Após toda popularidade da primeira e segunda parte de ‘La Casa de Papel’ na Netflix, a série volta ao streaming com altas expectativas por parte do público. Novamente, os personagens carismáticos se escondem atrás das máscaras de Salvador Dalí para realizar um assalto, porém, além disso, o sucesso espanhol também repete diversos erros do passado como as justificativas fáceis e o esquecimento de tramas e personagens. 

Desta vez, Rio (Miguel Herrán) é capturado pela polícia, obrigando Tóquio (Úrsula Corberó) a contatar o Professor (Álvaro Morte) para salvá-lo. O líder do grupo decide então realizar um assalto ao Banco da Espanha, um alvo teoricamente mais difícil que a Casa da Moeda, roubo anterior do bando. Assim, Denver (Jaime Lorente), Nairóbi (Alba Flores), Helsinque (Darko Peric) e Estocolmo (Esther Acebo) se juntam aos novos integrantes do grupo, Bogotá (Hovik Keuchkerian), Palermo (Rodrigo De la Serna) e Marselha (Luka Peros), para executar o plano. 

Para o bem ou para o mal, esta terceira parte, com grande influência direta da própria Netflix, reflete em uma certa “americanização” de “La Casa de Papel”. De certa forma, a interferência do streaming resulta negativamente em um principal detalhe: a trilha sonora. Diversas músicas americanas são colocadas insistentemente nos episódios, sendo, em muitos momentos, desnecessárias e servindo para uma questão de estilo apenas – sem contar que todos queremos ouvir realmente Bella Ciao. 

Por outro lado, o aumento no orçamento permitiu a inserção de diferentes cenários bem aproveitados durante os episódios. Da mesma forma, a volta de todo antigo elenco também é um grande benefício, pois, a maioria da trama consegue avançar graças ao carisma do grupo, igualmente responsável por manter o interesse do público constante durante os oito episódios. 

Além do elenco repetido, “La Casa de Papel” também reforça bastante a ideia de resistência nesta terceira parte. Este termo sempre utilizado pelo Professor novamente volta ao seu discurso contra o sistema, principalmente, quando o governo dá o famoso chá de sumiço em Rio sem apresentar notícias. Desta vez, a produção investe mais em cenas que representem este embate direto entre o sistema governamental e a população com momentos de protestos e manifestações. 

VELHOS ERROS NOVAMENTE

Entretanto, não são somente as coisas boas que se repetem. Novamente, “La Casa de Papel” exige uma grande suspensão da descrença do público ao apresentar diversas justificativas e saídas fáceis aos problemas inseridos, ou seja, é preciso que o espectador ignore diversas circunstâncias contraditórias para o bem da narrativa, pois esta não apresenta uma história verdadeiramente bem escrita. 

Outra situação é a insistência em contar a história por meio de flashbacks, o que ocorre de forma mais natural desta vez, porém, ainda assim apresenta dificuldades em se encaixar tais momentos nos episódios, considerando toda a nova trama decorrente. Isto também implica na falta de coragem do seriado em se despedir de personagens já que grande parte das histórias antigas retratam Berlim (Pedro Alonso), o qual morreu na última temporada, sendo assim uma forma de prosseguir com sua presença (até mesmo sua personalidade sobrevive por meio de Palermo). 

Esta covardia em abandonar personagens também é notória em dois momentos diferentes da trama, quando a série teve a oportunidade de matar Rio e Denver. Ao invés de se despedir de ambos, “La Casa de Papel” prefere seguir em frente, guardando este recurso para os acontecimentos finais da terceira parte. Assim, momentos que poderiam ser decisivos para a trama se tornam apenas situações interessantes de serem vistas. 

Apesar de não apresentar tantas novidades em sua narrativa, ‘La Casa de Papel’ consegue se sobressair ao continuar explorando a boa dinâmica entre seus personagens. Isto somado a um plano impossível garante mais uma boa maratona da Netflix, porém, é difícil acreditar que somente as repetições positivas da série consigam ser suficientes para manter a produção no ar durante novas temporadas, principalmente com tantos problemas decorrentes. 

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 8: revolução eletrizante

As pessoas a bordo do Snowpiercer acreditam no mito de um salvador: o homem que criou o trem, Wilford, e salvou uma parte da raça humana quando o congelamento do planeta se tornou realidade. Isso é algo muito poderoso. A humanidade tem, sim, uma necessidade por mitos,...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 7: tensão e ansiedade ao máximo

ATENÇÃO: texto com spoilers Depois da emergência quase catastrófica do episódio anterior e do seu final apoteótico que representou um breve momento de felicidade para quase todos os personagens a bordo do Snowpiercer, as coisas voltam a ficar sérias e sombrias em “O...

Por que ‘Dark’ se tornou a melhor série da Netflix?

Recentemente, uma pesquisa feita no Rotten Tomatoes elegeu Dark como a melhor série original Netflix. A produção criada por Baran Bo Odar e Jantje Friese interliga quatro famílias da pequena cidade de Winden por meio de laços temporais e consanguíneos e segredos....

‘Dark’ – 3ª Temporada: verdadeira definição de um final agridoce

“Se a gente soubesse onde nossas decisões nos levariam, a gente mudaria o nosso destino?” Para onde nossas escolhas nos levam? Dark fecha o seu último ciclo se consagrando como a melhor produção da Netflix. Criada por Baran Bo Odar, que assume a direção de todos os...

‘Coisa Mais Linda’ – 2ª Temporada: a melhor série brasileira da Netflix

Também conhecida como uma das melhores séries brasileiras da Netflix, ‘Coisa Mais Linda’ voltou para uma segunda temporada tão satisfatória quanto a anterior. Apesar das grandes qualidades serem mantidas, desta vez, a narrativa corrida atrapalha a conexão do público...

‘Expresso do Amanhã’: Episódio 6 – alegria e união momentânea em meio ao caos

Em “Expresso do Amanhã”, o mundo do lado de fora do Snowpiercer pode estar congelado, mas o clima a bordo do trem volta a esquentar neste sexto episódio da temporada, “De onde menos se espera...”. Mas é um calor só superficial... É um episódio curioso da série, no...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 5: luta de classes até no fim do mundo

Depois de 2020, vou pensar duas vezes antes de reclamar quando roteiristas de Hollywood inventarem de fazer seus personagens se comportarem de forma ilógica ou irracional frente a um cenário apocalíptico. Em outro bom episódio de Expresso do Amanhã, intitulado “A...

‘Reality Z’: padrão Netflix tira brasilidade de série fraca

Em minha opinião, um dos aspectos mais positivos da Netflix, desde que o serviço de streaming se popularizou e basicamente mudou a maneira como nos relacionamos com a produção audiovisual, é o fato de ele ser uma vitrine global, nos dando acesso a filmes, seriados e...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 4: reviravoltas reenergizam série

Depois de muita preparação num episódio desanimador na semana anterior, Expresso do Amanhã pisa no acelerador da temporada nesta semana com “Sem Seu Criador”. O resultado é um episódio envolvente e que encerra uma história, aparentemente, e inicia outra, mais...

‘Space Force’: nem tão empolgante e engraçado como prometido

‘Space Force’ já surgiu com altas expectativas. Primeiro por reunir Greg Daniels e Steve Carell, dupla vinda da premiada ‘The Office’. Segundo por contar com nomes conhecidos e queridos do público como Lisa Kudrow e John Malkovich. Para completar, seria um alívio...