Para quem vive em Estados periféricos relegados constantemente ao segundo plano no contexto nacional, certas conquistas abrem portas consideradas impossíveis em um passado não tão distante. Em relação ao cinema nacional, a política de regionalização do nosso cinema permitiu a realização de longas-metragens das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste capazes de circular em festivais e chegar às salas comerciais. Aconteceu com o Amazonas graças “A Floresta de Jonathas”, no Pará com “Para Ter Onde Ir” e, agora, no Alagoas com “Cavalo”, um dos registros audiovisuais brasileiros mais contundentes dos últimos anos sobre a resistência negra e a riqueza do candomblé. 

Dirigido pela dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles Bagetti, “Cavalo” é uma produção híbrida composta por trechos documentais, ficcionais e performances de dança de sete artistas negros de Alagoas. Através do candomblé e toda sua ancestralidade, o projeto mostra como o corpo daquelas pessoas é um instrumento de ligação com as suas raízes e, acima de tudo, de resistência social. 

Mesmo que a temática racial não seja uma novidade no atual cinema brasileiro, “Cavalo” conta com uma potência nas suas imagens e sonoridade impactantes suficientes para se destacar. Muito disso se deve à colocação do corpo negro de protagonista, um corpo em movimento nos mais diversos espaços – praia, trem, manguezais, feiras urbanas, estradas interioranas, becos e vielas, e, claro, no palco. Tudo permeado de intensa afetividade seja marcada pela amizade, angústias sentimentais tão presentes em cada um de nós ou apenas no desespero de um jovem rapaz, pelo temor do preconceito e intolerância, abraçado ao colo da mãe, na cena mais comovente do longa. 

Este caldeirão se amplifica para o campo da ancestralidade ao englobar como o candomblé constitui a força vital para a resistência deste corpo negro diante de um mundo que somente fecha portas a eles. Como explica a introdução do filme sobre a origem da vida do ponto de vista da religião e reitera uma das artistas protagonistas de “Cavalo”, a conexão com as suas raízes está na terra e, por isso, o chão, a água e a lama são outros protagonistas, o que rende momentos poéticos de extrema beleza como a sequência inicial e os números de dança angustiantes. 

Longe de ser uma produção das mais acessíveis em sua estrutura, “Cavalo” é um tratado sobre a resistência de uma religião e daquelas pessoas em suas crenças e existências, ocupando seus espaços nesta Alagoas que merece e precisa ser mais vista nas telas. 

‘Beans’: bom drama adolescente para abordar a identidade indígena

Encontrar seu lugar no mundo é dureza, mas fazer isso sendo uma garota do tradicional povo indígena Mohawk, no Canadá dos anos 1990, requer nervos de aço. “Beans”, primeiro longa-metragem de Tracey Deer, aborda a identidade e os direitos indígenas através das lentes...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...

‘Minari’: naturalismo e honestidade dão o tom de belo filme

Minari, do diretor Lee Isaac Chung, é uma obra delicada e que tem um carinho muito perceptível pelos seus personagens e a história que conta. É uma trama comum no cinema - imigrantes lutando para sobreviver e prosperar numa terra nova - e parcialmente baseada na...

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...