Terapia de casal: essa é a tônica de boa parte da terceira e nova temporada de Ozark, a série de suspense da Netflix sobre uma família criminosa forçada a se virar ao ser cooptada por um cartel mexicano do narcotráfico.  Durante boa parte dos episódios, vemos Marty e Wendy Byrde, vividos pelos impecáveis Jason Bateman e Laura Linney, “discutindo a relação” em frente à terapeuta e discordando do curso das atividades criminosas. Coisas típicas de casal.

Esta terceira temporada se passa seis meses depois da segunda – isso é perceptível até pela espichada do jovem ator Skylar Gaertner, que faz o filho dos Byrdes. Desde que os Byrdes conseguiram instaurar o seu cassino à beira do rio nas regiões montanhosas das Ozarks, a tensão se intensificou ao invés de diminuir. O desconfiado Marty quer manter a operação de lavagem de dinheiro como está, sem chamar a atenção. Já Wendy tem um plano meio arriscado para legitimizar o negócio e salvar a família do rolo em que se meteram. Uma guerra entre os cartéis, uma agente do FBI incorruptível e a chegada do irmão de Wendy, Ben (Tom Pelphrey, de Punho de Ferro) fazem com que o cerco se feche ao redor dos Byrdes e levam a relação do casal ao limite durante a maior parte destes novos episódios.

LEIA TAMBÉM: CRÍTICA DA PRIMEIRA TEMPORADA

Bem, podem-se falar várias coisas sobre a série, mas não se pode dizer que os produtores e roteiristas de Ozark não têm confiança no que estão fazendo. O estilo da série permanece o mesmo: aquele clima frio e visual azulado na cinematografia; episódios longos, às vezes até mais do que precisavam ser; sem espaço para humor. A essa altura, a série já se encontra consolidada, visual e tematicamente. Os atores também: de novo, por mais que Bateman e Linney sejam os astros e chamarizes para o público, quem rouba a cena é a jovem Julia Garner como Ruth – vencedora do Emmy pelo papel. Cínica, durona e xingando mais do que o Samuel L. Jackson num filme de Tarantino, a jovem atriz comanda todas as suas cenas e aumenta a tensão, intensificando o temperamento e, de vez em quando, a imprevisibilidade da sua personagem.

O que não significa que os roteiristas não possam lançar surpresas para o espectador. Por exemplo, depois da segunda temporada pareceria que a personagem Darlene (Lisa Emery) não teria mais função na série. Pois nesta temporada, os roteiros encontram um lugar para ela, bem imprevisível, e que se adequa tematicamente a uma noção presente nestes episódios: as mulheres – Ruth, Darlene, Wendy e a sombria Helen, a “advogada” do cartel vivida por Janet McTeer – é que dão as cartas, e apesar dos homens, se mostram mais frias e calculistas, melhores criminosas do que eles.

Dentre os personagens masculinos, o destaque mesmo acaba sendo Pelphrey, que cria um retrato sensível de uma pessoa com transtorno bipolar. A atuação dele é boa o bastante para nos fazer ignorar o fato desse irmão da Wendy não ter sido mencionado antes – um velho truque da TV, o parente desconhecido que aparece do nada.

LONGE DE SER A GRANDE SÉRIE QUE PODERIA

Por causa dessas qualidades, é uma pena que vez ou outra os roteiristas deem umas derrapadas. Por exemplo, a certa altura da temporada, Marty é sequestrado pelo cartel e torturado de um modo “existencialista”: o chefão do narcotráfico só pergunta “o que ele quer”. E o trauma dessa experiência é esquecido já no episódio seguinte… A terapeuta do casal, vivida pela ótima Marylouise Burke, é um achado… Até que os roteiristas decidem, para mover a trama, fazer com que ela aja de forma irresponsável e comece a atrair atenção para si mesma. E o Ben… entendemos a bipolaridade, mas o nono episódio o personagem força um pouco a barra para gerar tensão e drama para a Wendy.

LEIA TAMBÉM: CRÍTICA DA SEGUNDA TEMPORADA

A essa altura, quando uma série chega à sua terceira temporada, suas qualidades, assim como seus defeitos, já estão enraizados. Pelo talento reunido, Ozark poderia – e deveria – ser uma grande série. A essa altura, já podemos perceber que nunca será. Mas é uma boa série, ocasionalmente chega a ser ótima, com um elenco fenomenal e personagens interessantes o suficiente para nos manter assistindo. Os protagonistas Wendy e Marty são dois seres humanos terríveis, e continuam a espalhar sua influência como um vírus, mas sentimos empatia porque no universo ao seu redor, existem piores. E às vezes, até nos pegamos torcendo pelos coadjuvantes mais do que pelos principais.

A resolução definitiva da situação do casal e da família fica para a próxima temporada, que promete um domínio ainda maior das personagens femininas e mais tensão e intriga. De minha parte, estou curioso para continuar assistindo, e isso não deixa de ser uma marca da nossa “era de ouro” atual da TV norte-americana: Ozark pertence à “série B” dos seriados, mas isso não significa que não entretenha ou não envolva. Muito pelo contrário.

‘Space Force’: nem tão empolgante e engraçado como prometido

‘Space Force’ já surgiu com altas expectativas. Primeiro por reunir Greg Daniels e Steve Carell, dupla vinda da premiada ‘The Office’. Segundo por contar com nomes conhecidos e queridos do público como Lisa Kudrow e John Malkovich. Para completar, seria um alívio...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 3: limitações começam a aparecer

Bem... Não demorou muito, não é? Depois de dois interessantes episódios iniciais, este terceiro de Expresso do Amanhã já começa a expor um pouco mais das limitações do seriado e do enfoque planejado pelos produtores desta adaptação. Neste episódio, já temos uma...

‘Boto – Episódios 4 e 5’: ou pode chamar de ‘Aquela Estrada 2’

“Aquela Estrada” é o mais bem-sucedido curta-metragem do coletivo Artrupe Produções Artísticas. Dirigida por Rafael Ramos, a produção circulou por festivais nacionais importantes como o Mix Brasil, Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e Goiânia...

‘Little Fires Everywhere’: clichês de novela atrapalham bom material

Existe uma bela história sobre feminilidade, privilégios e o problema racial nos Estados Unidos dentro de Little Fires Everywhere (“Pequenos Incêndios por Toda Parte”), minissérie da ABC Signature disponível aqui pelo Amazon Prime Service... Pena que essa história às...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódios 1 e 2: início promissor

Vivemos numa época curiosa, mesmo... Chegou à Netflix a série de ficção-científica Expresso do Amanhã, baseada no sensacional filme de 2013 dirigido por Bong Joon-Ho, que por sua vez era baseada na HQ francesa Le Transperceneige, publicada nos anos 1980 pelos autores...

‘The Eddy’: jazz sem ritmo e arrastado sufoca minissérie

The Eddy, a minissérie da Netflix sobre o submundo de Paris visto pelos olhos dos músicos do clube de jazz do título, tem muitas qualidades a seu favor. Tem um ótimo elenco: André Holland de Moonlight (2016), Joanna Kulig, de Guerra Fria (2018) e Tahar Rahim de O...

‘Hollywood’: Ryan Murphy entre erros e acertos

Aclamado pela crítica e público, Ryan Murphy provou ao longo de 10 anos que o sucesso de ‘Glee’ não foi ocasional. Além de colecionar Emmys e espectadores fiéis, o showrunner também deixou seu estilo de narrativa marcado nas séries e ‘Hollywood’ consolida este cenário...

‘Westworld’ – 3ª Temporada: fantasma da decepção de ‘GoT’ ronda série

Os estragos da última temporada de “Game of Thrones” ainda podem ser sentidos. Enquanto alguns abandonaram o mundo das séries sem data para retorno, outros se tornaram céticos em relação ao destino de suas produções queridas. Esse último posicionamento desperta...

‘Better Call Saul’ – Episódio 5×10: clímax de uma fantástica temporada

Pensamos que conhecemos as pessoas... E as séries. Pensamos, ao ver esta quinta temporada de Better Call Saul, que a transformação de Jimmy McGill para Saul Goodman, como o conhecemos em Breaking Bad, já estava encaminhada, até mesmo definida. No entanto, as pessoas,...

‘Better Call Saul’ – Episódio 5×09: preparação para reta final da temporada

“Nós fazemos escolhas, e elas nos colocam num caminho. Às vezes elas são pequenas, e ainda assim nos colocam no caminho”, diz Mike numa cena deste nono episódio da quinta temporada de Better Call Saul, “Estradas de Más Escolhas”. Mike e Jimmy saem do deserto no começo...