Ambientado em 1975, ano que institui a ditadura militar na Argentina,” Vermelho Sol” busca elucidar a pergunta-chave: como as pessoas deixaram isso ocorrer? Elas não perceberam nada estranho? A partir desta premissa, o longa aproveita para dar uma resposta dura e seca: todos sabiam, mas preferiram olhar para o outro lado. Com roteiro e direção de Benjamín Naishtat, o projeto se constrói em um clima de pura calmaria, focando em uma família de classe média alta, para explicar como o regime militar chegou ao poder.

“Vermelho Sol” inicia com uma sequência de quase 30 minutos em que Naishtat introduz o advogado Claudio (Darío Grandinetti) para o espectador em um restaurante de classe média alta. O advogado entra em discussão com um estranho (Diego Cremonesi) e a briga se estende para fora do local levando à morte do sujeito com um tiro dado pelo protagonista. Claudio tem a chance de levá-lo ao hospital de carro, porém, decide deixá-lo para morrer em um deserto.

Bem executados, todos esses acontecimentos são construídos em um ambiente de excelente suspense, apostando bastante em jogos de montagem com trocas de planos gerais com mais fechados e em desfoques bem pensados. Fica até o gostinho do que irá acontecer dali em diante, porém, o roteiro leva a outro caminho.

É de se esperar que as ações seguintes desenvolvam algum tipo de segredo ou trauma por parte de Claudio, mas, isso passa longe de acontecer. “Vermelho Sol” avança três meses e as coisas não poderiam estar melhor para ele. Claudio e sua família continuam saindo, se divertindo, sem que o passado influencie em nada o presente. Tal aspecto chama a atenção já que dentro da narrativa, e pelo próprio peso histórico do tema que “Vermelho Sol” utiliza, isso se torna um simbolismo do que é a história violenta da América Latina. Em tempos onde mais e mais é valorizado o período militar no Brasil, as pessoas parecem esquecer os horrores que foram executados durante os anos de chumbo e continuam a viver, achando que aquilo está somente no passado e que nada mais deveria ser feito.

TOQUES DE ALMODÓVAR

Seja em um número de mágica onde uma pessoa da plateia desaparece ou na agressividade do namorado da filha de Claudio ao suspeitar de uma traição, simbolismos e metáforas guiam o roteiro de “Vermelho Sol”. Benjamín Naishtat apresenta pequenos mecanismos na própria sociedade argentina para explorar o contexto político social do país.

Isso se mostra eficiente ao revelar a cumplicidade e o próprio teor agressivo que existe dentro do ser humano. Ele pode se vestir e falar bem, mas consegue admirar e até se satisfazer na hora de matar uma mosca, assim, fazendo um paralelo com as torturas que ocorreram no período.

Por vezes, “Vermelho Sol” termina lembrando um filme de Almodóvar pela presença constante da cor vermelha no figurino e direção de arte. Talvez uma forma de incluir uma ideia de que a qualquer momento qualquer um poderá ser vítima de algum ataque ou desaparecer, dado o delírio da paranoia “comunista”. O drama argentino ainda busca um tom quase que formalista, sempre com câmera parada e pouco uso de cortes dentro das cenas. Isso consegue auxiliar no clima de calmaria que o filme busca alcançar, deixando o espectador tão sedado quanto as personagens em suas vidas “normais”.

“Vermelho Sol”, ao final, consegue trazer uma ótima resposta para a pergunta feita no início deste texto, colocando aos personagens e as situações expostas as razões pelas quais um governo autoritário chega ao poder. Já Naishtat sai deste filme como um dos diretores mais interessantes para ficar de olho dado sua visão para simbolismos e sua mão para dirigir cenas de suspense.

Keila Serruya: ‘Desejo Mudar a Realidade de Apagamento do Negro em Manaus’

Sabe aquela expressão “Dentro de toda brincadeira, há um pouco de verdade”? Esse ditado popular poderia ser a resposta ao meme “o brasileiro tem memória curta”. Entre mitos e falácias, é notável o quanto ainda há muitos fatos que são obscuros aos livros de história...

Allan Deberton: ”Pacarrete’ está entrando na cultura pop’

Allan Deberton viveu um 2019 intenso. O primeiro longa-metragem da carreira, “Pacarrete”, fez uma vitoriosa carreira pelo circuito de festivais brasileiros e internacionais com destaque para a conquista no Festival de Gramado, onde dominou a premiação ao levar...

Marcélia Cartaxo: ‘’Pacarrete’ está presente em cada um de nós’

Estrear no cinema dirigida por Suzana Amaral em uma adaptação da obra de Clarice Lispector com apenas 22 anos de idade. Marcélia Cartaxo não se intimidou e realizou uma das mais belas atuações do cinema brasileiro em “A Hora da Estrela”. O trabalho rendeu o prêmio de...

Diego Medeiros e o Direito no campo do audiovisual brasileiro

Em 1997, “Baile Perfumado”, de Lírio Ferreira e Paulo Caldas, deu início a uma nova etapa do cinema pernambucano. Dali por diante, o Estado tornou-se um dos mais prolíficos do país com muitas das melhores obras da produção autoral brasileira. O sucesso comercial e em...

Sandino Saravia: incertezas no cinema do Brasil refletem nas coproduções na Am. Latina

“Boi Neon”, “Divino Amor”, “Pássaros de Verão”, “O Banheiro do Papa” e “Roma”. Estes são alguns dos filmes produzidos por Sandino Saravia. Sócio-produtor na CINEVINAY (México) e Malbicho Cine (Uruguai), ele foi um dos convidados do Mercado Audiovisual do Norte –...

Jorane Castro: da defesa do cinema nacional às identidades amazônicas nas telas

O Mercado Audiovisual do Norte – Matapi teve Jorane Castro como uma das principais convidadas da edição 2019. Professora do curso em Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Pará, ela conta com mais de 20 obras realizadas, entre...

Raphael Montes: ‘o caso Richthofen reflete a estrutura social do Brasil’

com apoio de João Bosco Soares Sete livros publicados, uma novela, uma série da TV Globo, outra da Netflix e incursões cada vez mais intensas no cinema, seja com o elogiado roteiro de “Praça Paris”, dirigido por Lucia Murat, ou o aguardado projeto, com dois filmes em...

Thiago Morais e as oficinas de audiovisual do Museu Amazônico

Thiago Morais ("A Estranha Velha que Enforcava Cachorros"), 43 anos, produtor audiovisual e desde 1995 dedicando sua vida por trás das câmeras. Com o currículo cheio e envolvimento em diversas produções aqui no Amazonas, o produtor desenvolveu a segunda etapa do ‘OPA...

Henry Grazinoli: ‘histórias são as ferramentas de comunicação mais poderosas existentes’

No começo desta semana, o cineasta paulista Henry Grazinoli esteve em Manaus ministrando uma palestra no Impact Hub sobre Storytelling e o impacto social do ato de contar histórias no cinema. Grazinoli é o diretor do ótimo documentário Um Novo Capitalismo, disponível...

Tizuka Yamazaki: Ancine, Gaijin, e, é claro, Xuxa

A cineasta gaúcha Tizuka Yamazaki já retratou no cinema protagonistas que saíam do interior para a “cidade grande” para realizar sonhos e também já levou para as telas a vida de uma pajé na Ilha de Marajó. Essas histórias resultaram em “Lua de Cristal” e “Encantados”,...