Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, Silêncio, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas violentas. Com três horas e meia, é o filme mais longo da carreira do célebre cineasta, mas com o vigor e a técnica em cena, o tempo voa.

Quase todo drama de máfia acaba sendo comparado com outro filme de Scorsese: “Os Bons Companheiros“, clássico absoluto do gênero. Ao escalar Robert de Niro e Joe Pesci em papéis principais, “O Irlandês” se presta facilmente a essa comparação, mas o ponto de vista aqui é completamente distinto – de certa forma, eles são lados opostos da mesma moeda.

O irlandês do título é Frank Sheeran (De Niro), que, velho e preso a uma cadeira de rodas, relembra a sua vida de matador para o clã mafioso comandado por Russell Bufalino (Pesci), no noroeste dos Estados Unidos. A serviço do grupo, ele se tornou o ponto de contato entre os mafiosos e o líder sindical Jimmy Hoffa (Al Pacino), com quem desenvolve uma forte amizade. Eventualmente, os interesses da máfia e de Hoffa divergem, colocando Sheeran num dilema.

Só esse conflito já daria um filme, mas o roteiro de Steven Zaillian – baseado no livro de não-ficção do promotor Charles Brandt, que colheu diversos depoimentos de Sheeran – está mais interessado em fazer um retrato macroscópico da vida no crime e de como o tempo eventualmente consome tudo, não deixando nada além de mágoa e arrependimento em seu rastro.

 HUMOR, CGI, GIGANTES DA ATUAÇÃO: OS PONTOS ALTOS

Por conta disso, o longa tem um ritmo muito mais lento que o esperado de um feito por Scorsese. No entanto, ele confirma um talento do diretor que não costuma receber muito alarde: seu timing cômico impecável. Na medida em que o ponto de vista principal é o de um matador em seus últimos dias, ele lembra com humor das execuções e das brigas entre mafiosos, na ciência de que todas as pessoas que conheceu estão mortas e que nada pode ser feito contra ele.

De Niro, Pesci e Pacino estão impecáveis, ainda que a tecnologia que os rejuvenesceu e permitiu que interpretassem seus papeis durante todo o período da história (por volta de 50 anos) chegue a distrair nos primeiros minutos de flashback. No entanto, passada a sensação de estranhamento, é possível apreciar o trabalho do departamento de efeitos visuais – um dos mais impressionantes desde o oscarizado “As Aventuras de Pi”, de Ang Lee.

A despeito da técnica, as camadas de CGI não seriam nada sem o peso da experiência que os artistas trazem para o filme. Tanto Scorsese e seu trio de atores principais já ultrapassaram os 75 anos e é através desse prisma que a máfia é vista em “O Irlandês” – o prisma de quem sabe que nem todo o dinheiro nem todo o sangue do mundo prepara alguém para o fim.

‘Instinct’: desejo sexual gera jogo arriscado em suspense holandês

Como qualquer estudioso de Freud pode afirmar, tesão pode ser algo complicado. Em "Instinct", estreia da atriz Halina Reijn na direção, uma nefasta atração dentro de um presídio explora os limites entre desejo e razão. Ancorado em uma atuação corajosa de Carice van...

‘O Irlandês’: o peso da violência em obra-prima de Martin Scorsese

Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, “Silêncio”, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas...

‘A Hidden Life’: teste de fé e paciência no cinema de Terrence Malick

Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados - depois do experimentos com...

‘Ema’: Pablo Larraín mexe com a cabeça do público em filme indomável

"Ema", novo filme de Pablo Larraín ("Jackie") exibido no Festival de Londres, começa em chamas - uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro - o drama histórico -, o...

‘Dois Papas’: Anthony Hopkins e Jonathan Pryce em atuações abençoadas

Um retrato bem-humorado de duas personalidades mundialmente conhecidas, "Dois Papas" é um show de atuação à moda antiga que se tornou um inesperado sucesso de público nos festivais de Telluride, onde estreou, e Toronto. O longa, também exibido no Festival de Londres,...

‘Entre Facas e Segredos’: Rian Johnson retorna às raízes em grande comédia

O que você faz depois de abalar as estruturas de uma das maiores franquias cinematográficas da história? Pois Rian Johnson resolveu voltar às origens. “Entre Facas e Segredos”, seu primeiro filme desde “Star Wars: Os Últimos Jedi”, é uma comédia sensacional que remete...

‘A Beautiful Day in the Neighbourhood’: além dos limites do burocrático

O estado atual da indústria cinematográfica permite engraçados paralelos. De um lado, temos filmes que imploram a tela grande sendo produzidos por empresas de streaming, como “Roma”, de Alfonso Cuáron, ou o “Suspiria” de Luca Guadagnino. Por outro, há projetos como...

‘Wasp Network’: Olivier Assayas derrapa em suspense sem rumo certo

"Wasp Network" não é o inferno, mas está cheio de boas intenções. A trama real dos Cinco Cubanos, que espionaram em prol da terra natal em pleno solo americano, rende um thriller implacável. Infelizmente, ele continua na promessa. O novo longa de Olivier Assayas,...

‘O Farol’: horror brota da solidão em ótimo terror de Robert Eggers

Na sua carreira até agora, o diretor Robert Eggers tem se mostrado um grande explorador do poder de isolamento. Se seu filme anterior, "A Bruxa", almejava observar como o puritanismo religioso atuava na mente de pessoas longe da civilização, em "O Farol", seu novo...

‘Histórias de um Casamento’: os dolorosos detalhes do fim de um casal

O mais difícil de “Histórias de um Casamento” é saber lidar com o quão engraçado ele é. Não se engane: essa é uma história devastadora sobre um divórcio e a subsequente batalha judicial dos ex-cônjuges. Porém, a delicadeza com que o diretor-roteirista...