A Lavanderia, da Netflix, é um daqueles filmes “de tema”, e um assunto chato ainda por cima (embora importante): o pano de fundo verídico da nova parceria do diretor Steven Soderbergh e do roteirista Scott Z. Burns é o escândalo dos “Panama Papers” que sacudiu o mundo há alguns anos, quando foram revelados documentos da firma Mossack Fonseca detalhando as operações “por baixo do pano” de milhares de empresas situadas em paraísos fiscais. Foi quando ficou claro algo que já se sabia por senso comum: políticos safados do mundo inteiro (inclusive do nosso querido Brasil sil sil); traficantes de drogas, armas e seres humanos; ditadores… Todos conduziam seus “negócios” tranquilamente graças à proteção desses paraísos fiscais offshore. Por “negócios”, entenda-se lavagem de dinheiro, propinas e crimes fiscais.

O filme já se inicia num momento de humor, com Gary Oldman e Antonio Banderas representando os dois sócios da Mossack Fonseca e se dirigindo à câmera, numa quebra da quarta parede, enquanto começam a explicar o sistema financeiro que tornou possível as suas “operações”. Esse é o tom do filme, e Soderbergh e Burns tentam tornar esse assunto mais acessível com sátira, um elenco fabuloso e um tom cínico. Mas seus esforços só conseguem ir até certo ponto, devido a algumas opções narrativas estranhas. A Lavanderia até tem bons momentos, mas no geral é apenas mediano e meio esquecível.

Baseado no livro do autor Jake Bernstein que pesquisou em detalhes a revelação do escândalo, “A Lavanderia” une fato e ficção ao se concentrar na personagem fictícia vivida pela estrela Meryl Streep. Ela interpreta Ellen, uma simpática senhora que perde o marido num acidente de navio e descobre uma fraude da companhia de seguro que torna inviável a sua compensação. Esse é o fio do novelo que, quando puxado, revela a cadeia de corrupção mundial que remonta à tal firma de advocacia Mossack Fonseca.

Esse segmento com a personagem Ellen é a melhor parte do filme. Mas com o tempo, a estratégia de Burns e Soderbergh se revela, e A Lavanderia meio que se transforma numa nova versão de um dos filmes anteriores da dupla, o suspense Contágio (2011), pulando entre vários países e personagens diferentes para mostrar o painel amplo do problema. A Lavanderia é Contágio, trocando o vírus mortal por corrupção e fraude no sistema financeiro, e trocando o suspense pela sátira. É uma abordagem adequada para o projeto? Até é, mas ela também acaba deixando este filme meio sem centro, como uma espécie de sucessão de vinhetas mal conectadas – um problema do qual Contágio, aliás, não sofria.

DISTRAÇÕES E MAIS DISTRAÇÕES

A certa altura da narrativa, Meryl passa a viver outra personagem, sob maquiagem, peruca e um figurino diferente. Ela até faz uma composição divertida: é a Meryl Streep afinal… mas qual é mesmo o propósito dessa opção que acaba tirando o espectador do filme? Se fosse outra atriz, Soderbergh teria feito isso? E como o filme fica com um aspecto episódico, alguns segmentos acabam sendo melhores do que outros. Um bem tenso e divertido envolve o ditador africano e sua tentativa de subornar a própria filha para abafar um constrangimento familiar. Esse se configura quase como um bom “minifilme” dentro da obra principal. Já o segmento na China perto do final é chato e se estende além da conta.

E, claro, sendo um filme de Steven Soderbergh, ele pode se dar ao luxo de escalar quem quiser até em papeis sem muito estofo: em A Lavanderia, Sharon Stone aparece como uma corretora imobiliária, um trabalho que poderia ter sido feito por qualquer atriz acostumada a pontas num seriado de segundo escalão. Outras figuras conhecidas como David Schwimmer de Friends, Will Forte e Jefrrey Wright dão as caras, sem precisar se esforçar muito. Com certeza, esses nomes foram atraídos pelo “tema”, além do diretor, mas algumas dessas aparições acabam distraindo, ao invés de servir à experiência.

E ao final, Soderbergh e Burns abandonam a sátira, o cinismo e a sutileza para escancarar de vez a demolição da quarta parede, ao fazer Meryl Streep se dirigir diretamente ao público, dizendo como deveríamos nos sentir após testemunhar toda essa safadeza – O desfecho do filme ainda traz uma participação muito especial do Brasil ao citar a nossa infame empreiteira Odebrecht, e sabemos onde isso levou… A Lavanderia até consegue trazer um pouco de diversão e reflexão, caso o espectador procure isso numa noite de tédio na Netflix. Mas, pelo talento envolvido e pelo tamanho do “tema”, é pouco, e ainda cai na tentação de querer “pregar” para o espectador nos minutos finais.  Pensando bem, não é à toa que os realizadores do filme colocam Meryl Streep para tentar nos indignar ao final de A Lavanderia: ela faz isso melhor do que o filme inteiro.

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...