 23h, dentro do programa Cine Narciso Lobo. 

‘De Costas Pro Rio’: dilemas de Manaus em curta irregular

Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a...

‘Boto’ – Episódios 12 e 13: no fim, um charme manauara inebriante

Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta...

‘Boto’ – Episódios 10 e 11: afetos, traumas e intolerância

Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a...

‘Boto’ – Episódios 8 e 9: sobra tempo e falta história

Momento confissão: chega a ser difícil escrever algo novo sobre os episódios 8 e 9 de “Boto” em exibição na TV Ufam desde a última sexta-feira, sempre às 23h, no programa Cine Narciso Lobo. Os capítulos voltam a bater nas mesmas temáticas já abordadas anteriormente...

‘Transviar’: trama inchada prejudica foco de série amazonense

As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm...

‘Boto’ – Episódios 6 e 7: série cresce independente de obstáculos

Após episódios monótonos, “Boto” deu uma leve avançada nos capítulos 6 e 7, em exibição na TV Ufam (Canal 8 na Net Digital) até a próxima quinta-feira (11). Grande parte disso se deve ao foco prioritário nos relacionamentos entre os cinco protagonistas, aprofundando...

‘Boto – Episódios 4 e 5’: ou pode chamar de ‘Aquela Estrada 2’

“Aquela Estrada” é o mais bem-sucedido curta-metragem do coletivo Artrupe Produções Artísticas. Dirigida por Rafael Ramos, a produção circulou por festivais nacionais importantes como o Mix Brasil, Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e Goiânia...

‘Boto’ – Episódios 1, 2 e 3: o protagonismo da enigmática Manaus

Se a política pública de regionalização do audiovisual brasileiro adotada na última década tinha como um dos objetivos dar voz a artistas locais apresentarem realidades de locais pouco vistos na TV e cinema, “Boto” consegue ser um representante certeiro deste processo...

‘O Céu dos Índios’: afeto marca fascinante viagem por culturas indígenas

Em sua produção como diretora – que, até então, compunha-se dos curtas Strip Solidão (2013) e Dom Kimura (2016) –, Flávia Abtibol já vinha mostrando uma disposição especial para aproximar-se do mundo de seus personagens: é a empatia a qualidade que redime a narrativa...

‘Travessia’: dor e poesia na dura vida de imigrantes do Haiti em Manaus

Após uma carreira bem-sucedida em festivais com o documentário performático “Maria”, a diretora Elen Linth apostou num projeto de temática igualmente relevante, mas com uma pegada mais diferente. Trata-se de “Travessia”, longa-metragem de não-ficção dirigido em...