Logo nas primeiras cenas de “Dor e Glória”, Salvador Mallo (Antonio Banderas) está mergulhado no fundo de uma piscina de olhos fechados. Em seguida, a câmera dá um close e mostra a cicatriz por todo o tórax, fruto de um procedimento cirúrgico. Ali, Pedro Almodóvar dá a chave ao espectador de que será convidado para entrar no íntimo de um personagem fragilizado tanto pelo corpo quanto, principalmente, pela própria mente. 

“Dor e Glória”, sem dúvida, é o filme mais pessoal de Almodóvar desde “Má Educação” (2004). Longe do histrionismo cômico de “Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos” (1988) ou da tragédia pura de “Julieta” (2016), o diretor utiliza uma narrativa melancólica para refletir sobre os caminhos da própria vida em uma quase autobiografia. Aparecendo com certa constância ao longo de “Dor e Glória”, os cartazes de “Hamlet”, de William Shakespeare, e de “Gato em Teto de Zinco Quente”, de Tennessee Williams, simbolizam o estado de espírito do protagonista. 

A história acompanha o cineasta Salvador Mallo lidando com problemas de saúde à beira dos 60 anos. Sem condições físicas e emocionais para voltar a dirigir, ele passa a recordar a relação com a mãe (Penélope Cruz na fase infantil, Julieta Serrano na fase adulta), o grande amor da vida (Leonardo Sbaraglia), as desavenças com um antigo parceiro de trabalho (Asier Etxeandia). 

NOSTALGIA E URINA: OS CHOQUES DE SER ALMODÓVAR 

Os elementos clássicos da filmografia do espanhol estão lá: a pureza infantil em contraste com os primeiros desejos ‘proibidos’, a presença feminina quase santificada seja na presença da mãe ou de várias mulheres cantando no início do filme, a igreja como uma sombra repressora e o ateísmo sendo o enfrentamento disso, os amores difíceis, a pitada de melodrama, a trilha sonora de cantos vibrantes e dramáticos, as ‘cores de Almodóvar’. Poderia ser ‘mais uma obra’ ora muito boa (“A Pele Que Habito”) ora fraca (“Amantes Passageiros”) como o diretor vem proporcionando nos últimos anos. 

Mas, a exposição pessoal, quase uma terapia em público, transforma “Dor e Glória” em um filme relevante e tão importante sobre os fantasmas da mente de uma das figuras mais instigantes ainda hoje do cinema mundial. Se pequenos detalhes – o endereço de Mallo ser o mesmo de Almodóvar e o zumbido do personagem também ser vivido pelo diretor – soam como pequenas curiosidades, outros como a busca de Mallo em se conciliar com Alberto (Exteandia) e a conversa com a mãe, já no final da vida pedindo que não usasse suas histórias nos filmes, servem como um reencontro consigo próprio. 

Esta janela aberta em que transborda medo, insegurança, nostalgia e dores inevitavelmente acaba por refletir em uma metalinguagem, pois, Almodóvar durante toda sua obra utilizou estes sentimentos como matéria-prima de suas produções. Por isso, quando Alberto declama o texto escrito por Mallo sobre o cinema ser, ao mesmo tempo, uma sensação bonita ligada à infância, mas, com cheiro de urina, há uma ligação precisa com a obra do diretor: quantas vezes Almodóvar não nos surpreendeu aos nos arrancar uma risada no meio de um drama? Ou nos fazer chorar na mais hilariante comédia? Ou nos fazer suspirar de paixão perante uma história dura? 

Nesta dicotomia fascinante, “Dor e Glória” torna-se uma obra essencial da carreira de Pedro Almodóvar não apenas por ser um grande filme; abre portas para entendermos com mais riqueza as construções feitas por este gigantes em outras produções.  

‘Cadê Você, Bernadette?’: Cate Blanchett reina em melodrama simpático

Bernadette Fox (Cate Blanchett) é uma brilhante arquiteta que abandonou a carreira após uma terrível decepção em uma de suas grandes criações. Ela mora em Seattle com o marido Elgie (Billy Crudup) e a filha Bee (Emma Nelson) com quem tem uma relação de amizade e...

‘Pacarrete’: uma síntese do artista brasileiro

Quando “Pacarrete” foi selecionado para o Festival de Gramado deste ano, o filme cearense era visto como um patinho feio dentre as obras em competição. Concorrendo com grandes produções, dirigidas por nomes consagrados como Miguel Falabella (com o aguardado “Veneza”)...

‘Papicha’: resistência feminina ao extremismo religioso em grande drama

Ter sido mulher na Argélia de 1990 durante uma guerra civil e a escalada do poder de grupos muçulmanos a partir do extremismo islâmico e intolerância religiosa foi uma jornada de sobrevivência. Em “Papicha”, o filme que representa a Argélia como pré-candidato ao Oscar...

‘Doutor Sono’: sequência constrói ponte entre visões de King e Kubrick

Existe O Iluminado de Stephen King e O Iluminado de Stanley Kubrick, e eu sempre digo às pessoas para experimentarem os dois. O de King é um livro de terror sobre aprender a vencer os próprios demônios, principalmente alcoolismo e abuso. O de Kubrick é um filme de...

‘Apollo 11’: documentário protocolar sobre a chegada do homem à Lua

“Um pequeno passo para o homem, mas um salto gigantesco para a humanidade”. A frase proferida por Neil Armstrong no momento em que pisava na Lua pela primeira vez é, sem dúvida, o momento mais memorável da Missão Apollo 11. Já retratada em diversos meios, a última...

‘O Rei’: ressignificações da masculinidade em poderoso épico

O que mais impressiona em O Rei, drama histórico da Netflix e do diretor David Michôd, o mesmo de Reino Animal (2010) e The Rover: A Caçada (2014), são as caras jovens na tela. Geralmente épicos não são estrelados por atores com cara de garotos, nem os vemos...

‘A Música da Minha Vida’: coming of age ao som e espírito de Springsteen

Tanto em “Apenas uma Vez” quanto em “Mesmo Se Nada Der Certo”, o diretor irlandês John Carney demonstrou o poder que a música exerce sobre nossas vidas. Em “Sing Street”, considerado seu trabalho mais pessoal, Carney consegue estabelecer um diálogo ainda maior com seu...

‘O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio’: replay dos melhores momentos da série

De todos os filmes de ação/ficção-científica dos anos 1980 que fizeram sucesso, O Exterminador do Futuro (1984) era, em tese, o que tinha a menor probabilidade de virar franquia. Vigoroso e impactante longa que impulsionou as carreiras do seu roteirista/diretor, James...

‘Zumbilândia – Atire Duas Vezes’: preguiça completa de buscar algo novo

Toda vez que é lançada uma nova versão de algum filme famoso eu me pergunto se irá valer a pena. “Zumbilândia - Atire Duas Vezes”, já adiantando bastante, é totalmente desnecessário. Parece haver uma cultura em Hollywood onde as pessoas devem ganhar mais pontos ao...

‘Meu Nome é Dolemite’: Eddie Murphy reencontra as boas comédias na Netflix

Famoso movimento do cinema americano nos anos 1970, o Blaxploitation teve como público-alvo os negros do país tão mal representados nas grandes produções de Hollywood. Sempre com o nível de violência acima da média, as produções transitavam entre policiais, westers,...