Legado é a palavra que definiu a primeira temporada de “Watchmen”. Criada por Damon Lindelof (“Lost”, “The Leftovers”), a série é uma adaptação da graphic novel homônima de Alan Moore e Dave Gibbons. Diferentemente do filme dirigido por Zack Snyder, o showrunner fez um remix, ou seja, uma continuação do universo criado na HQ original, respondendo a perguntas que ficaram e, principalmente, mostrando como o mundo reagiu ao ataque interdimensional da lula gigante – ponto alto da HQ. O resultado consiste em uma das melhores produções do ano.

A produção da HBO consegue resgatar e perpetuar o clima inquietante, ameaçador apresentado por Moore e Gibbons. Seguindo o ritmo apresentado na HQ, o roteiro se debruça em discutir temas pertinentes à política contemporânea. Se, no primeiro momento, “Watchmen” preocupou-se em discorrer sobre a Guerra Fria, o seriado abre espaço para uma discussão atemporal: o conflito racial. Abandona-se a tensão em volta da guerra do Vietnã e dos conflitos ideológicos entre as duas grandes potências do século XX e introduz-se à narrativa o massacre de Tulsa, considerada a Wall Street Negra, em 1921, orquestrado pela Klu Klux Klan.

A cidade de Tulsa e os impactos causados por esse genocídio contextualizam a obra e conduzem o espectador a percepção de como esse fato, dito isolado, afeta os antigos personagens dessa história e os introduzidos por Lindelof. Desse modo, é notável o respeito e a absorção que ele tem pelo “Watchmen” original. Em algumas entrevistas, inclusive, o Lindelof chegou a comentar que a produção seria o novo testamento, enquanto o produto de Moore e Gibbons, o antigo. O resultado é a compreensão do mote central da narrativa e o casamento entre todas as tramas.

Um dos pontos interessantes da narrativa é o mistério envolto da trama dos personagens. Foram precisos sete episódios para o espectador ver as histórias se cruzarem e conseguirem juntar todas as peças do quebra-cabeça. Sem ter, diga-se de passagem, nenhuma experiência intragável no processo.

Personagens Carismáticos

Contando com um elenco com Regina King, Jeremy Irons, Tim Blake Nelson, Yahya Abdul-Mateen II e Jean Smart, temos a figura de Angela Abar (King) como personagem central. Acompanhamos sua vida como policial mascarada e a história de sua família para compreendermos os rumos que Adrian Veidt (Irons), Lauren Blake (Smart) e Dr Manhattan (Abdul-Mateen II) tomaram e como ainda influenciam na vida dos cidadãos norte-americanos.

Nesse quesito, é imprescindível o respeito do criador da série pelo cânone. Vemos como a segunda leva de Minutemen motivaria um país dirigido por Trump (apesar de Robert Redford ser o presidente na série), por meio da associação de Rorschach, um mascarado direitista, com a organização racista Sétima Kavalaria. Ao mesmo tempo em que há sensibilidade para mostrar que, apesar de ter o poder de um semideus, Dr. Manhattan é apenas uma marionete nas mãos do tempo e não pode impedir que qualquer plano se concretize.

Novas histórias

Lindelof precisava da presença de personagens tão cativantes, carismáticos e interessantes quanto os criados na HQ. Desse modo, ele não apoia a sua narrativa nos personagens clássicos, utilizando-os, no entanto, para demarcar referências e easter eggs que nos levem a acompanhar a história de Angela Abar. Até mesmo o deus desse universo inclina-se como um servo a trajetória da policial.

Por meio das alusões à obra original, é possível, por exemplo, encontrar respostas para mistérios que permearam os fãs da HQ e introduzir novas personalidades carregadas de carisma e mistério. Desta forma, conhecemos a identidade do Justiça Encapuzada (Louis Gossett Jr.) e as conseqüências da aparição da lula-gigante através do episódio de Looking Glass (Nelson). Todas essas tramas são desenvolvidas satisfatoriamente e atendem aos novos fãs e aos que tem mais apreço pelo universo da graphic novel.

ALTAMENTE RELEVANTE

A forma como Lindelof escolheu contar a história, imergindo em um personagem a cada episódio, já havia sido utilizada pelo autor em “Lost”. Nesse caso em específico, no entanto, manteve a curiosidade do espectador e a alta qualidade dos episódios, dando demonstrações do poder estético que a TV norte-americana tem, como, por exemplo, em “This Extraordinary Being”, uma aula de continuidade e do uso de contraste.

Ao escolher essa abordagem, os capítulos são permeados de mistérios, que quando resolvidos, lançam luz a novas indagações. Talvez este seja o motivo que tenha tornado os dois últimos episódios da trama mornos, já que a grande revelação da série foi apresentada no sétimo capítulo. Restou ao final da temporada amarrar as pontas soltas e utilizar de “milagres termodinâmicos” – como Dr. Manhattan chamaria as coincidências – para entregar um ciclo fechado.

Foram necessários 33 anos para que houvesse uma adaptação digna de “Watchmen”, Lindelof realmente consegue ampliar o cânone e atingir seu objetivo de mostrar a vida após os eventos do final da HQ e se tornar o novo testamento. “Watchmen” é uma produção indagadora e altamente relevante para a sociedade contemporânea, tornando-se este um verdadeiro legado para nós.

‘Chicuarotes’: Gael García Bernal faz lição de casa na direção

Astro mexicano surgido no já clássico “Amores Brutos”, de Alejandro González Iñarritu, Gael García Bernal tornou-se um dos principais rostos do cinema latino dos últimos 20 anos. Estrelou obras importantes como “E Sua Mãe Também”, “Diários de Motocicleta”, “O...

‘Dolittle’: Robert Downey Jr passa vergonha em filme constrangedor

Robert Downey Jr saiu de “Vingadores: Ultimato” nas alturas, afinal, a maior bilheteria da história do cinema não apenas celebrava e alçava ao ápice o Universo Marvel, mas, também, era a celebração de seu astro-mor. O intérprete do Homem de Ferro é o centro de uma...

‘Sonic – O Filme’: diversão bobinha para iniciar nova franquia em Hollywood

Divertido, lúdico e sem maiores ambições: essa poderia ser a descrição exata de “Sonic – O Filme”. Baseado no personagem/mascote da Sega, a criatura é um dos personagens mais queridos e famosos do mundo do entretenimento digital e, pela primeira vez, chega à tela...

‘Dilili em Paris’: os encantos e perigos da capital francesa em ótima animação

Famoso pela conceituada franquia de animação ‘Kiriku’, o francês Michel Ocelot destaca novamente a cultura africana com ‘Dilili em Paris’. Apesar da animação em 2D não surpreender visualmente com as técnicas adotadas, a trama cercada de críticas sociais e...

‘O Preço da Verdade’: sobra ativismo e falta cinema em drama banal

Mark Ruffalo é, de acordo com todos os relatos, um sujeito legal. É ótimo ator, ativista, e que usa sua força de astro, adquirida por participar dos blockbusters do Marvel Studios, para ajudar a viabilizar filmes pequenos, muitos deles com consciência social e que...

‘Harriet’: Cynthia Erivo se salva em cinebiografia decepcionante

Nos últimos anos, temos visto na época de premiações do cinema, a condecoração de atores que interpretaram personagens históricos. Foi assim com Rami Malek, no último ano, por seu papel como Freddie Mercury (“Bohemian Rhapsody”); Eddie Redmayne e seu Stephen Hawking...

‘Aves de Rapina’: Arlequina e cia. apagam ‘Esquadrão Suicida’ com humor e violência

Depois do fatídico ‘Esquadrão Suicida’ ficou a cargo da personagem Arlequina seguir em frente com parte do universo estendido da DC nos cinemas. Assim, com uma roupagem totalmente diferente, o estúdio aponta para uma nova e animadora direção repleta de violência...

‘Jojo Rabbit’: arte para satirizar a cultura do ódio e da ignorância

Faz tempo que ouvimos uma ladainha ser repetida por aí: gente falando que “hoje em dia não se pode mais fazer graça de nada”, “o mundo tá chato”, “os tempos politicamente corretos acabaram com a comédia” e blá blá blá. Até o diretor de Coringa, Todd Phillips, saiu-se...

‘O Paraíso Deve ser Aqui’: ironia para ilustrar um estranho mundo

O cinema de Elia Suleiman sempre foi pautado pelo humanismo e pela metalinguem cinematográfica. O Que Resta do Tempo e Intervenção Divina são obras que reproduzem o toque delicado do seu autor em tratar questões da existência humana, ao mesmo tempo, em que se coloca...

‘Joias Brutas’: tensão explode em tela na melhor atuação de Adam Sandler

É sempre estimulante prestar atenção em trabalhos em que comediantes consagrados vão para o registro do drama (e vice-versa). Estes filmes, via de regra, surgem com frescor, pois o rosto conhecido por fazer rir está ali exposto para chegar em outro resultado, às vezes...