As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm ganhado espaço e tornam-se um canal para compreensão da vida de pessoas LGBTQ+. A série amazonense “Transviar” é a mais nova obra sobre o assunto.

Criada por Elen Linth e Riane Nascimento e produzida pela Eparrêi Filmes, “Transviar” acompanha o processo de transição de Pedro (Bernardo de Assis), homem transexual, focando em como o personagem e sua família lidam com a situação. A trama se debruça em contar como cada um dos personagens assimila toda a situação: enquanto a avó Lindalva (Maria Jacob) e o filho Lucas (Levi Kauã) encaram com naturalidade, o irmão machista (Tiago Querino) e a mãe evangélica (Acácia Mié) se mostram resistentes e em estado de negação. Cabe a Miguel (Paulo Queiroz), o esposo de Pedro, ser o personagem que apresenta maior dubiedade nesse processo.

“Transviar” adota um tom sério e detalhista, o que depõe a favor do cenário realista ao qual o projeto se propõe. Parte dessa ambientação se deve, também, à vivência do trio de atores: Assis, Maria do Rio e Thiago Costa.

Excessos de personagens e subtramas

A obra levanta temas contemporâneos pertinentes como a violência doméstica, abandono de lar, movimento sindical, transfobia e a hipocrisia social, entre outros. A abordagem escolhida, no entanto, suscita muitas tramas paralelas, que, em certo momento, ofuscam o enredo principal e marcham para um caminho distante da narrativa de Pedro. Não causaria tanto estranhamento se todas as narrativas se amarrassem no decorrer da temporada, porém, é como se a situação do protagonista fosse um estopim para o drama dos outros personagens. Isso não seria problema, se estivéssemos diante de uma produção com um número maior de episódios.

Com Isso, a montagem é a que mais sofre, pois, precisa ser picotada para finalizar todas as narrativas. Isso não seria necessário se o drama fosse se centralizando conforme os episódios avançassem; a série, porém, segue o caminho oposto e quanto mais perto do fim, mais personagens ganham vozes e novas tramas se estabelecem.

Embora eu concorde que essa escolha expanda e enriqueça as discussões de “Transviar”, ao mesmo tempo, oferece um tom novelesco e quem mais sofre com isso são os personagens, que não possuem adensamento. A trama da família de Anália (Jeinnyliss Paixão), por exemplo , envolvendo violência contra mulher e os traumas deixados por isso, é citada em um dos episódios, mas não se prolonga. Em outros momentos, o roteiro subentende que o público já está a par das situações, mesmo que elas mal tenham sido mencionadas, como é o caso da depressão de Bruno (Thiago Costa).

Todas essas tramas paralelas, se fossem melhor executadas, poderiam elevar o tom da obra e aumentar a empatia e a fatia do público que “Transviar” pode atingir. A questão, no entanto, é que a pouca profundidade das narrativas tornam os personagens caricatos, como o núcleo religioso e o sindicalista. Já Pedro fica deslocado na história em que é o protagonista:  o personagem carrega um olhar melancólico e parece estar constantemente incomodado com algo, mesmo quando convive entre aqueles que o aceitam e o enxergam como membro da família. Essa inquietação, porém, não o leva a ação, mas a olhar para o próprio umbigo, o que é criticado por Bruno e naturalizado pelo roteiro.

Sobra silêncio e faltam diálogos

“Transviar” também apresenta um grande vazio em cena, decorrente da ausência de trilha sonora e de diálogos. Tal fato contribui para que muitas cenas percam o impacto que poderiam causar no público leigo, mas, aberto ao diálogo e a conhecer mais esse universo.

Entre esses momentos, um dos que mais perde pela falta de trilha é o do tradicional almoço familiar em que Pedro assume a sua identidade. Enquanto a fotografia em planos fechados consegue transpassar a agonia e angústia do protagonista, a atuação do clã não é suficiente para finalizar a inquietação provocada. Por isso, o maior destaque do episódio, que deveria ser para Pedro, fica para o choro silencioso da mãe comendo sozinha. São essas situações simples que são capazes de gerar identificação e empatia primordiais para produções dramáticas seriadas.

Mesmo assim, é importante perceber o quanto “Transviar” tem a contar e o respeito que a trama assume para com aqueles que representa.  Afinal, quantas famílias como a de Pedro, Lucas, Luz, Regina e Sandra podem se identificar com o que vêem em tela?

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...

‘De Costas Pro Rio’: dilemas de Manaus em curta irregular

Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a...

‘Boto’ – Episódios 12 e 13: no fim, um charme manauara inebriante

Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta...

‘Boto’ – Episódios 10 e 11: afetos, traumas e intolerância

Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a...

‘Boto’ – Episódios 8 e 9: sobra tempo e falta história

Momento confissão: chega a ser difícil escrever algo novo sobre os episódios 8 e 9 de “Boto” em exibição na TV Ufam desde a última sexta-feira, sempre às 23h, no programa Cine Narciso Lobo. Os capítulos voltam a bater nas mesmas temáticas já abordadas anteriormente...

‘Transviar’: trama inchada prejudica foco de série amazonense

As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm...