Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada mais natural para longas de estados ainda em um processo de construção de sua identidade audiovisual e para cineastas realizadas seu primeiro longa-metragem como é o caso aqui de Fernando Segtowick. 

“O Reflexo do Lago” mostra a vida de comunidades ribeirinhas localizadas próximas da hidrelétrica de Tucuruí, no Pará. A obra acompanha a trajetória da equipe marcada por longas distâncias feitas pelos rios da região e por terra, à pé, enquanto conversam com os moradores locais para saber sobre a realidade deles sem energia elétrica sempre observando pequeno detalhes das vidas deles. 

Seria o caminho mais óbvio que Segtowick, experiente produtor paraense com cinco curtas e três séries documentais na carreira, colocasse todo o foco do documentário em registrar o impacto ambiental da hidrelétrica no meio ambiente e na vida daquelas pessoas permeando tudo com depoimentos de pesquisadores, cientistas e sociólogos. Porém, o diretor utiliza “O Reflexo do Lago” para ir além e trabalhar a questão do fazer cinema na Amazônia, um cinema feito por pessoas da região a partir de suas vivências, longe de um olhar doutrinador e exótico.  

Desta forma, a própria equipe surge em cena por diversos momentos se deslocando com os equipamentos no meio da floresta e nos barcos, além aparecer durante a entrevista com os ribeirinhos. A proposta quase metalinguística, porém, soa incompleta, pois, apesar da presença constante de Segtowick, o documentário não abraça totalmente essa vertente sobre filmar a Amazônia, limitando-se mais aos aspectos desafiadores da viagem e das distâncias.  

AMAZÔNIA GIGANTESCA E INTIMISTA

Essa indecisão de não abraçar o debate sobre filmar a Amazônia como foco de “O Reflexo do Lago” deixa o documentário em um caminho incerto. Ora parece ir rumo à vida daqueles ribeirinhos registrando seus cotidianos extraindo a simplicidade singela daquelas pessoas – ouvir relatos como os oito anos de ‘experiência’ de uma senhora antes de casar traz ecos de Guimarães Rosa -, ora adota uma linha política de confronto ao discurso ambientalista do governo federal ao denunciar os crimes ecológicos cometidos para a instalação da hidrelétrica na época da ditatura militar, ora volta ao caráter de metalinguagem. Essas construções quando se mesclam soam, em sua maioria, desconjuntadas com uma tirando a atenção da outra como nas sequências em que Segtowick se intromete em uma conversa de três ribeirinhos para pedir uma entrevista ou na forçada construção da cena em que o jornalista Lúcio Flávio Pinto aparece no documentário.  

Ainda assim, o filme conta com qualidades capazes de deixar qualquer problema em segundo plano, especialmente, nas lentes do diretor de fotografia Thiago Pelaes: poucas vezes, a Amazônia conseguiu nos cinemas ser, ao mesmo tempo, tão gigantesca como intimista. O senso de observação das nuances e dos traços dos rostos dos ribeirinhos ganham contornos solitários, melancólicos e resistentes daquelas pessoas ao abandono sistêmico do Estado e da população brasileira. A montagem de “O Reflexo do Lago” também merece destaque pela forma como respeita o tempo mais dilatado e menos urgente da Amazônia, traduzindo um ritmo contemplativo ainda que não provoque cansaço ao público que assiste ao longa.  

Pelas imagens belíssimas e ser um olhar tão rico, é uma pena que “O Reflexo do Lago” fique no meio do caminho: uma obra com potencialidades claras, mas, sem explorá-las ao máximo. 

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...

‘The Boys in the Band’: leveza para abordar assuntos sérios

Dirigido por Joe Mantello (“Entre Amigos”), “The Boys in the Band”, disponível na Netflix, é mais um daqueles filmes que segue a linha verborrágica. Baseada na peça da Broadway de mesmo nome, a produção conta com um elenco estelar e assumidamente gay para narrar uma...

‘Cavalo’: resistência negra em potente obra alagoana

Para quem vive em Estados periféricos relegados constantemente ao segundo plano no contexto nacional, certas conquistas abrem portas consideradas impossíveis em um passado não tão distante. Em relação ao cinema nacional, a política de regionalização do nosso cinema...

‘Nardjes A.’: documentário se deixa levar pela empolgação de protestos de rua

Não há como não lembrar dos movimentos de rua daquele Brasil de junho de 2013 ao assistir “Nardjes A.”. Afinal, as imagens de ruas tomadas de manifestantes jovens com gritos de indignação e a sensação de esperança de que estavam lutando pelo futuro melhor de seu país...