O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da intolerância do Estado a grupos minoritários nos telejornais, na internet e até mesmo no dia-a-dia. Esse é um dos pressupostos utilizados por Tatiana Issa e Guto Barra em “Dominique”, selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020.

O documentário acompanha a personagem-título em uma visita a mãe no interior do Pará. Enquanto viaja a encontro do seio familiar, ela permite-se embarcar em suas próprias lembranças e em sua trajetória como mulher trans. A narração em off nos faz experimentar suas vivências e refletir sobre os meandros de um país conservador que tem fetiche por aqueles que crítica e abomina. Enfim, a hipocrisia.

“Dominique”, no entanto, parte para um plano maior, ainda que pouco explorado. E abraça uma situação que soa como um contraponto: a família conservadora e a mãe que aceita as três filhas transsexuais. Costumamos dizer que nós, amazônidas, somos receptivos e somos desconfiados na mesma proporção e isso afeta a vida da personagem que precisa sair de casa ainda adolescente para aventurar-se nas ruas de São Paulo, onde experimenta a violência dos centros urbanos a travestis por meio da marginalidade, invisibilidade social e agressividade policial.

Issa e Barra trazem para produção a sensibilidade que norteia muitos dos seus projetos, especialmente “Fora do Armário” – série da HBO que aborda a mesma temática. Sua maneira de retratar a terra de Dominique e a ancestralidade que percorre as veias nortistas, no entanto, possui um eco de “Maria” de Elen Linth. Principalmente, na relação entre a terra, bastante captada pelas lentes de Guto Nasr, e a narração em off que revela o turbilhão que permeia a mente de Dominique.

O documentário se torna uma das peças mais carismáticas e emblemáticas do Brasil de 2020. Issa e Barra nos entregam um filme que é um reflexo do país com suas violências e cidadãos dispostos a lutar por seu direito de existência. Nessa batalha, é preciso destacar que mesmo em meio a tanta dor, Dominique encontra o acolhimento nos braços da mãe. Somos guiados por suas desventuras, seus anseios e percebemos em seus caminhos a força e a leveza que podem circundar nossa sociedade.

Simples, potente e acolhedor.

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...

‘The Boys in the Band’: leveza para abordar assuntos sérios

Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma...

‘Cavalo’: resistência negra em potente obra alagoana

Para quem vive em Estados periféricos relegados constantemente ao segundo plano no contexto nacional, certas conquistas abrem portas consideradas impossíveis em um passado não tão distante. Em relação ao cinema nacional, a política de regionalização do nosso cinema...

‘Nardjes A.’: documentário se deixa levar pela empolgação de protestos de rua

Não há como não lembrar dos movimentos de rua daquele Brasil de junho de 2013 ao assistir “Nardjes A.”. Afinal, as imagens de ruas tomadas de manifestantes jovens com gritos de indignação e a sensação de esperança de que estavam lutando pelo futuro melhor de seu país...