“O mundo perdeu a magia”, diz Ian Lightfoot (Tom Holland), logo no início de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” A frase poderia soar ordinária caso não tivesse embutida de uma deliciosa ironia, afinal, se trata de um jovem elfo, irmão do dono de uma van chamada Guinevere, com um cachorro-dragão e repleto de colegas de classe dos mais diferentes tipos.  

Igual fizera Woody Allen no excelente “Meia-Noite em Paris”, a nova aventura da Pixar brinca com a nossa incapacidade de observamos a beleza presente no dia a dia, buscando no passado e na nostalgia respostas para as angústias do presente. Pode até não atingir o brilhantismo de obras-primas como “Toy Story 3” ou “Os Incríveis” nem ser um primor de criatividade como “Divertida Mente”, mas, “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” diverte e comove como os melhores filmes do estúdio. 

Com direção e roteiro de Dan Scanlon (“Universidade Monstros”), a produção acompanha Ian, um garoto inseguro, incapaz de fazer amigos e melancólico pelo fato de não ter conhecido o pai, morto quando ainda era uma bebê. Ele vive ao lado da mãe Laurel (Julia Louis-Dreyfuss) e do irmão Barley (Chris Pratt), um nerd aficionado em magia.  

Certo dia, ele descobre um presente deixado pelo pai: um cajado e uma pedra preciosa capaz de fazê-lo voltar dos mortos por 24 horas. O problema é que acontece um imprevisto justamente na hora de fazer a mágica, levando o corpo apenas a retornar apenas da cintura para baixo. Para conseguir completar o serviço e conhecer o pai, Ian, ao lado de Barley, embarcam em uma aventura com caminhos imprevisíveis. 

COMBINAÇÃO PERFEITA DE DRAMA E HUMOR 

“Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” traz o que melhor a Pixar sabe fazer: criar um universo fantástico e visualmente encantador aliada a uma história rica de significados com ótimas sacadas ligadas ao mundo atual em uma combinação perfeita de drama e humor. A trama central, por exemplo, revela camadas muito mais densas e profundas do que inicialmente se imagina de ser uma aventura pura e simples.  

Encontrar o pai para Ian, por exemplo, não é apenas ter contato com alguém tão amado: há o desejo em ter um modelo concreto de inspiração para ser mais sociável e conseguir cumprir sua lista de objetivos. Isso se torna ainda mais uma necessidade pela figura aparentemente louca do irmão que mais o constrange do que causa orgulha.  

Porém, a forma como o roteiro subverte e ressignifica esta base através de barreiras de comunicação – o pai pela metade, Barley não ter as sugestões acatadas por Ian, a falta de confiança do protagonista em si próprio levando às falhas das frases mágicas – cria as camadas necessárias para a evolução dos personagens. Quando o trio começa a dançar e Ian percebe a forma desengonçada do pai, a idealização de alguém perfeito carregada durante toda uma vida se desmancha, o que, porém, não diminui a alegria daquele momento.  Já o que parecia o alívio cômico de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica”, Barley ganha uma surpreende em um comovente relato do último momento dele com o pai. 

Tudo isso culmina no desfecho longe do tradicional ‘final feliz’: igual “Viva – A Vida é uma Festa”, as conquistas do personagem não chegam a ser totalmente plenas com eles conseguindo tudo o que desejavam. Percebe-se, entretanto, que o alcançado foi algo muito maior e a valorização daquilo que realmente importa alcançado, mesmo que não seja considerado por muitos como extraordinário. 

Paralelo a isso, somos brindados com a inteligência habitual da Pixar em conseguir extrair do cotidiano ácidas sacadas de humor. Desde críticas à ausência de riscos que deixamos de correr e a perda de imaginação pelas comodidades oferecidas pela tecnologia até o maravilhoso trecho envolvendo a mantícora desiludida pela vida que leva de garçonete, “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” aponta para a necessidade urgente de que precisamos ser ousados para avançar como sociedade. Ou, então, o medo e as inseguranças predominam. 

Para uma produção que pouco se esperava dela, “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” revela-se uma surpresa das melhores neste início de ano. 

‘Manaus Hot City’ e ‘O Barco e o Rio’ representam Amazonas em festival no Rio de Janeiro

O cinema do Amazonas estará em dose dupla no Festival Curta Cinema 2020: "Manaus Hot City" e "O Barco e o Rio" fazem parte da Mostra Competitiva Nacional ao lado de outras 31 produções. Os dois filmes são os únicos da Região Norte do Brasil de uma lista composta...

‘O Barco e o Rio’ integra seleção de festival internacional de curtas de Bogotá

O passaporte de "O Barco e o Rio" em festivais internacionais começa a ser carimbado: o drama do cinema amazonense dirigido por Bernardo Ale Abinader está entre os selecionados para a mostra Conexões Brasil do 18º Festival de Curtas de Bogotá (Bogoshorts). Previsto...

‘Tenet’ em Manaus: cinemas iniciam vendas de ingressos

Esperança dos exibidores ao redor do planeta para trazer o público de volta para os cinemas, "Tenet" chega ao Brasil no próximo dia 29 de outubro. Em Manaus, todos os complexos reabertos - Centerplex, Cinépolis, Kinoplex, Playarte e UCI - já iniciaram as vendas de...

‘Os Novos Mutantes’ chega aos cinemas de Manaus nesta quinta-feira

Os cinemas de Manaus recebem, nesta quinta-feira (22), o primeiro dos blockbusters depois de três meses da reabertura. O escolhido é "Os Novos Mutantes", novo longa da franquia "X-Men". A produção dirigida por Josh Boone, aliás, viveu uma série de adiamentos para...

Olhar do Norte: conheça os selecionados para a Mostra Olhar da Pandemia

Previsto para acontecer entre os dias 5 e 7 de dezembro em formato online e com parceria do Cine Set, o Festival Olhar do Norte 2020 divulgou a lista de produções selecionadas para a Mostra Olhar da Pandemia. Ao todo, são 14 curtas-metragens gravados a partir de março...

Dois filmes representam o Amazonas no Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul

Previsto para acontecer entre os dias 21 a 30 de outubro, o tradicional Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul: Brasil, África, Caribe e Outras Diásporas chega a 13a edição em 2020 com tempero amazonense. O Estado estará representado por "A Estranha velha que...

Em Manaus, festival universitário de audiovisual abre inscrições para edição 2020

Das boas iniciativas surgidas em 2019 no audiovisual amazonense, o Pirarucurta chega à segunda edição neste ano apostando em atividades e mostras online por conta da pandemia da COVID-19. Previsto para acontecer entre os dias 18 e 19 de novembro, o festival...

Cinemas de Manaus recebem Festival Christopher Nolan nesta semana

Amado e odiado na mesma intensidade por cinéfilos e críticos do mundo inteiro, Christopher Nolan é a aposta dos cinemas brasileiros para trazer os públicos de volta às salas. A partir desta quinta-feira (15), os complexos de Manaus recebem um festival com os grandes...

Cine Ceará seleciona amazonense ‘O Barco e Rio’ para mostra competitiva

O Cine Ceará 2020 terá o amazonense "O Barco e o Rio" na mostra competitiva nacional de curtas-metragens. A produção dirigida por Bernardo Ale Abinader é o único representante da Região Norte do Brasil no evento previsto para acontecer em formato presencial e online...

‘Manaus Hot City’ representa cinema do Norte do Brasil no Festival de Vitória

Depois de participar do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo em julho deste ano, “Manaus Hot City” emplaca uma nova participação em um importante evento do circuito brasileiro de festivais. O filme dirigido por Rafael Ramos (“A Segunda Balada”, “A...