Não é muito comum vermos filmes norte-americanos mostrando a pobreza nos Estados Unidos – e não se engane, ela existe. Indústria Americana se inicia com cenas de inverno e uma paisagem desolada. Uma legenda nos informa que estamos em 2008, ano em eclodiu a maior crise do capitalismo desde a quebra da bolsa de Nova York em 1929. Vemos uma fábrica da General Motors sendo fechada na cidade de Dayton, no Estado de Ohio, levando milhares de pessoas da região ao desemprego imediato.

Este documentário, dirigido por Steven Bognar e Julia Reichert e realizado pela produtora do casal Barack e Michelle Obama para a Netflix, acompanha a retomada da fábrica alguns anos depois, entre 2015 e 2017, quando ela foi reaberta e assumida por investidores chineses da empresa Fuyao. Vemos o anúncio e a abertura da fábrica, dedicada à produção de vidros para automóveis, cercados de pompa e entusiasmo. Porém, logo começam a surgir os entraves, digamos, culturais, entre os povos.

Os norte-americanos passam a se admirar com a disciplina e o amor quase religioso (e exagerado) dos chineses pela empresa em que trabalham. Já os chineses não se preocupam muito com segurança no trabalho, o impacto ambiental da fábrica, e acham que os norte-americanos trabalham pouco e ainda por cima não fazem hora extra. Numa cena engraçada, vemos alguns supervisores norte-americanos da fábrica indo à China fazer um treinamento: enquanto os chineses se apresentam sempre arrumados, de terno, e comedidos, os americanos estão acima do peso (claro), com barba por fazer e até usando camisetas, uma delas do filme Tubarão (1975).

Os chineses também não querem nem saber de sindicato por perto – e a luta dos trabalhadores e do sindicato por melhores condições no terço final do filme conduz a narrativa. O tema é interessante e a abordagem do documentário também. Bognar e Reichert se esforçam para dar voz aos dois lados da situação, e conseguem, fazendo de Indústria Americana um olhar equilibrado sobre o tema. O filme não tem uma veia irônica, estilo Michael Moore. Os chineses, apesar da sua gana capitalista, não são mostrados como vilões; nem o sindicato é mostrado como a “última esperança” dos trabalhadores.

TRISTE RELATO DO CAPITALISMO

Os diretores fixam o olhar num interessante “outro lado da moeda” proporcionado pela globalização: durante muito, tempo indústrias norte-americanas se estabeleceram em outros países e impuseram, às vezes com arrogância, a sua visão capitalista e de produção – nós, brasileiros, bem sabemos disso. Agora é a vez de eles experimentarem esse processo, e no seu próprio território. E Riechert e Bognar deixam as imagens e as pessoas em foco contarem essa história. Não há narração e a montagem é fluida, quase sempre, o que mantém nosso envolvimento – embora o filme gaste um tantinho razoável de tempo mostrando as tradições chinesas, algumas meio bizarras, na viagem ao país.

No geral, Indústria Americana é um documentário muito bem produzido, com um trabalho muito inteligente de montagem, e também de trilha sonora, que ajudam a manter a atenção do espectador. Aborda com inteligência o tema da divisão: no fundo, os povos não são tão diferentes assim, e o capitalismo os aproxima e os afasta ao mesmo tempo. O fato dos Obama estarem envolvidos na produção não influencia no resultado final, que se mostra bastante equilibrado – e o filme não deixa de servir como um pequeno ponto de reflexão para quem achou o governo Obama decepcionante

Ao final, o que fica é uma ponta de tristeza pelo estado atual do capitalismo, no qual trabalhadores ganham pouco, trabalham em condições problemáticas e são vistos como meras ferramentas de produção, enquanto empresas e países colhem os frutos. Trata-se da mesma velha história, agora em escala amplamente globalizada. Ao que parece, nem os EUA estão mais imunes a isso.

Oscar 2022: As Possíveis Surpresas e Decepções da Temporada de Premiações

De “Licorice Plzza” a Ben Affleck, Caio Pimenta lista possíveis surpresas e decepções da temporada de premiações rumo ao Oscar 2022. https://www.youtube.com/watch?v=wK7wzJ40eGo AS POSSÍVEIS SURPRESAS  Que “Licorice Pizza” estará no Oscar, isso é mais do que certo....

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Nicole Kidman e Jennifer Lawrence

Das nomeações por "Moulin Rouge" e "Inverno da Alma" a "Lion" e "Joy", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Nicole Kidman e Jennifer Lawrence no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=T_TfJwxVcwI 4. LION  Começamos com a Nicole Kidman e sua...

Lady Gaga e Kristen Stewart: Quem Chega Mais Forte no Oscar 2022?

Caio Pimenta analisa os pontos a favor e contra de Lady Gaga, de "Casa Gucci", e Kristen Stewart, de "Spencer", no Oscar 2022 de Melhor Atriz. https://youtu.be/eoeoDQn7TD0 PONTOS A FAVOR DE LADY GAGA  A Lady Gaga tem boas credenciais para acreditar que pode sim levar...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Jane Fonda

Falar da beleza, carisma e do engajamento político de Jane Fonda é chover no molhado. Porém, a estrela de Hollywood também era uma grande atriz e as sete indicações com duas vitórias provam isso.  Por isso, eu faço esta homenagem a ela trazendo da pior à melhor...

Oscar 2022: Previsões Iniciais de Melhor Animação

De “Flee” a “A Família Mitchell e a Rebelião das Máquinas”, Caio Pimenta apresenta a lista de candidatos ao Oscar 2022 de Melhor Animação.  CHANCES MÍNIMAS  Três franquias vão manter a regularidade no Oscar: todas elas seguirão sem indicações.  Se os três primeiros...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Daniel Day-Lewis

Chegou a hora de falar do maior vencedor da categoria de Melhor Ator: Daniel Day-Lewis conseguiu seis indicações e levou a estatueta em três ocasiões.  Nada mais do que justo a um dos maiores de todos os tempos; um intérprete que se entregava de maneira completa aos...

Oscar 2022: Previsões Iniciais de Melhor Filme Internacional e as chances do Brasil

O prazo para cada país enviar o seu candidato ao Oscar de Melhor Filme Internacional chegou ao fim no dia 1 de novembro.   Entre algumas surpresas e outros candidatos já esperados, chegou a hora de apontar quem chega forte para disputa e, claro, analisar a situação...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Woody Allen

O Woody Allen compareceu apenas uma vez à cerimônia do Oscar: foi em 2002 para introduzir um curta de Nora Ephron sobre os filmes rodados em Nova York, cidade que se recuperava dos traumáticos atentados de 11 de setembro do ano anterior.  Apesar de nunca aparecer nas...

Oscar 2022 de Melhor Atriz Coadjuvante: Previsões Iniciais

De Judi Dench a Kirsten Dunst, Caio Pimenta apresenta a lista de candidatos ao Oscar 2022 de Melhor Atriz Coadjuvante. CHANCES MÍNIMAS Como sempre, eu inicio pelas candidatas com quase nenhuma chance na disputa. A turma inclui nomes gigantes de Hollywood. Apesar de...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Tom Hanks

De “Quero Ser Grande” a “Um Lindo Dia na Vizinhança”, Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Tom Hanks no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=BLCxS2aVHX8 6. O RESGATE DO SOLDADO RYAN Para você ver o nível do Tom Hanks, a indicação vinda da...