Existe O Iluminado de Stephen King e O Iluminado de Stanley Kubrick, e eu sempre digo às pessoas para experimentarem os dois. O de King é um livro de terror sobre aprender a vencer os próprios demônios, principalmente alcoolismo e abuso. O de Kubrick é um filme de terror sobre como é frágil a nossa percepção da realidade, e sobre o mal que parece ser inerente ao homem. Ambos partem da mesma premissa básica, mas chegam a resultados completamente diferentes. Um é, no fim das contas, emotivo e otimista; o outro é frio e cínico. Ambos têm seu valor e são MUITO assustadores. Mas é verdade que o de Kubrick suplantou o de King no imaginário popular: em parte porque o cinema quase sempre alcança muito mais pessoas que a literatura, em parte porque as imagens criadas pelo cineasta continuam sendo muito poderosas.

King nunca escondeu que não curte o filme – muito provavelmente porque a história é bem pessoal para ele e o enfoque de Kubrick, como se viu, acabou sendo muito diferente. Ele escreveu a continuação do livro, Doutor Sono, cuja adaptação para as telas pelo diretor Mike Flanagan chega como um verdadeiro milagre: ela consegue casar as sensibilidades opostas de King e Kubrick, respeitando tanto o filme O Iluminado quanto a escrita do autor.

Em Doutor Sono, reencontramos Danny Torrance (vivido por Ewan McGregor) décadas após sua aterrorizante experiência no Hotel Overlook. Inicialmente um sujeito perdido na vida – até vermos um pouco mais da sua infância –, ele se encontra ao começar a trabalhar como enfermeiro, usando sua “iluminação” para ajudar pacientes em estado terminal. Mas sua existência razoavelmente equilibrada – afinal, ele continua vendo… coisas – é perturbada quando entra em contato com Abra (Kyliegh Curran), uma garotinha iluminada como ele, e descobre que ela está sendo perseguida pelo culto liderado por Rose (Rebecca Ferguson), que se alimenta de crianças “iluminadas”. Essa revelação vai levá-lo a encarar os fantasmas – literais – do seu passado…

Direção inspirada de Flanagan

Vamos tirar logo do caminho os aspectos mais fracos do filme, certo? Bem, a história de Doutor Sono tem sim seus pontos meio… Bobos. Os vilões, que se intitulam o “Nó”, falam em roubar o “vapor” das crianças em conversas que ficam a um passo da pieguice, e visualmente lembram um pouco até os vampiros de Crepúsculo

Mas é aí que entra a inteligência da condução de Flanagan, cineasta talentosíssimo que comandou grandes obras de terror nos últimos anos – O Espelho (2013); Jogo Perigoso (2017); outra adaptação de King, e A Maldição da Residência Hill (2018). Para começar, a exposição de informações no roteiro – também de Flanagan – é totalmente visual. Entendemos o que o Nó faz visualmente, sem precisar de diálogos expositivos, assim como também compreendemos a comunicação entre Danny e Abra pelo quadro-negro, sem demora. Aos poucos nos acostumamos com a estranheza da história e de alguns personagens, sem que seja preciso que ela nos seja explicada didaticamente, e quando chegamos na hora em que o culto captura o garotinho vivido por Jacob Tremblay, de O Quarto de Jack (2015), é difícil não ter medo daquelas figuras que antes pareciam só caricaturas.

Ajuda também o fato de Rebecca Ferguson, diabolicamente divertida, e Zahn McClarnon como o Pai Corvo, estarem inspirados, assim como Curran. Mas a melhor atuação é mesmo a de McGregor, uma composição sensível e inteligente que serve como âncora do filme e o impede de cair no ridículo. Além disso, Flanagan conta sua história com calma e precisão, sem pressa e alternando entre vários núcleos narrativos que se encontram com o tempo – o que não impede alguns furos de roteiro quando as coisas começam a esquentar… Ele também tem alguns momentos inspirados de direção, com cenários giratórios, planos do alto que remetem a uma visão divina (será?), e claro, a sua impressionante recriação de cenas e momentos do filme de Kubrick, com direito a escolha de sósias razoáveis de Shelley Duvall, Danny Lloyd e Jack Nicholson.

FUGA DO CLICHÊ NOSTÁLGICO

Por todo o longa, vemos a direção e o roteiro prestarem homenagens ora à visão de King, ora ao filme de Kubrick. O ato final é quando Danny precisa encarar o passado e a trama de King se mescla ao horror criado por Kubrick para o seu filme, e Mike Flanagan faz com que estes dois “pais divorciados” se encontrem, discutam a relação e cheguem a um entendimento. De quebra, faz um remix de momentos icônicos de O Iluminado que flertam com a noção de nostalgia e a tendência atual de filmes novos que se apoiam em obras do passado. Mas de algum modo, Flanagan escapa disso, de fazer do final de Doutor Sono uma mera “festa da nostalgia” como alguns filmes recentes são. Ele consegue conciliar a emoção de King e a frieza cerebral de Kubrick e ainda colocar um pouco do seu estilo, uma mescla criativa do sobrenatural com o emocional, como vimos em seus trabalhos passados. Isso não é uma façanha pequena.

E de quebra, ainda mostra aqui e ali uns momentos assustadores e incômodos, como aqueles envolvendo a mulher na banheira e as mortes de crianças. Por toda a duração de Doutor Sono, sentimos a sensação de que filme e seus cineastas estão pisando em solo sagrado, sob perigo de despertar a ira dos deuses do cinema ao mexer com um clássico não só do gênero terror, mas do cinema em geral.

Felizmente, apesar de um ou outro problema, todos, e o espectador, se salvam: Doutor Sono é muito melhor do que tinha direito a ser e passa longe de ser uma mera exumação de Stanley Kubrick, por mais que ele ainda projete uma sombra enorme (ou seria um fantasma?) sobre esta continuação. É um filme “espiritual” assombrado por dois grandes fantasmas, mas assim como seu protagonista, é destemido o suficiente para encará-los. Flanagan não é Kubrick, mas é um ótimo médium.

40 anos de ‘Zumbi 2 – A Volta dos Mortos-Vivos’: saga italiana do cinema zumbi

Em certo momento de Zumbi 2 – A Volta dos Mortos-Vivos é difícil você não coçar a cabeça e pensar que está diante de uma obra um tanto quanto “fora da casinha”, ensandecida, uma daquelas experiências únicas de pura diversão que só certos filmes italianos de horror com...

Podcast Cine Set #14 – Cinema Giallo: ‘Seis Mulheres Para o Assassino’

Outubro está chegando ao fim, mas ainda tem os últimos episódios do nosso Especial Terror aqui no podcast! Desta vez, nossos membros Danilo Areosa e Ivanildo Pereira se reúnem com a convidada Michelle Henriques, do Cine Varda. A conversa? Um bate-papo sobre o cinema...

35 anos de ‘A Hora do Pesadelo’ e o legado de Freddy Krueger

Quando estava assistindo a It: Capítulo 2 no cinema, vendo as “palhaçadas” do Pennywise, um pensamento me veio à mente. Algo que, aliás, já tinha me ocorrido quando vi o primeiro filme em 2017: “Puxa, o Freddy Krueger bem que podia processar o Pennywise, o cara tá...

10 Filmes Cults de Terror Para Você Descobrir

Como fã de terror, é sempre bom revisitar os filmes clássicos no mês das bruxas. Rever O Exorcista, A Noite dos Mortos-Vivos, Evil Dead, Halloween, O Bebê de Rosemary, O Iluminado, O Massacre da Serra Elétrica, entre outros, é a oportunidade ideal para entender os...

Cine Set e Casarão de Ideias promovem sessão gratuita com clássicos do terror

Para celebrar o Halloween em grande estilo, o Cine Set e o Casarão de Ideias promovem a segunda edição do Especial Terror, no próximo dia 30 de outubro. Serão exibidos três clássicos do gênero: "Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver", de José Mojica Martins, o Zé do...

Podcast Cine Set #12 – 35 anos de “Sexta-Feira 13”

Pode se preparar e colocar a máscara de hóquei: no primeiro episódio do Especial Terror 2019, Danilo Areosa comanda a conversa com Ivanildo Pereira e Henrique Filho, integrantes do Cine Set, e o convidado Paulo Yonami, do Studio House 137. O tema? Os 35 anos...

40 anos de ‘Os Filhos do Medo’: O aterrorizante divórcio de Cronenberg

Hoje é dia das crianças! Então vamos celebrar com um filme cheio de crianças assassinas, deformadas e traumatizadas... Porque aqui é o Especial Terror do Cine Set e o tema é o filme Os Filhos do Medo (1979), do mestre David Cronenberg. Vale a pena começar fazendo um...

‘Godzilla’ a ‘Audição’: Aniversário de Clássicos Nipônicos de Terror

Ao longo da história do cinema, o Japão produziu alguns das melhores obras de terror de todos os tempos. Algo na sociedade ou na cultura faz os japoneses terem mais intimidade com o horror do que a maioria dos outros povos. E em 2019, alguns clássicos da terra do sol...

45 anos de ‘Noite do Terror’ (1974): O Avô do cinema Slasher Americano

Em seu ótimo texto que abriu o Especial de Terror de 2019, o amigo e fã de terror Ivanildo Pereira ressaltou a importância de John Carpenter para o cinema de gênero e Bacurau. O cineasta americano também foi o cara que fomentou e desbravou com enorme competência no...

As Homenagens de ‘Bacurau’ ao mestre do terror John Carpenter

Quando estava começando a ler sobre cinema na internet no final dos anos 1990 e começo dos 2000, logo descobri o Cinemascópio, site/blog do Kleber Mendonça Filho. Um texto dele em especial, do qual eu gostava muito, era sobre o clássico do terror e ficção-científica O...