“Aquela Estrada” é o mais bem-sucedido curta-metragem do coletivo Artrupe Produções Artísticas. Dirigida por Rafael Ramos, a produção circulou por festivais nacionais importantes como o Mix Brasil, Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e Goiânia Mostra Curtas, além de ter chegado a eventos fora do país como o Thessaloniki LGBT Film Festival, na Grécia, o Toronto Queer Film Festival, no Canadá. Também repercutiu forte no cenário cultural de Manaus com múltiplos defensores e detratores, sendo um dos filmes locais mais comentados da última década.  

Intitulado “Fim de Festa”, o quarto episódio de “Boto” é uma verdadeira homenagem a “Aquela Estrada”. A partir da comemoração do aniversário de 23 anos de Betina (Dinne Queiroz), temos um remake do curta protagonizado por Adanilo Reis. O clima psicodélico, lisérgico se faz presente como se todos ali estivessem em estado de transe; como se tudo vivido fora para que chegassem até ali e nada mais houvesse. O corpo e a música se confundem em uma mesma sintonia – no filme, a trilha é da Supercolisor, enquanto aqui temos um apanhado de Alaídenegão e Anne Jezini. 

Há inegavelmente momentos que esta viagem vale a pena quando, por exemplo, a festa atinge o auge e todos surgem nus em um plano-sequência. Porém, tudo soa como um dejá-vu de uma viagem que já foi mais interessante ou original. Pior: o quarto capítulo de “Boto” cai na autoindulgência, uma armadilha típica de produções que falam sobre o universo cultural em que os realizadores estão inseridos. Desta forma, a série continua dando a impressão de que a diversão está mais do lado de lá, de quem fez o projeto, enquanto nós, o público, ficamos sem ser convidados. 

MARASMO NA ‘RESSACA’ 

Com um título auto-explicativo – “Ressaca” -, o quinto capítulo de “Boto” mantém o ritmo em marcha lenta com uma trama que insiste em ficar quase estagnada. Valdomiro (Lucas Wickhaus) segue em seu dilema existencial entre masculino e feminino, sendo interessante observar a reação incômoda ao ouvir Alex (Renan Tenca) dizer para ele tirar o figurino ao voltar para casa. E só.  

Falando em Tenca, o ator consegue fazer milagre com um sujeito que tinha tudo para ser uma figura aborrecida pelo roteiro insistir nos mesmos assuntos sem avançar a história do personagem. Quanto ao resto, é de se lamentar o desperdício de Dinne Queiroz, uma atriz que consegue tirar “Boto” do marasmo com sua divertida Betina. Para não dizer que nada se salva, o clipe estrelado por Daniela Blois e Ítalo Almeida é bonitinho. 

O sexto e sétimo capítulo de “Boto” vão ao ar a partir de sexta-feira (5), 23h, dentro do programa Cine Narciso Lobo, na TV Ufam, canal 8 da NET DIGITAL. 

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...

‘De Costas Pro Rio’: dilemas de Manaus em curta irregular

Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a...

‘Boto’ – Episódios 12 e 13: no fim, um charme manauara inebriante

Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta...

‘Boto’ – Episódios 10 e 11: afetos, traumas e intolerância

Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a...

‘Boto’ – Episódios 8 e 9: sobra tempo e falta história

Momento confissão: chega a ser difícil escrever algo novo sobre os episódios 8 e 9 de “Boto” em exibição na TV Ufam desde a última sexta-feira, sempre às 23h, no programa Cine Narciso Lobo. Os capítulos voltam a bater nas mesmas temáticas já abordadas anteriormente...

‘Transviar’: trama inchada prejudica foco de série amazonense

As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm...