Desde que me entendo por gente a frase “baseado em fatos reais” sempre foi um atrativo na divulgação de filmes como forma de chamar atenção do público. No entanto, esta expressão também carrega uma grande responsabilidade sobre a veracidade dos fatos dramatizados, o que, por vezes, é deixado de lado na intenção de uma trama mais efusiva. Para o bem ou para o mal, ‘O Relatório’ consegue cumprir o papel de apresentar uma história muito próxima da realidade, mesmo quase esquecendo possuir elementos narrativos da ficção, tornando-se praticamente um documentário.

Como produtor, roteirista e diretor, Scott Z. Burns (roteirista de “Terapia de Risco”, “Contágio” e “A Lavanderia”) apresenta os bastidores da investigação sobre o Programa de Detenção e Interrogatório da CIA, criado após os atentados de 11 de setembro. Encarregado pela criação do relatório investigativo, Daniel Jones (Adam Driver), descobre o uso de tortura pela CIA em suspeitos de terem ligações com o grupo de Osama Bin Laden, passando a lutar juntamente com a senadora Dianne Feinstein (Annette Bening) para que o documento seja publicado.

Com este forte argumento histórico, Burns consegue criar uma trama compreensiva ao apresentar a visão de diferentes partes envolvidas. Recursos como a datação dos acontecimentos são utilizados de forma bem inteligente para ajudar neste entendimento. Por outro lado, a utilização de flashbacks como dramatização dos abusos cometidos pela CIA lembram muito o recurso utilizado por documentários, principalmente devido a inserção de um filtro específico.

INVESTIGAÇÃO ACIMA DOS PERSONAGENS

Deixando a narrativa ainda mais longe do ficcional, o diretor escolhe por se distanciar da vida pessoal de seus personagens. As cenas com Adam Driver e Annette Bening juntos são ótimas, mas sozinho Driver luta para manter o interesse em sua história já que praticamente nada sobre seu personagem é abordado.

Apesar desta escolha em não aprofundar personagens ter sido feita em detrimento da investigação ser a protagonista do filme, é difícil acompanhar Daniel em sua luta por ser revelado pouco dele. Ao final do longa, não sabemos se ele tem tais reações por ser um idealista, por buscar justiça ou porque era simplesmente seu trabalho de anos.

Como o protagonista sofre com a falta de densidade, os personagens secundários são realmente negligenciados. Do lado da CIA isto fica evidente: alguns rostos familiares nem possuem o nome citado, mas Burns faz questão de deixar claro que são antagonistas pelas ações negativas que provocam. Infelizmente, essa falta de proximidade com os personagens deixa boas performances passarem quase despercebidas como a participação de Jennifer Morrison no último ato.

PROXIMIDADE COM O DOCUMENTAL

Além da ótima recriação dos fatos, outro grande mérito do longa é destacar as diferenças ideológicas sobre as ações da CIA. O atentado do 11 de setembro sempre foi e será um dos episódios mais marcantes da história americana e seus efeitos são múltiplos, principalmente sobre o tratamento a pessoas do Oriente Médio, o que se estende desde cargos políticos até o dia a dia. Assim, o longa é corajoso o suficiente para abordar essa delicada questão.

Se fosse assumidamente um documentário, ‘O Relatório’ seria um filme essencialmente bem feito e brilhante, entretanto, como ficção baseada em fatos reais, ainda lhe faltou aproveitar melhor todos os recursos disponíveis para seu desenvolvimento. Apesar disso, sua proposta é mantida fielmente de forma muito próxima do real, o que lhe rende grandes méritos e a posição como um filme extremamente necessário.

‘O Escândalo’: grande elenco não salva falta de comprometimento do filme

Em um filme baseado em fatos reais, muitas vezes, o grande segredo é tornar sua história inteligível ao espectador. Nesta tentativa, recursos que buscam dinamizar a trama são fortemente adotados: narração em off, quebra da quarta parede e até mesmo animação ou texto...

‘Judy’: Renée Zellweger brilha, mas filme não faz justiça a Judy Garland

Judy Garland merecia mais. Não muito diferente do gosto amargo que “Bohemian Rhapsody” deixou no ano passado, “Judy”, de Rupert Goold, é mais um exemplar para a extensa lista de biopics carregadas de cenas prontas para serem exibidas na cerimônia do Oscar e sem a...

‘1917’: o vazio de um belo espetáculo visual

“Não temos tempo a perder”, diz Blake (Dean-Charles Chapman) para o amigo Schofield (George MacKay), companheiro da missão de salvar 1600 soldados britânicos de uma armadilha dos alemães no dia 6 de abril de 1917 durante a Primeira Guerra Mundial. Isso tudo em pouco...

‘Retrato de uma Jovem em Chamas’: desejo, olhar e memória em ode à feminilidade

Retrato de uma Jovem em Chamas tem um jeito muito especial para falar sobre sua história de amor. A diretora francesa Céline Sciamma constrói sua obra a partir de três conceitos principais para discutir o amor e a paixão: o olhar – a ideia matriz que rege a essência...

‘O Barato de Iacanga’: declaração de amor à música brasileira

Há 51 anos atrás, um festival de música sem maiores pretensões além de vender ingressos e reunir o creme do que era jovem e moderno ganhou as proporções de um evento transformador na história. Woodstock, imortalizado em filme em Woodstock: Três Dias de Paz, Amor e...

‘Frozen 2’: repetitivo, sequência não empolga igual filme original

Desde crianças, Elza e Ana demonstram perspectivas opostas: enquanto a primeira acredita que uma mulher sozinha poderia salvar a floresta, a caçula está presa à figura do príncipe salvador. Apesar dessas diferenças, a relação entre elas segue sendo o elo principal de...

‘Synonymes’: fuga errante das próprias raízes gera drama intrigante

Dirigido por Nadav Lapid, “Synonymes”, ganhador do Urso de Ouro do Festival de Berlim 2019, surge como um olhar interessante sobre a nacionalidade e suas raízes. O filme começa com Yoav (Tom Mercier), um jovem israelense que se auto-exila em Paris para fugir do...

‘Ameaça Profunda’: clone de ‘Alien’ mantém maldição de janeiro

Ah, janeiro...   Caro leitor, você não sente uma preguiça no comecinho de janeiro, como se o ano demorasse um pouco para engrenar depois das celebrações de dezembro? Eu sinto. E Hollywood também sente, pelo visto. O que vemos estrear no começo do ano, geralmente? Ora,...

‘Adoráveis Mulheres’: versão moderna perde algo de sua alma

Adiar a leitura do último capítulo daquele livro que você tanto gostou de acompanhar. Enveredar os caminhos de novas séries no serviço de streaming enquanto o finale daquela que você assistiu por anos aguarda na lista de espera. Guardar o download daquele filme...

‘O Caso Richard Jewell’: o modus operandi da truculência do Estado

‘O Estado me mete mais medo do que terroristas’.  A frase no canto inferior esquerdo de um quadro pendurado na parede do advogado Watson Bryant (Sam Rockwell) sintetiza “O Caso Richard Jewell”. O novo filme de Clint Eastwood articula melhor a proposta pautada em...